BrasileirasPeloMundo.com
Arizona Chicago Colorado Connecticut EUA Havaí Los Angeles Memphis Mississippi Missouri Nova Iorque Seattle Texas Virgínia Washington

Vacinação nos EUA

Recentemente, nos EUA, o assunto “vacinação” tomou conta de inúmeros grupos de debate, fóruns de mídias sociais e até mesmo jornais e televisão. Isso vem ocorrendo devido ao aumento de casos de crianças e adultos apresentando diversas doenças que normalmente podem ser prevenidas através da vacinação. Como em diversas situações do nosso cotidiano, há pessoas que acreditam na vacinação e há pessoas que são contrárias a ela. O tema é polêmico, eu sei.

Apesar de não trabalhar na área de saúde, sou declaradamente 100% favorável à vacinação. Acredito que este seja um dos mecanismos mais eficazes no reforço das defesas do organismo humano. Acredito que o tema seja uma questão de saúde pública e não de escolha pessoal. Acredito que para que certos avanços referentes à imunização de massas continuem acontecendo e tenhamos a proteção da população ampliada, é preciso conscientização da sociedade sobre o assunto.

No entanto, meu objetivo aqui NÃO é convencer o leitor a se vacinar ou vacinar seus filhos e muito menos abrir um debate sobre vacinação, indústria farmacêutica e teorias científicas. A minha opinião é exclusivamente minha. Eu me vacino porque acho importante. Se você, leitor, não acha, por favor não entenda este artigo como uma crítica a você. O objetivo do texto é informar quem mora nos EUA e deseja se manter imunizado, aonde se vacinar, valores e onde adquirir mais informações por meio de dados oficiais do governo norte-americano.

Quais vacinas são recomendadas?

Existem diferenças na forma de vacinação em países como o Brasil e como os Estados Unidos. No entanto, os vírus combatidos são os mesmos. Entre as vacinas recomendadas pela Organização da Saúde (OMS) estão: a tríplice viral, contra os vírus do sarampo, rubéola e caxumba, vacinas contra a difteria, tétano, hepatite B e coqueluche; e a vacinação anual contra a Influenza, vírus causador da gripe. É importante manter em mente quando saímos do Brasil que cada país possui seu próprio calendário de vacinação, que normalmente caminha junto com as recomendações da OMS.

Foto: Pixabay.com

Vacinas em adultos e crianças

A diferença entre Brasil e EUA geralmente se dá quanto ao período em que a vacina será tomada: no Brasil, por exemplo, um bebê já recebe as primeiras vacinas na maternidade, já nos Estados Unidos, as vacinas começam a ser dadas somente a partir dos dois meses de vida. Ao longo da vida a criança vai recebendo as diversas doses recomendadas. O controle de imunização aqui é feito, muitas vezes, através da escola. Dependendo do seu estado de residência, a apresentação do cartão de vacinação é obrigatória para matricular uma criança na escola, salvo algumas exceções. Para informações referentes à vacinação infantil e obrigatoriedade nas escolas, leia esse texto do Brasileiros Pelo Mundo.

Leia também: Tudo que você precisa saber para morar nos EUA

Mas se engana quem acha que nos EUA a recomendação de imunização é recomendada apenas para crianças. Isso por vezes passa desapercebido, tendo em vista a falta de informações relacionadas ao sistema de saúde norte-americano, que pode ser bastante confuso. Adultos aqui também são incentivados a manterem o cartão de vacinação em dia e se você for imigrante, a United States Citizenship and  Immigration Services (USCIS) irá te investigar sobre isso também. Quando eu estava fazendo o processo de pedido do Green Card, descobri que um dos requerimentos é justamente apresentar o cartão de imunização e provar que estava em dia com uma série de vacinas. Como eu não estava com o cartão atualizado, tive que tomar algumas doses.

Para saber vacinas você deve tomar, de acordo com os padrões norte-americanos clique aqui. O Center for Diseases and Prevention (CDC) é órgão norte-americano que supervisiona e informa oficialmente sobre este assunto.

Onde ir?

De acordo com o portal oficial de imunizações do governo norte-americano, os lugares mais indicados para tomar vacina são no consultório do seu clínico geral, redes de farmácia (CVS, Walgreens, Rite-Aid, etc) e postos de saúde financiados pelo governo (aqui chamados de “community health centers”).

– Se você decidir se vacinar no consultório do seu médico, ele mesmo te indicará quais vacinas deve tomar e fará sua imunização.

– Se você pretende ir até uma farmácia, ligue antes de ir, verifique se a farmácia realiza a imunização de determinada vacina e o valor. Dependendo do seu plano de saúde, a vacina que você deseja tomar é coberta pelo plano.

– Essa opção geralmente é utilizada por quem não possui plano de saúde. Se você optar por visitar um destes postos, dependendo da sua renda a imunização será feita gratuitamente ou por um valor que se adeque ao que você pode pagar. Para procurar um posto de saúde perto da sua região clique aqui.

Valores

Como tudo relacionado à saúde nos EUA, vacinas também podem te custar uma pequena fortuna por aqui. No entanto, muitos planos de saúde cobrem as vacinas básicas e você só precisa pagar pela imunização contra doenças que não são comuns nos EUA, como é o caso da febre amarela, por exemplo.

Para ter informações referente aos valores cobrados por imunização, caso você tenha uma plano de saúde privado, como Cigna, BlueCross BlueShield, United Healthcare, entre outros, consulte a sua seguradora.

Caso você tenha planos como Medicare, Medicaid ou Tricare, do governo norte-americano, clique aqui ou os consulte diretamente.

Se for viajar para um país onde seja obrigatório a imunização contra determinadas doenças, existem diversas clínicas especializadas e cadastradas pelo governo norte-americano. Geralmente os planos de saúde não cobrem esse tipo de imunização. Uma das cínicas especializadas mais conhecidas é a PassportHealth, mas se você preferir outra, pode verificar a lista disponibilizada pelo CDC aqui.

Gostou do texto? Continue nos acompanhando.

Related posts

Dores e delícias de morar no exterior

Alessandra Ferreira

Onde morar em Los Angeles – Valley

Natália Baldochi

Solidão, solitude e adaptação no exterior

Lorena Nascimento

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação