BrasileirasPeloMundo.com
Curiosidades Pelo Mundo Japão

Robôs no Japão

Robôs no Japão.

Falar sobre o Japão sem falar em tecnologia é quase impossível. A imagem de um país moderno cercado por tecnologia, robôs e, mais recentemente, personagens saídos dos mangás, está presente na imaginação de quase todos! Sem dúvida o país possui uma tecnologia muito avançada e está acelerando o processo de automatização e robótica empregada no dia a dia, visando impressionar o mundo ainda mais em 2020, quando sediará os próximos Jogos Olímpicos.

Nos bastidores desse fantástico mundo futurista existe, a meu ver, uma triste e fria realidade projetada muito antes mesmo da existência de qualquer engenhoca. Neste artigo, gostaria de apresentar fatos reais observados no meu cotidiano o que, com certeza, alguns elementos desse cenário, fazem parte do seu dia a dia também, seja lá onde você esteja vivendo agora.

O Japão tem se empenhado cada vez mais em desenvolver projetos utilizando a tecnologia AI (artificial intelligence), agora fora do âmbito industrial. Hoje em dia existe uma campanha, digamos silenciosa, que estimula cada vez mais as pessoas a usarem menos a sua capacidade intelectual e deixar tudo nas mãos da tecnologia. Tudo é muito conveniente Totemo Benri dessu ne! Alto lá!

Eu sempre me perguntava como o Japão, um país rico e inteligente, ocupa o quarto lugar em números de suicídios no mundo e tem um índice tão baixo de natalidade, sendo uma nação onde as pessoas tem condições de criar os filhos com boa qualidade e o governo faz tão pouco para mudar esse quadro. A resposta é simples: o governo não está interessado em pessoas e sim em ROBÔS!

Leia também: como é trabalhar numa fábrica japonesa

Já sabemos que há muito tempo a automatização nas indústrias tirou milhares de postos de serviço mundo afora. Agora a tecnologia avança para tirar, não apenas os nossos empregos, mas também tem o grave pretexto de exterminar nossas relações interpessoais substituindo-as por relações virtuais e humanoides, os robôs com inteligência artificial (AI).

Sempre observo nos restaurantes, por exemplo, as famílias ou casais sentados aguardando a comida chegar sem trocarem uma palavra, afinal, estão ocupados demais com seus smartphones e as crianças com seus playstations ou Ipads. Não existe qualquer tipo de interação real entre eles. Lojas de telefonia celular como a Softbank já utilizam, em parte do seu atendimento, um pequeno robô humanoide, o Pepper.

As crianças, nossos futuros adultos, podem crescer brincando em parques com atrações como o Kingdom of Robot (Reino Robô), que funciona dentro do parque Huis Ten Bosch, outra gigante do ramo que investe pesado na ciência da robótica. Você pode conferir clicando nesse link e verá que não é brincadeira não, a coisa é séria.

O robô também é apontado como solução para a crescente indústria de cuidados com idosos. Devido a falta de mão de obra humana, novamente, as máquinas são a aposta para um futuro não tão longínquo. Já existem vários equipamentos sendo testados. Todos, claro, interfaces para sua segurança e garantia da evolução desses equipamentos até chegarem a perfeição humana ou superá-la: é o caso do HSR ou Human Support Robot. Esta é uma das mais recentes inovações da Toyota para suprir o mercado carente de calor humano! Mas, como a própria empresa adverte o HSR “ainda” não usa tecnologia AI pois, isto não pode substituir o ser humano quando se trata de cuidado com pessoas queridas, porém, as pesquisas seguem para que estes robôs alcancem esse patamar e tomem o nosso lugar também nessa área.

Leia sobre: Dá para morar no Japão sem saber japonês?

Para as Olimpíadas de Tóquio, o Japão simplesmente projetou uma vila de robôs, a qual funcionará na cidade futurista de Odayaba. A cidade já possui uma estátua enorme do robô Gundam. Os robôs-táxis serão outra atração à parte, movidos por células de hidrogênio e autônomos, ou seja, não haverá um motorista, o próprio carro vai falar com sua voz metálica em seu idioma e conduzi-lo até seu destino.

Lembrando que não são poucos os japoneses que sofrem de diversos tipos de – digamos – distúrbios de comportamento, tais como o Hikikomori (引き篭もり), por exemplo, em que o indivíduo vive isolado da sociedade trancado dentro do quarto, dormindo durante o dia todo e jogando ou lendo seus mangás durante a noite, evitando qualquer tipo de contato com o mundo externo. Recentemente, tecnologias como a internet e os robôs “amigos”, tais como o novo Kirobo Mini, aparecem sorrateiramente como solução, isto é, essas pessoas não vão precisar se esforçar para retomarem suas vidas e viver em harmonia com a sociedade, um robô é o bastante.

Outra função mais estranha ainda nesse robô é a pretensão de despertar o interesse pela maternidade nas mulheres japonesas visto que o modelo Mini se comporta e possui voz, movimentos e reações como um bebê. Será que estão sugerindo algo aqui? Lembrando que aquelas bonecas (os) infláveis são coisas do passado. Caso você não saiba ainda, dê uma olhadinha no que a Roxxxy ou a RealDoll já são capazes de fazer.

Sinceramente, eu não me sinto nada confortável no meio dessa parafernália toda. Porém, muitas pessoas adorariam viver em um mundo metálico como o que está sendo projetado para um breve futuro. A tendência androide não respeita os limites e a robótica parece estar invertendo o seu papel de preservar o ser humano. A impressão que fica é que tudo é uma questão de tempo, o qual voa em velocidade além dos gigas, deixando em mim uma sensação apocalíptica, quando penso em futuro. Parece que a ficção já se tornou realidade: basta eu olhar ao meu redor. Creio que seja necessário fazermos um upload para uma versão mais humanizada novamente.

Related posts

Verlan, um jeitinho bem francês de falar

Rosana Alcântara

Dicas para comprar imóveis no Japão

Emilia Hanashiro

Uma viagem pela Ásia

Simone Dias Moreno

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação