BrasileirasPeloMundo.com
Alemanha Turismo Pelo Mundo

Atrações turísticas mais imperdíveis de Berlim

Atrações turísticas mais imperdíveis de Berlim, na Alemanha.

Diferente de outras capitais europeias, Berlim não é uma cidade tão promovida e pouco se sabe antes de estar aqui, a não ser que você pesquise sobre ela antes. Com os pontos turísticos muito espalhados, Berlim tem pelo menos três áreas centrais principais e uma rica história cheia de momentos pesados. Prepare-se para um roteiro intenso, pois aqui o que não falta é lugar para se visitar!

Como é muito difícil escolher quais os pontos mais importantes, decidi listá-los no formato de um roteiro. Com um bom planejamento é possível conhecer tudo em dois ou três dias, mas com esse trajeto que costumo seguir com as visitas, em apenas um dia você já pode conferir boa parte dos principais pontos. Lembrando que não vou destacar muito os museus (que são mais de 150 na cidade), nem os parques, que você pode conferir aqui.

Foto: arquivo pessoal – Vista da Torre de TV perto da Embaixada do Brasil

Torre de TV e Alexander Platz

Você pode começar o passeio pela Torre de TV de Berlim, ou Fernsehturm que é, sem dúvida, um dos pontos turísticos mais reconhecido de todos. Para os que estão interessados em subir na Torre, diria que não vale tanto a pena a subida, mas sim explorar de baixo todos os ângulos da atração que é vista a partir de diversos pontos da cidade. Para ter uma vista legal de Berlim, há outros pontos em que se paga muito menos, ou nada, e com vistas igualmente incríveis.

Leia também: tudo que você precisa saber para morar na Alemanha

A Torre está localizada na praça Alexander Platz, principal centro de Berlim, e que conta ainda com o relógio do mundo (Weltzeituhr, mostrando a hora em 148 cidades), museus, restaurantes, lojas de departamento, o shopping Alexa, e o lado mais histórico da praça com a Igreja de Santa Maria (a mais antiga igreja da cidade), o antigo prédio da prefeitura de Berlim e a fonte de Netuno.

Você ainda pode dar uma volta na Nikolaiviertel, área onde surgiu Berlim e que foi totalmente destruída na Guerra e reconstruída em 1981. São ruazinhas com casas e igrejas em estilo antigo, além de cafés e lojas de souvenirs.

Leia também: Pontos negativos de Berlim

Catedral e Ilha dos Museus

Após explorar a Alexander Platz, você pode seguir caminho até a Catedral de Berlim (Berliner Dom) e a Ilha dos Museus. Caso tenha um tempinho extra, indico visitar a Catedral por dentro (cerca de 7 euros) e subir até o domo para aproveitar uma linda vista da cidade. Por fora a Catedral é bem bonita e pode-se notar muitas marcas de guerras e da história da cidade de Berlim.

A Catedral e os cinco museus mais importantes de Berlim formam a chamada Ilha dos Museus, literalmente em formato de ilha, no meio do rio Spree. A visita aos museus só é indicada caso você tenha mais tempo na cidade, pois para cada um deles são necessárias umas duas horas pelo menos.

Saindo da Ilha, continue na avenida Bundesstrasse e Unter den Linden, onde verá outras atrações no caminho, como a Bebelplatz, a Universidade Humboldt, alguns museus, edifícios importantes, embaixadas e grandes hotéis.

Portão de Brandemburgo

No fim da avenida, na Pariser Platz, ele, o maior cartão postal sem dúvida de Berlim: o Portão de Brandemburgo.  Inaugurado em 1791 como uma das entradas da cidade, foi parcialmente destruído durante a Segunda Guerra Mundial, incluindo a estátua da carruagem puxada por quatro cavalos em cima do portão, que hoje é uma cópia, feita em 1969, para substituir a original. O Portão também tem um significado importante na reunificação da cidade, pois durante a Guerra Fria ele ficou abandonado em uma área entre os dois lados de Berlim.

Foto: arquivo pessoal – Parlamento alemão – Reichstag

Reichstag

Bem ao lado direito do Portão, você vai se deparar com o famoso Parlamento da Alemanha, o Reichstag. A visita ao Parlamento é gratuita, mas deve ser agendada com antecedência e paciência (aqui)! Uma dica boa é contemplar o pôr do sol para se aproveitar a vista durante o fim do dia e começo da noite, a partir da redoma de vidro. Recomendo também uma caminhada em volta do Parlamento onde ficam outros prédios do governo e por onde passa o rio Spree. Uma paisagem superinteressante!

Memorial do Holocausto

Caminhando para o outro lado do Portão, onde se encontra a embaixada dos EUA, você chegará ao Memorial do Holocausto. O Memorial é aberto e não se paga nada pela visita. Trata-se de um conjunto de enormes blocos de concreto com diferentes tamanhos (0,2 a 4,8m), formando uma espécie de labirinto ou cemitério, a depender da interpretação de cada um. O arquiteto Peter Eisenman, que criou a obra, não deu uma explicação específica ao Memorial, e fica a critério de cada um sentir e explicar a relação da obra com o momento histórico vivido na Europa.

Leia também: Turismo na região de Turíngia, na Alemanha

Potsdamer Platz

Após o Memorial, seguindo na Ebertstrasse, em pouco mais de duas quadras, você chegará em outro dos “centros” de Berlim, a Potsdamer Platz, considerada o símbolo de modernidade da cidade. A praça, que ficava também no meio da divisão da cidade, não pertencendo a nenhum dos lados durante a Guerra Fria, foi totalmente reformada após a queda do Muro e hoje conta com edifícios modernos, shoppings, cinemas, teatros, museus e restaurantes. Trata-se de uma área bastante comercial, mas com vistas incríveis. E aqui fica também um dos pontos que mencionei antes para uma boa vista da cidade, o Panorama Punkt, que custa 7,50 euros para subir.

Topografia do Terror e Checkpoint Charlie

Essas duas atrações estão localizadas na rua Zimmerstrasse, logo após a Potsdamer Platz. Sobre o Checkpoint Charlie, é um dos locais com mais bagunça de turista, mas eu diria que não perca muito seu tempo por lá. Trata-se de uma representação do posto militar que separava a Berlim ocidental da oriental, mas vale dar uma conferida na exposição fotográfica que explica um pouco dos acontecimentos históricos e da importância do local.

Já a Topografia do Terror é um museu ou memorial que documenta os horrores cometidos pelos nazistas durante a Guerra. Vale bastante a pena se você se interessa pelo assunto e há um grande pedaço do Muro de Berlim em volta do espaço do museu. A visita é gratuita.

Muro de Berlim

Falando em Muro de Berlim, dois locais que estão fora do trajeto mencionado, mas que devem ser visitados, principalmente se você tem interesse na parte histórica do Muro, são: a East Side Gallery, maior trecho do Muro ainda de pé e também a maior galeria de arte ao ar livre do mundo; e o Memorial do Muro, na Bernauer Strasse (próximo ao Mauer Park). Partes do Muro também são encontradas na Potsdamer Platz, além de marcas do trajeto nas ruas da cidade onde o Muro passava.

Próxima a East Side Gallery, encontra-se a Oberbaumbrücke, uma ponte antiga que data de 1896, e que liga o que era o lado ocidental com o lado oriental de Berlim e os famosos bairros alternativos Friedrichshain e Kreuzberg. Da ponte pode-se ver o rio Spree dos dois lados e a estátua do homem molecular do artista americano Jonathan Borofsky (que representa as moléculas de todos os seres humanos se unindo para criar a existência do homem), além de uma grande piscina, a Badeschiff, que fica dentro do rio.

Foto: arquivo pessoal – Eu em minha primeira visita a Berlim, na ponte

Kurfürstendamm

Pode ser considerado o terceiro centro da cidade, além de estar no lado ocidental e mais capitalista de Berlim, com grandes lojas. É uma boa pedida para o pessoal das compras, mas não apenas. Vale visitar a famosa loja de departamentos KaDeWe e o interessante e alternativo centro comercial Bikini Berlin. Na região, visita obrigatória à igreja Kaiser-Wilhelm-Gedächtniskirche, ou igreja quebrada, que foi quase completamente destruída na Segunda Guerra Mundial e hoje é um memorial. A área conta ainda com vários eventos e museus interessantes, como a galeria C/O de fotografia e o museu da história de Berlim, fora o zoológico, Zoo, com a maior coleção de animais do mundo.

Espero que tenham gostado do roteiro e aproveitem a visita a Berlim!

Related posts

Florença: o berço do renascimento

Raquel Gonçalves

Como decidi fazer mestrado na Alemanha

Larissa Wittig

Por que Zagreb é o melhor destino europeu de 2017?

Renata Ferrari Pegoretti

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação