BrasileirasPeloMundo.com
Religiões Pelo Mundo

5 diferenças para entender melhor a religião muçulmana

Antes de ter vivido na Turquia por quase dois anos, eu não sabia absolutamente nada sobre o islã, nada além das notícias negativas que vemos de vez em quando pela TV ou internet.

Pra mim que tenho total abertura sobre o assunto religião, é muito interessante pesquisar e entender diferentes crenças e formas de expressar a fé. Esse assunto me desperta curiosidade e entender outras culturas, diferentes formas de pensar e ver o mundo, passa necessariamente pela questão religiosa de cada país.

Há muitas similaridades, mais do que diferenças, entre o cristianismo e o islã, as religiões chamadas abraâmicas. Conhecemos as mesmas histórias do velho testamento, ou seja, criação do mundo, Adão e Eva, Moisés, etc. Há também muita semelhança na crença do julgamento final, paraíso inferno e tudo mais.

Nos tornamos mais empáticos e julgamos menos quando conhecemos de perto outras crenças religiosas e vemos que nossa fé e a fé do outro, apesar de aparentemente tão diferentes, são, na verdade, muito similares em sua essência. Paramos de “colocar todo mundo no mesmo saco”.

Acredito que religião é muito mais uma questão cultural do que escolha de cada indivíduo. Onde nascemos geograficamente no mundo, na cultura e crenças que nos são apresentadas e ensinadas, desde os primeiros anos de vida, assim crescemos acreditando ser o correto e bom.

Assim como em nossa cultura cristã, que há muitos costumes e formas de expressar a fé que não possuem base bíblica (santos por exemplo), o mesmo ocorre com os muçulmanos. Há uma mistura do que é cultura com o que é a prática religiosa baseada no livro sagrado, o alcorão, mas nem por isso deixa de ser considerado parte da religião.

Aprendendo de perto, dentro da cultura muçulmana, pude compreender melhor diversos rituais e crenças. Compartilho aqui algumas das maiores diferenças do islã em relação ao cristianismo.

Panorama Geral sobre o Islã:

O islã é uma religião monoteísta, ou seja, crê em um único Deus. O profeta Maomé começou a pregar em torno do ano 610, quando tinha 40 anos, na cidade de Meca, localizada hoje na Arábia Saudita.

Meca tinha rituais para adorar 360 diferentes divindades, muitos relacionados a elementos da natureza, consideradas protetores das tribos locais daquela época.

As pessoas foram incentivadas a deixarem o politeísmo e adorar somente a um único Deus. O profeta e seus primeiros seguidores foram perseguidos, pois ameaçavam a politica e economia local.

Vários historiadores afirmam que as mudanças sociais trazidas pelo islã, como a segurança, a estrutura da família, a escravidão e os direitos das mulheres e das crianças melhoraram a sociedade árabe após o Islã.

As reformas econômicas olharam para a situação dos pobres, e o Alcorão condenou o costume da época de enterrar vivas as filhas, consideradas indesejadas pelo fato de serem meninas.

Eles adotam o calendário lunar para todas as questões religiosas, festivais, datas comemorativas, mês do ramadã, etc.

 

5 Diferenças crenças para entender melhor o islã:

 

1 A relação das pessoas é direta com Deus.

Toda devoção, orações, pedidos, agradecimentos feito pelas pessoas são direto com Deus.

Os muçulmanos não rezam para o profeta, para santos ou qualquer outra divindade exceto Deus. Qualquer coisa diferente disso é considerado paganismo.

Eu nunca consegui formar uma imagem do profeta Maomé em minha mente pois não existe imagens dele em lugar nenhum.

Apesar de todo respeito com o Maomé e admiração, os muçulmanos acreditam que o profeta foi simplesmente um mensageiro de Deus e por isso não rezam para ele.

 

2 O islamismo não nega ou desacredita em Jesus Cristo.

Apesar de não conhecerem o cristianismo – da mesma forma que nós não conhecemos sobre o islã – os muçulmanos não negam a existência ou história de Jesus.

Jesus é inclusive citado no Alcorão diversas vezes, assim como Maria.

Aos muçulmanos creditam que Deus é único, e não intendem a trindade do cristianismo: pai, filho e espírito santo.

Esse é um dos motivos que eles crêem que o profeta Maomé veio trazer uma “versão atualizada” dos desejos de Deus, que é único e quer ser adorado com exclusividade.

Leia também: as igrejas holandesas

3 Não existe versões do alcorão, assim como temos versões da bíblia “nos dias de hoje”.

O Alcorão foi relevado ao profeta Maomé por Deus, por intermédio do arcanjo Gabriel, porém teve seu registro posterior a morte do profeta.

O livro sagrada dos muçulmanos, o corão ou alcorão, possui apenas traduções, mas não diferentes versões.

Os ensinamentos e práticas de mais de 1.300 anos ainda estão vivos no dia a dia de uma família muçulmana, como por exemplo a oração 5 vezes ao dia e jejuar no mês do ramadã, que são considerados pilares da religião e obrigação dos fiéis.

Diferentemente da bíblia que foi escrita em parábolas, o alcorão é um livro mais direto.

Há inumares passagens que se aplicam à realidade da época, lá no século VI, e muitas pessoas atualmente possuem dificuldades de entender e aplicar os ensinamentos, considerando ultrapassado muitos fundamentos nos dias atuais.

 

4 Pagamento anual de 2.5% sobre o lucro é doado a familiares ou pessoas próximas em necessidade

Não há pagamento de valores mensais e também não é feito para a instituição religiosa, a mesquita, no caso dos muçulmanos.

Uma vez por ano os muçulmanos precisam realizar seu balanço financeiro e doar, 2,5% de seus lucros para pessoas em necessidade. É o chamado Zakat, um dos 5 pilares da religião.

Começa-se doando para familiares que estejam passando por necessidade, caso não haja ninguém, passa-se para algum membro da comunidade, como vizinhos, amigos e assim por diante.

Exemplo: Meu esposo que não sabia o que fazer com sua doação anual, perguntou a sua mãe que bateu à porta da vizinha, que havia perdido o marido recentemente e passava por dificuldades,  e deu a ela todo o zakat da família.

Leia também: a crença nos deuses nórdicos

5 A organização e poder esta na família e não na instituição religiosa

Pelo exemplo do item acima dá pra ter ideia de como é diferente o funcionamento da sociedade nos países muçulmanos.

Em países de cultura cristã, as igrejas fazem ação social, ajudam carentes e necessitados, recebem doações e geralmente possuem um papel muito ativo na comunidade que estão inseridas.

Nos países muçulmanos, é obrigação de cada indivíduo cuidar do próximo, especialmente familiares.

Os muçulmanos se ajudam demais entre sí e estão sempre dispostos a fazer tudo o que podem quando um familiar, e não se restringe só aos pais, irmãos e filhos, entra em apuros de qualquer natureza.

Então essas são 5 características da fé islâmica, espero que tenha lhe ajudado a entender um pouquinho mais sobre essa cultura e religião. Dúvidas, fiquem à vontade para escrever abaixo.

Related posts

Primeira mesquita liberal da Alemanha

Nathalia Vitola

Confirmação na Dinamarca: tradição e consumismo

Cristiane Leme

O que é o Ramadã?

Miriam Souza

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação