BrasileirasPeloMundo.com
Alemanha

Facilidades e dificuldades de uma estrangeira em Munique

Facilidades e dificuldades de uma estrangeira em Munique.

Munique é a terceira maior cidade da Alemanha – apesar de seus apenas 1,4 milhão de habitantes – e possui uma economia pujante, impulsionada pela gigantesca quantidade de indústrias e empresas de grande relevância econômica, como a BMW e a Microsoft. Dado o grande número de empresas aqui estabelecidas, não é de se espantar a necessidade e o volume de mão-de-obra qualificada para suprir essa demanda.

Um mercado com grande demanda, muito consumo, muitas empresas e altos salários tem também seus contras: a cidade possui um dos custos de vida mais caros da Alemanha – se não o mais caro! O custo de vida é muito influenciado pelos valores estratosféricos dos aluguéis. A cidade pulsa, a economia gira muito rápido, mas também exige um investimento pesado em infraestrutura, que nem mesmo a mais organizada das cidades tem conseguido administrar – Munique tem um alto déficit habitacional, nem mesmo com todas as cidades vizinhas sendo consideradas, a demanda habitacional tem diminuído.

A dificuldade de encontrar moradia aqui é grande, cansativa e exige persistência (no meu caso, faz 3 meses que procuro um apartamento para fevereiro e, infelizmente, não tive ainda nenhum retorno positivo). O site oficial de Munique tem algumas dicas bacanas para quem está também nesse processo. Existem casos de pessoas que procuram por anos sem sucesso. Mas também tem todos os pontos positivos de se estar numa capital do mundo: Munique atrai anualmente milhões de turistas e milhares de estudantes. A cidade da Oktoberfest conta com renomadas e antigas universidades e atrai anualmente estudantes em busca da excelência do ensino alemão, o que a torna uma cidade viva, jovem e alegre.

Essa vivacidade (com o perdão do trocadilho) permite uma troca de experiências, de vivências e de culturas incomparável: existem grupos nas redes sociais de tudo e para tudo. Segundo dados da própria prefeitura de Munique, a cidade conta com aproximadamente 25% da população de estrangeiros que, por consequência, enfrentam dificuldades de adaptação e choques culturais semelhantes aos que um brasileiro experimenta quando se muda para um país de cultura bastante diversa da sua, com isso é possível realmente encontrar de tudo um pouco na internet.

Leia também: tudo que você precisa saber para morar na Alemanha

Logo que me mudei, busquei montar uma rede de contatos para identificar pessoas que buscavam temas afins aos meus – brasileiro tem uma capacidade de comunicação e sociabilização que deixam os alemães bastante espantados e admirados. Ainda, foquei em montar aqui uma rotina parecida com a que eu tinha no Brasil. Sempre fui bastante adepta à prática de esportes, portanto era o primeiro objetivo: encontrei minha atual treinadora e amiga nos grupos de brasileiros – uma excelente profissional de educação física que se mudou recentemente para Munique com o marido e está concluindo o doutorado aqui –, três grupos de futebol – um time de irlandesas que jogam futebol de campo, um time de alemãs que jogam uma espécie bastante diferente de futebol de salão e um grupo de estrangeiros que se reúnem pelo Facebook para jogar outro futebol estranho, pois, assim como eu, estão aqui na Alemanha e não têm mais seus amigos e grupos sociais.

Em um dos grupos de estrangeiros, também tive a oportunidade de encontrar um alemão cujo hobby e esporte era navegar e ele oferecia para levar os grupos de desconhecidos em troca da navegação, pagamos apenas o aluguel do carro e do barco. Foi uma experiência totalmente única para mim! Fora as atividades, comprei móveis, roupas de época, enfim, como dizemos no Brasil: não há o que não haja. Como a quantidade de estrangeiros é muito grande, as pessoas estão bastante abertas, com isso, não demorou para montar um grupo de contatos bastante qualificado de brasileiros que residem aqui e de estrangeiros.

Na minha experiência, pela segunda vez morando fora, montar uma rotina é super importante para diminuir a saudade de casa, da família e dos amigos, especialmente no inverno alemão. Logicamente nada substitui, especialmente para nós, brasileiros, as relações e laços que temos e deixamos no país, mas manter a mente ocupada e o corpo são, para mim, ajuda bastante. E a socialização com novas pessoas sempre traz ótimas surpresas. As formas de relacionamento interpessoal aqui são bastante diferentes do Brasil, pois a confiança que a liberdade e a falta de violência (Munique é considerada a cidade mais limpa e segura da Alemanha e uma das mais seguras do mundo) permitem, torna as pessoas mais abertas para se relacionar, fazer amizades, enfim, especialmente para nós, mulheres, a liberdade que se tem é impagável.

Obviamente, a vida aqui não é só de flores: para uma brasileira, não tem os confortos que se têm no Brasil, pois os preços para a prestação de serviço são extremamente caros, como, por exemplo, serviços de estética, mudança, faxina, lavagem de roupa, táxi e afins. Pagar 30 euros para fazer a mão aqui é considerado razoável, então o que acaba acontecendo é que somente uma parcela pequena da população utiliza esses serviços. A mão-de-obra, em geral, é bem cara, o que leva a população a fazer tudo por conta própria: desde montagem de móveis a mudanças. Novamente, a parte positiva do virtual é que no Facebook também há grupos de brasileiros que prestam esses serviços por aqui.

Além disso, retomando o que comentei anteriormente sobre Munique ser uma das cidades mais seguras da Alemanha, um dos motivos pelo qual meu marido e eu planejamos sair do Brasil nesse momento era a questão da segurança. Infelizmente, para uma mulher, o Brasil é um dos países mais perigosos do mundo e entende isso, principalmente, quem consegue sair do Brasil e ter o contraste com outras realidades. Sair de festa sozinha, a pé, à noite seria uma atividade que não passa na cabeça de ninguém no Brasil, especialmente mulheres, já em Munique, é o padrão. A cidade é bastante segura, o nível de policiamento é alto e existe preparação para quase tudo (SOS instalados nas plataformas dos trens, funcionários da empresa de trem, policiais, etc).
O sentimento de se andar livre é realmente uma das principais “atrações” quem um turista deve experimentar e que alguém que venha morar em aqui deve ter o prazer de sentir, pois é realmente muito gratificante.

Afora a liberdade, a cidade é prática, o deslocamento é de trem ou ônibus, não há catracas e os trens são, em 99% das situações, pontuais. A cidade é repleta de cervejarias e as ruas de compras são bastante conhecidas e principais. A infraestrutura é realmente muito desenvolvida, o que facilita bastante a vida dos cidadãos.

Falar sobre Munique é uma delícia, ainda mais nessa época do ano, em que a cidade está completamente decorada para o Natal e a atração são os Mercados de Natal. Logicamente existem as dificuldades que implica estar em uma cultura diferente, mas, em se tratando de Munique, basta estarmos abertas que todas as dificuldades logo viram história para dar risada.

Espero ter compartilhado informações relevantes que sirvam, de alguma forma prática, para você que está lendo este texto e pensando em se aventurar por aqui!

Até mês que vem.
Abraços e Feliz 2017 direto de Munique!

Related posts

A vida na antiga Alemanha socialista, a DDR

Karina Finke

Cinema alemão. Por onde começar?

Larissa Wittig

Batizado na Alemanha

Karina Finke

6 comentários

Thyana Junho 23, 2017 at 12:02 am

Olá Patrícia! Tudo bem? Nossa, estou aqui apaixonada pelo seu texto! <3 Que cidade encantadora! Realmente achei muito interessante o seu relato! Deu vontade realmente de conhecer e ver tudo isso de perto! Quem sabe um dia, não é? Saudações do Brasil!

Resposta
Patrícia Souza Junho 28, 2017 at 11:04 am

Olá, Thyana,
tudo ótimo e você? Que delícia de comentário e que bom saber que você curtiu comigo pelo texto. Quando vier para cá, nao esqueca de avisar 🙂
Abracos de Munique

Resposta
João Rios Outubro 6, 2018 at 3:09 am

Excelente seu depoimento, parabéns! Estou indo em dezembro conhecer Munique, poucos dias, infelizmente, mas você me deixou mais animado e ansioso. Estou dodo pra experimentar as cervejas, as comidas e principalmente essa sensação de segurança da cidade. Felicidade e vida longa ao casal.

Resposta
Patrícia Souza Outubro 7, 2018 at 5:32 pm

Obrigada, João! Espero que você seja tão feliz aí nesses poucos dias, como eu fui em quase um ano. Aproveit e boa viagem!

Resposta
Roselene Barlette Abril 10, 2019 at 2:02 pm

Bom dia Patrícia!
Sou gaúcha de Porto Alegre e pretendo ir a Munique em Junho deste ano para acompanhar o meu filho num evento de informática.Gostaria de receber algumas dicas sobre Munique e outras cidades próximas.

Resposta
Patrícia Souza Abril 10, 2019 at 5:16 pm

Boa tarde Roselene, tudo bem? Que bacana, espero que vocês aproveitem. Sua pergunta ficou um pouco vaga, contudo. Dicas de quê exatamente voce procura? Turismo, hospedagem, transporte, etc….Com relação ao turismo, Munique é uma Cidade grande, mas é possível ver os principais pontos em 3/4 dias. Dachau tem um campo de concentração bem famoso e é possível ir de trem. Ainda, vale a pena dar um pulo em Neuschwanstein, acessível também de trem, mas uma organização prévia é altamente recomendada, ainda mais em alta estação. Tem varias outras Cidades e atividades por perto, mas depende muito do budget de vocês, do que querem ver, quanto tempo terão, etc…..Abraços

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação