BrasileirasPeloMundo.com
EUA Turismo Pelo Mundo

São Francisco e a cultura hippie – o Distrito de Haight-Ashbury

São Francisco e a cultura hippie – o Distrito de Haight-Ashbury.

A Califórnia é conhecida internacionalmente como o paraíso de veganos, vegetarianos, “gluten-free” e orgânicos, com restaurantes e supermercados para todos os tipos de dietas e estilos de vida.

Embora São Francisco seja conhecida hoje como a cidade dos bilionários em tecnologia, num passado não muito distante ficou muito conhecida por sua contracultura dos anos 60, o movimento hippie e sua conexão com a música dos anos 60/70.

Após assistir um lindo documentário que conta a vida de Janis Joplin (“Janis: Little Girl Blue”),  decidi ir conferir as raízes do movimento hippie na cidade. Visitei o bairro conhecido como “Haight-Ashbury”, “the Upper Haight” ou, simplesmente, “The Haight”.

A História do distrito

A região foi conhecida como  o centro do movimento hippie psicodélico na década de 60, com artigos em jornais do mundo inteiro. O bairro era idealizado pelos hippies para ser o centro de uma comunidade baseada em ideais da contracultura pós-guerra, focada em antimilitarismo, experimentação e uso de substâncias psicoativas para revelação espiritual e criação de vínculos comunitários. Grande parte dessa cultura ficou conhecida pela música produzida no local.

A primeira head shop foi aberta em 1966, oferecendo um lugar para se comprar maconha e LSD e se confraternizar com outros hippies.

No verão de 1967, conhecido como o “verão do amor”, a música rock psicodélica ganhou espaço e o hit “San Francisco (Be Sure to Wear Flowers in your Hair)” se transformou no hit do ano. Em julho do mesmo ano, a revista Time cobriu a história: “Os hippies: filosofia de uma subcultura”, dando mais popularidade ao movimento ao redor do mundo.

Foto: Pixabay

O bairro, então, se tornou uma área com intensa vida noturna e o lugar onde moravam os músicos que representavam o movimento, inclusive Janis Joplin e John Lennon (temporariamente).

A utopia do “verão do amor” atraiu o público jovem e até mesmo militares no pós-guerra, que começaram a viajar e se mudar para o bairro, vindo de vários lugares dos EUA.

O bairro era pequeno demais e não tinha estrutura para acomodar esse alto influxo de pessoas e começou a sofrer declínio: superlotação, mendigos, abuso de drogas e criminalidade.

Em outubro daquele ano, o movimento tomou uma direção diferente anunciando a “cerimônia da morte hippie”, encorajando pessoas a não mais se mudarem para lá, mas levarem os ideais do movimento para suas próprias realidades.

Hoje em dia, o bairro ainda comemora esse festival de verão todo ano, com museus, festivais de filme, hotéis que oferecem pacotes com coquetéis psicodélicos e tours.

Nas últimas décadas, San Francisco foi invadida pela dinheiro vindo das empresas de tecnologia, o que tornou a vida na cidade caríssima e impossibilita a ocorrência de outro movimento de artistas como esse morando no coração da cidade. Mas o Haight manteve sua identidade: um cinema mantido por uma iniciativa comunitária chamado “The Red Vic”, que exibe filmes locais, um montão de cafés, livrarias e principalmente brechós.

Foto: Pixabay

Compras no Haight-Ashbury

Hoje, o bairro é muito frequentado principalmente por quem quer gastar e adquirir relíquias da época. As compras começam normalmente pela “Amoeba Records”, maior loja de música independente, na parte mais baixa e oeste da rua. A loja era anteriormente um boliche e tem uma das maiores coletâneas de CDs novos e usados do mundo.

Apenas a um quarteirão dessa loja, você estará no famoso Golden Gate Park, na famosa ladeira hippie, onde você irá amar ou odiar as apresentações musicais e os brownies de maconha que são vendidos na ladeira.

Aliás, vale lembrar que a maconha foi legalizada para fins recreativos em janeiro de 2018 na Califórnia e o cheiro ao redor dessa vizinhança não te deixará esquecer dessa novidade.

Leia também: Legalização da maconha na Califórnia

Os turistas podem visitar lojas de roupas vintage, cafeterias e lojas de souvenir hippie. Eu tive a oportunidade de visitar um brechó enorme chamado “Wasteland”. Lá encontrei peças usadas de designers caríssimos, como Chanel e D&G, em ótimas condições com preços fenomenais.

Destaque merecido a “The Decades of Fashion”, uma loja enorme que é uma verdadeira viagem no tempo. A loja tem roupas e acessórios originais da década de 1880 a 1980, separados em diferentes áreas. Lá você encontra lindos vestidos “flapper” originais da década de 20 e pode experimentar um montão de peças. A loja foi fundada por uma ex-modelo que chegou na cidade. Lá você encontrará roupas originais e estará preparado para qualquer festa a fantasia. O preço é um pouco salgado, mas as peças são originais e valem a pena.

Uma vez por ano acontece a Haight-Ashbury Annual Street Fair, uma feira enorme para celebrar o verão do amor e a história do bairro com artistas de rua e comida.

Leia também: Visto para morar nos EUA

Restaurantes e vida noturna

A região também oferece restaurantes e bares para os visitantes. Pizzarias, restaurantes veganos, comida tailandesa, chinesa e mexicana são apenas algumas das opções disponíveis. Os preços são acessíveis e os restaurantes, normalmente, são pequenos, mais para um lanche rápido do que para um jantar completo. A ideia e fazer apenas uma pausa para reabastecer e voltar para as compras.

Também podem ser encontrados bares locais, pequenas (e poucas) danceterias, cervejarias e bares para a comunidade LGBT. Enfim, o Haight tem um cantinho para todo gosto.

Related posts

Observação de Baleias na África do Sul

Debora L. Juneck

Uma carioca em Maine, nos EUA

Caroline Rebouças

10 dicas para trabalhar em casa com filhos pequenos

Patrícia Penna

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação