BrasileirasPeloMundo.com
Bélgica

Bruxelas e seus mundos

Ser migrante é, pra mim, uma experiência muito interessante. Nem sempre a vida é fácil longe do nosso país. Mesmo não estando satisfeito com tudo que se passa a nossa volta no Brasil, temos uma certa familiaridade com o lugar onde nascemos e estar longe disso, num lugar que tem seus jeitinhos de nos mostrar que é diferente daquilo a qual estamos habituados pode, às vezes, ser bem cansativo.

Nesses meus quatro anos e meio em Bruxelas eu vivi e vi bastante coisa, muitas delas com as quais eu somente sonhava quando estava no Brasil, outras eu nem sequer sabia serem possíveis!

Café Italiano

A vida na capital Européia pode, de certa forma, ser dividia em uma conjunção de pequenos mundos. Você encontra um pouco de tudo. Pessoas de diferentes lugares, com diferentes histórias e hábitos se chocam pela cidade.

Isso não quer dizer que tudo seja realmente uma grande democracia cultural, onde todos se dão bem com todos e vivem juntos em linda harmonia e felicidade. Tem muito conflito, muitos problemas, muita divisão implícita – sendo até bem explícita geograficamente em alguns casos, com algumas comunidades migrantes se concentrando em pequenos guetos específicos.

Porém minha ideia aqui hoje não é falar dos inúmeros problemas que Bruxelas pode ter, mas sim das oportunidades que ela também pode nos dar.

Azeitonas

Acho que viver por aqui e ignorar totalmente “o outro” é impossível. Dá sim pra ficar quase alheio a esses mundos diferentes, se fechar no seu e até ser feliz assim. Ou dá pra aproveitar um pouquinho de tudo que esses mundos tiverem a oferecer.

Foi em Bruxelas que descobri a culinária indiana, marroquina, etiopiana, vietnamita, congolesa e pasmem, até a Belga! Aqui que partilhei meu primeiro jantar coletivo feito depois de um dia de ramadã, onde vi shows de músicos afegãos
dentro de uma igreja, de música senegalesa no consulado do Brasil, de declamação de poesia concretista brasileira num prédio histórico belga.

Centro da cidade

Descobri que cream chese no sushi é pecado, mas as vezes dá saudades, que batata ­frita se come com maionese, que cerveja depois do vinho pode, mas nunca o vinho depois da cerveja, que existem Siks no Afeganistão, que existem mulheres de luta e muito corajosas usando hijabs (os véus mulçumanos) porque querem, que o romeno não é assim tão diferente do português, que cabelo brasileiro é supervalorizado no mercado de apliques para as  mulheres da África Central, que os turcos comem requeijão, os bolivianos, pão de queijo e os paquistaneses, pastel. Mas recheiam com batata, curry e ervilha, ou seja não é nada igual ao pastel apesar de parecer (não se enganem pela aparência, mas é gostoso mesmo assim).

Loja scandinava

Isso sem falar nos passeios às feiras de rua, que muitas vezes tem barraquinhas de inúmeros países diferentes!

Também existem muitas lojas de produtos específicos de um país ou região, abrindo um pouquinho as portas para essa cultura.

Galeria Afrique

Eu descobri também que mudar a cidade e a nossa maneira de viver nela é possível. Dá para consumir menos, doar o que a gente tem e já não quer, trocar o que não usamos por algo que precisamos.

Dá para fazer horta coletiva na cidade, dá para usar bicicleta como meio de transporte. Comer mais alimentos orgânicos, reciclar o lixo e fazer compostagem no jardim.

Loja Argan

Obviamente, nem todo mundo precisa vir a Bruxelas pra aprender isso tudo e nem tudo que falei é exclusivo da capital Européia. Porém, foi aqui, nessa conjunção de mundos que pude vivenciar tanta coisa diferente, pude comprovar mil esteriótipos e depois quebrá-­los em mil pedacinhos. Pude aprender com quem é diferente, experimentar coisas novas e mudar meu olhar.

Prato etiope

Foi nesse encontro de mundos que eu abri o meu mundo e sou muito grata a Bélgica e a Bruxelas por me possibilitar tantas trocas e descobertas.

Related posts

Manifesto pelo fim da glamourização de morar no exterior

Marcela Vitarelli

Lugares incríveis para conhecer na Bélgica

Marcela Bueno

Os feriados na Bélgica

Marcela Bueno

6 comentários

Suzi Raquel Agosto 2, 2014 at 6:42 pm

Muito legal, moro aqui na Belgica e me sinto abençada, o povo sao hospitaleiro e muito gentis. Essa misturas de raças e culturas é sensacional, muito importante, ensina muita coisa. Temos uma visao do mundo diferente daquela que vimos na tv….

Resposta
Cleo Vassiliou Agosto 16, 2014 at 7:01 pm

Oi Bia,

Adorei seu texto e estou rindo com suas citações e comparações. Comer batata frita com maionese e não ketchup me parece estranho, e essa regra sobre a cerveja e o vinho, apesar de estranha, faz sentido. Bem, acho que seria no mínimo intrigante morar em um país tão pequeno como a Bélgica e encontrar uma infinidade de coisas do mundo todo.

Muah!

Resposta
jeane santos Agosto 22, 2014 at 3:30 pm

Bia vc fez Das suas palavras a minha! Parabens pelo texto.

Resposta
Beatriz Setembro 26, 2014 at 1:19 pm

Olá Bia, se tudo der certo daqui um ano pretendo desembarcar ai, mas ainda tenho muitas dúvidas a respeito de burocracias e ensino superior. Você poderia enviar seu email para irmos conversando? Obrigada

Resposta
Bélgica – Dicas para recomeçar Dezembro 26, 2014 at 11:31 am

[…] e vinho verde: deixei a Bélgica por Portugal e estou morando em Lisboa. Tenho muito carinho por Bruxelas e não foi por desgostar que comecei essa nova empreitada, mas sim por uma oportunidade de trabalho […]

Resposta
Adriana Dezembro 3, 2018 at 11:29 pm

Amei esse texto! Parabéns! Em breve irei a Bruxelas e espero ver um pouquinho disso tudo!!

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação