BrasileirasPeloMundo.com
Dicas para viajar sozinha Índia

Tudo que você precisa saber sobre Rishikesh na Índia

Tudo que você precisa saber sobre Rishikesh na Índia
Localizada na beira do sagrado Rio Ganges e aos pés do Himalaia, no norte da Índia, Rishikesh é conhecida por ser a capital do yoga. A cidade recebe muitos adeptos do hinduismo e praticantes de yoga, principalmente na época do Festival Internacional de Yoga, em março. Tem um estilo hippie e recebeu os Beatles em fevereiro de 1968.
A moeda utilizada é a rúpia indiana (1 real equivale a mais ou menos 17 rúpias). E foi exatamente lá, em Rishikesh, que passei os últimos quinze dias da minha temporada na Índia.
Depois de fazer o famoso triângulo dourado, passando pelas cidades de Nova Delhi, Agra e Jaipur, peguei um voo até Dehradun, capital de Uttarakhand, onde fica o aeroporto mais próximo (45km) de Rishikesh. E de lá um táxi até a escola onde fiz meu retiro de uma semana. Acredito que essa seja a forma mais fácil de chegar até a cidade. Mas sei que trem e ônibus também vão naquele sentido.

Leia também: O trânsito e o transporte na Índia

Tanto os retiros quanto os cursos de yoga, meditação e terapias podem ser realizados nas escolas ou em Ashrams. Eu escolhi a AYM, uma das escolas mais antigas de Rishikesh. Durante uma semana pratiquei yoga, fiz uma dieta detox, massagem e tive aulas de filosofia, mantras, anatomia e meditação. Aprendi técnicas sensacionais e conheci pessoas incríveis. Você pode fazer a inscrição para os retiros e cursos no site das escolas, mas eu indico que só confira a data no site e faça a inscrição quando chegar lá mesmo, porque a diferença no valor é bem considerável e você também pode visitar o local, fazer uma aula experimental e sentir a energia do lugar antes de se matricular.

Além dos cursos de yoga, meditação, reiki, ayurveda, mantra, massagem, filosofia, culinária e muitos outros, você também pode fazer trilhas pela região e conhecer as cachoeiras, descer o Ganges em um rafting tour (passeio de bote pelo rio), saltar de bungee jumping, andar de balão, explorar os templos, fazer compras… enfim, tem atividades para todos os gostos. E lá você vai encontrar muita gente legal com muita história para contar.

Apreciando o Rio Ganges
Fiquei no Live Free Hostel. Super recomendo, bem localizado e gerenciado por dois irmãos que te tratam como você fosse da família. Lá conheci duas brasileiras muito gente boa, um fotógrafo argentino que viaja o mundo fotografando, europeias que cansaram da vida corrida da Europa e agora estão morando na Índia dando aulas de inglês, yoga ou qualquer outra habilidade. E o Paul, um inglês que já morou no Canadá e na França e que agora, aos seus 50, resolveu rodar o mundo sem data para voltar.
Paul me levou até o Ganges pela primeira vez e também foi meu parceiro de refeições. Fizemos um tour pelos cafés e almoçávamos quase todos os dias em um restaurante local perto da ponte Laxman Jhula. Lá era nosso local favorito, tem o melhor Thali de Rishikesh. Um prato que vem com arroz, pão, lentilha, molhos e vegetais, uma delícia, você não pode sair da Índia sem provar. Detalhe: custa só umas 120 rúpias!!!!
Também foi com Paul que comi minha primeira dosa e minha primeira samosa. Provem!!! Quem prefere doce, uma sobremesa de Israel famosa em todos os cafés de Rishikesh é a Hello to the Queen, um biscoito com banana, sorvete, chantili e calda de chocolate. Entre os doces tradicionais, os meus favoritos são gulab jamun, sandesh e o rasgulla. Você compra uma caixa deles por, no máximo, 150 rúpias.
Delicioso prato Indiano, Thali
Acredito que uma das melhores coisas a se fazer em Rishikesh é caminhar pela vila, olhar as banquinhas e sentar nos cafés para ler um livro e jogar conversa fora. Para mim o melhor e o mais barato para café da manhã é o Shambala Cafe. No Beatles Cafe, a vista do Ganges é linda e lá tem pizza, hambúrguer, saladas. Já o Royal café, do outro lado da ponte, é um pouco mais badaladinho, também tem vista para o rio e um brownie maravilhoso. O Little Bhudda Cafe é um pouquinho mais caro, mas é bem fofo em formato de casa na árvore. Praticamente todos são decorados com cangas nas paredes e almofadas no chão, deixando o clima bem descontraído.
Vale a pena lembrar que Rishikesh é uma cidade vegetariana e álcool free. Então, por lei, é proibida a venda de bebida alcoólica e carne de qualquer tipo. Mas nem se preocupe, não sentirá falta de nada, pois estará experimentando coisas deliciosas todo dia.

Leia também: Os 10 melhores cafés de Lima

Fim de tarde recomendo atravessar a ponte Laxman Jhula caminhando e ir assistir o Aarti, ritual do amor em sinal de devoção à luz divina que ocorre todos os dias ao pôr do sol, na beira do Rio Ganges. Nele as pessoas fazem suas oferendas aos Deuses no rio, cantam e confraternizam.
O mesmo ritual pode ser visto perto do mercado que fica um pouco mais longe, sugiro ir de tuk-tuk. Aproveite, faça umas comprinhas e coma por lá. Dica: quando o ritual terminar, aguarde até iniciar a música para ver os locais dançarem, é lindo!
Aarti na beira do Ganges
Eu tenho certeza que você vai amar Rishikesh. Eu sou outra pessoa depois desses 15 dias lá. O lugar tem uma magia, uma energia contagiante que não te deixa ir embora ou te faz querer voltar. Eu mal posso esperar para voltar. E você, vai quando? Namastê.

Related posts

O amanhecer na Índia

Rachel Tardin

Nepal: um amor à segunda vista

Marina Mazzoni

Higiene e alimentação na Índia

Rachel Tardin

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação