Hábitos das creches francesas

9
520
Advertisement

Minha filha foi para a creche no Brasil a partir dos 6 meses e ficou lá até nos mudarmos.( ela tinha 1,5 anos) . Ficava em  período integral de 07 as 19h com serviço completo: todas as refeições feitas (incluindo o jantar que era dado por volta das 17:00 / 17:30 para os bebês ), banho e dente escovado (a partir de uma determinada idade, antes levávamos a dedeira) .

Quando saiu do berçário e foi para a turma dos que já andavam, tinha até uniforme (o que não existe na França). Ao chegarmos na França, depois de toda a saga para conseguir a creche, veio o choque cultural. Não dá para dizer se os hábitos por aqui são melhores ou piores que o Brasil. Alguns hábitos e termos usados são diferentes, e põe diferente nisso.

Na França tem vários tipos de creches , minha filha ficou na creche multi acolhimento durante 8 meses, depois conseguimos uma vaga em uma creche do lado da escola para as quartas feiras e férias escolares até ela completar 3 anos (o sistema de férias escolares na França é uma outra história).

Para começar, você paga por hora e no caso da multi acolhimento pode deixar a criança 2 dias da semana, somente algumas horas. Com a falta de vagas este esquema salvou a minha vida quando meu marido precisou estudar. Minha filha ficou 4 meses indo 2 vezes por semana e ficando somente 3 horas por dia . O que eu vi no Rio mais parecido com este esquema são os centros de recreação, mas não é a mesma coisa e não são considerados creche .

Quando ela passou para todos os dias em período do integral, aí senti a grande diferença:

– Nem todas as creches na França dão almoço, no meu caso a primeira creche que conseguimos não dava, eu levava a quentinha todos os dias. Os lanches eram dados pela creche. Jantar as 17:30 como no Brasil? De jeito nenhum . Todas as crianças jantam em casa, o que a creche fornece é o gouter (lanchinho da tarde), geralmente dado por volta das 16h.

Para mim foi uma diferença enorme na rotina da casa. À noite eu dava o jantar (geralmente feito na véspera para ganhar tempo) e fazia a quentinha do dia seguinte. No Brasil estava habituada a dar um lanchinho a noite somente. Saía cedo para trabalhar e chegávamos por volta das 18:00 / 18:30 e para não diminuir o tempo com a minha filha, fazia a comida depois que ela ia dormir.

Pegar criança recém saída do banho na creche? Isso não existe. Eles não dão banho e quando fala que é uma prática comum no Brasil, eles ficam espantados.  Conversei com uma francesa sobre isso e o argumento dela é interessante:

Ela me disse que não gostaria que dessem banho na creche , pois ela iria perder o melhor momento do dia com o filho dela, que é a hora do banho, a hora mais divertida para os dois. Um outro ponto de vista a ser considerado.

Imagem pixabay.com
Imagem pixabay.com

Quando minha filha entrou e nos passaram as recomendações do que deveria ser levado, nada foi dito sobre escova de dentes . Resolvemos levar mesmo assim. Um dia, resolvi perguntar se as crianças escovavam os dentes depois do almoço, a resposta um tanto quanto surpresa pela pergunta, foi a seguinte:

“ Não temos tempo para isso, temos coisas mais importantes para fazer” . Depois descobri que a orientação na França é de escovar os dentes no mínimo duas vezes por dia. Que os adultos não escovavam na hora do almoço eu ja sabia, mas pensava que na creche escovariam.

Quando você vai pegar a criança na creche sempre pergunta como foi dia, como ela se comportou . Os termos usados para definir e caracterizar a criança são diferentes do Brasil. Um vocabulário novo, podemos dizer assim.

Na creche no Brasil você escuta que a criança é calma, sapeca, agitada, levada, ou termos similares. Demorei um pouco para me acostumar com os termos usados aqui, porque se traduzidos ao pé da letra você pode se espantar um pouco com alguns:

Elle est mignonne, mais c’est une coquine. Ela é graciosa/ engraçadinha, mas é marota/ “esperta”. Demorou um pouco, mas me habituei com o coquine e já entrou no meu vocabulário. Elle est maline, cannaille. Ela é maliciosa / malandra , canalha.

Para mim, o termo canaille foi o mais difícil de engolir. Como assim minha filha é canalha? Tem só 2 anos! Me explicaram que se fosse para adulto seria ofensivo, mas para criança é bonitinho, do tipo ela sabe que esta errado e ainda faz cara de coitadinha! Ainda bem que só escutei este termo na creche, porque para mim sempre soa estranho.

Elle a du caractére – ela é difícil, tem personalidade forte. Até hoje não sei se isso é bom ou ruim. Sempre que falam isso para ela, terminam a frase com : é bom para a vida dela ter personalidade forte.

Tetue, tete de cochon, – cabeça dura, cabeça de porco (que é cabeça dura também). Imagine crianças entre 2 e 3 anos andando na rua de dois em dois em fila com adultos na frente e atrás, atravessando a rua para ir a mediateca? Pode ser que façam o mesmo no Brasil, mas não faziam na creche da minha filha para as crianças de 2 anos. Fiquei surpresa quando solicitaram a autorização para ela ir, depois me acostumei.

Os hábitos são outros, outra cultura, outro vocabulário, é uma questão de adaptação em todos os sentidos .

9 Comentários

    • Oi…
      Que bom que gostou.
      Esses dias estava conversando com um francês que disse p não me estressar com o canaille quando dito para crianças pq é carinhoso e não ofensivo, É um nível acima do coquine . Mas não me acostumo rsrs
      Bjs
      Lilian

  1. Muito bom Lilian. Estpu me mudando para a França também em breve, mas meu pequeno de 11 anos está relutando, vc tem alguma amiga q tenha filhos nesta idade, e que tbem é brasileira, para me contar como foi esta adaptação?! Serei muito grata. Um beijo Andressa N

    • Oi Andressa
      Td bem? Que bom que gostou.
      Já sabe em que cidade vai ficar?
      Já escolheu a escola? Algumas cidades tem escolas internacionais com crianças na mesma situação seu filho. Ele está fazendo aula de francês?
      Vou perguntar para as pessoas que eu conheço como foi a adaptação e depois te escrevo
      sei que foi lenta, mas agora está tudo bem.
      Bjs
      Lilian

  2. Olá Lilian,

    Adorei o post, estou passando pela introdução à creche aqui e seu artigo foi super útil!
    Fomos aceitos numa creche pública aqui de Montpellier em tempo parcial e para o meu espanto, no dia do rdv com a diretora do estabelecimento, ela não ia me mostrar o local onde fica os bebés, só ia descrever oralmente e disse que poderíamos visitar só quando o ano letivo começasse! Essa da canaille eu ouvi recentemente da boca da minha cunhada, tb achei super esquisito mas me acostumei! “Coquine” já uso direto 🙂 enfim, choques culturais sem fim!

    • Oi cintia.
      Que bom que gostou do post.
      Com certeza são choques culturais sem fim. A creche é só o começo, depois vem o maternal, as férias, a alimenta na escola, os aniversários, etc…
      Todo dia aprendemos uma coisa nova e nos adaptamos. Não necessariamente bom ou ruim, mas diferente.
      Criar/ educar criança em outro país é um desafio diário.
      Se precisar de ajuda é só falar.
      Bjs
      Lilian

  3. Oi lilian! Tudo bem?
    Se a faculdade me der o aceite, ano que vem em setembro pretendo Fazer meu mestrado aí na França!!! Porém mesmo se eu conseguir passar, não sei se sera possível pois tenho uma bebê que na época terá 1 ano e meio (assim como foi seu caso né ?) e além de tudo sou mãe “solteira ”
    Gostaria de saber se vc poderia me passar seu e-mail pra vc me passar algumas dicas e me contar mais como foi sua experiência…
    Ficaria muito feliz!
    Grande abraço

Deixe um comentário

Por favor inclua o seu comentário
Por favor escreve o seu nome aqui