BrasileirasPeloMundo.com
Austrália Comemorações Pelo Mundo

Tudo sobre o Reveillón em Sydney

O Reveillón em Sydney é um dos mais bonitos do mundo. A queima de fogos na Harbour Bridge, na baía de Sydney, é tão espetacular quanto a que acontece na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro. Tive a oportunidade de passar o Reveillón na cidade duas vezes, sendo a primeira delas numa festa na Opera House e a segunda no Jardim Botânico, que fica logo ao lado. Sem dúvida nenhuma passar o ano novo em Sydney é uma experiência que todo mundo deveria ter um dia, porém, devo ser honesta e confessar que pode ser decepcionante pra quem espera uma grande festa que dura até o raiar do dia 1º de janeiro ou pra quem não se organiza com muita antecedência. Abaixo vou explicar em detalhes como funciona o Reveillón em Sydney pra quem pretende um dia ver os fogos na baía.

Festas fechadas e pagas

Inúmeros lugares ao redor da baía de Sydney, com visão privilegiada da Harbour Bridge e da Opera House, oferecem festas fechadas. A própria Opera abriga diferentes eventos na noite do dia 31 de dezembro. Independente de ser um hotel, um club ou um parque é necessário comprar ingresso pra assistir à queima de fogos e o valor varia de acordo com o tipo de evento e o local. Meu primeiro reveillón em Sydney, na virada de 2013 para 2014, passei em uma festa que aconteceu no deck do Opera Bar, com bebida e comida liberadas. O ingresso por pessoa custou AUD 550.00 e foi uma das melhores festas que fui na vida. Teve show, muita gente bonita e estilosa e uma vista simplesmente perfeita dos fogos. A festa começou às 5 horas da tarde e terminou à 1:30 da madrugada.

Meu segundo reveillón em Sydney, na virada de 2015 para 2016, foi o oposto do primeiro. Meus pais e minha irmã vieram pra cá passar junto comigo, meu irmão e minha cunhada e por isso decidimos comprar ingressos para um “jantar 5 estrelas” que estava sendo oferecido pelo Shangri-la hotel no Jardim Botânico, também com vista privilegiada da Harbour Bridge. O ingresso custou AUD 450.00 por pessoa, nada barato. Porém, nossa experiência foi péssima. O “jantar 5 estrelas” nada mais era do que salgadinhos fritos e frios, pelos quais tivemos que esperar por mais de 3 horas, numa fila interminável. Não havia mesas e cadeiras pra sentar, o esquema era tipo picnic e tivemos que improvisar assentos na grama com nossos casacos. A fila para pegar bebidas demorava em média 1 hora e com base nisso, já dá pra imaginar como era a espera na fila dos banheiros químicos. Chegamos no Jardim Botânico por volta das 7 horas da noite e fomos embora tão logo terminaram os fogos, extremamente decepcionados. Junto com outras tantas pessoas que estavam na festa, processamos a empresa organizadora e conseguimos reaver nosso dinheiro, já que o fracasso do evento e a insatisfação de quem esteve lá foi destaque nas manchetes nacionais na Austrália no dia 1º de janeiro.

Mesmo locais públicos e gratuitos no centro da cidade, como o Barangaroo e o Luna Park, cobram ingresso pra quem quer assistir à queima de fogos e normalmente as vendas se iniciam em setembro, sendo muito importante comprar o ticket o mais cedo possível, para evitar perder a chance de ver um dos eventos mais lindos de Sydney.

A queima de fogos
As festas começam e terminam cedo, como é de costume aqui na Austrália. Diferente do Brasil, onde dá para virar a noite do dia 31 de dezembro, dançando e bebendo na rua ou em casa, aqui isso é muito pouco comum. Normalmente os eventos da noite de reveillón começam pelas 5 horas da tarde com o sol ainda alto.

Às 21h acontece o Family ou Kids Fireworks na Harbour Bridge, que é uma queima de fogos menor para as famílias que estão com crianças pequenas  e não querem esperar até à meia-noite. São 8 minutos de show de fogos de artifícios sobre a ponte, sincronizados por música. Logo a seguir, os inúmeros barcos ancorados na baía se iluminam, para deixar a paisagem ainda mais bonita.

À meia-noite ocorre o espetáculo mais esperado,  com um show pirotécnico nos principais pontos da baía de Sydney: Harbour Bridge, Opera House e Darling Harbour. São 12 minutos de fogos de artifício sincronizados, explodindo e colorindo o centro da cidade. É realmente  sensacional e emocionante!  A primeira vez que assisti, não sabia muito bem se chorava, se ria, se abraçava meu irmão e minha cunhada ou se simplesmente contemplava aquilo tudo.

Porém assim que termina, a grande maioria das pessoas vai embora. Isso mesmo, vai todo mundo de volta para casa e é bem importante planejar a viagem de ida e volta dos bairros até o centro, já que o trânsito fica congestionado e o transporte público lotado. As festas fechadas e pagas ainda duram um pouco mais, normalmente  até às 3 horas da manhã dependendo do lugar, pois existem leis rígidas de horário de funcionamento dos estabelecimentos e principalmente, uma lei bem restritiva em relação à venda e consumo de bebidas alcóolicas.

Locais abertos e gratuítos pra ver os fogos
No centro de Sydney, onde fica o palco principal do reveillón, é quase impossível assistir à queima de fogos sem pagar. Há em volta da baía, entre a Harbour Bridge e a Ópera House, uma pequena área delimitada para quem não quer pagar para ir à uma festa. Entretanto para garantir uma vaguinha, é preciso chegar muito cedo, ainda de manhã ou no começo da tarde, e passar o dia inteiro esperando que chegue à noite, normalmente debaixo de um sol escaldante. Para quem tem coragem e disposição, é recomendável levar uma toalha para poder sentar no chão, além de  comida e bebida sem álcool.

Em algumas praias/bairros de Sydney também há queimas de fogos próprias, como por exemplo, em Manly Beach. Não há vista para cidade, mas há um pequeno espetáculo para quem fica acampado o dia todo na beira da praia. Às 21h a polícia passa revistando todo mundo e recolhendo bebida alcóolica. Nenhum bar ou restaurante abre e não há festas pra ir.

Imagem: Pixabay

Se você quiser saber mais sobre o Reveillón em Sydney, recomendo acessar esses sites Sydney
Whats On

Related posts

Principais desafios para se recolocar profissionalmente na Austrália

Evelyn Nigri

Desfile de Loucos em San Miguel de Allende, no México

Simone Gonçalves

Minha jornada até Brisbane

Tasla La Pastina Worth

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação