BrasileirasPeloMundo.com
Chile

Chile – Aborto terapêutico

Em novembro de 2014, soube-se de uma caso desses que fazem os pelinhos da nuca arrepiarem e perdemos um pouco da fé que temos na humanidade. Uma criança de treze anos estava grávida, fruto do estupro de seu próprio pai. Sendo essa notícia por si só uma tragédia de grandes proporções, ainda havia um agravante: o feto foi considerado inviável por vários médicos que a atenderam.

E assim foi reaberto um debate que volta e meia aparecia nas notícias e debates políticos, religiosos e humanitários: será que o aborto é uma solução nesse tipo de casos?

O que é mais humano num caso destes?
O que é mais humano num caso destes?

Aqui no Chile, pra começo de conversa, quase não há campanhas para uso de preservativos, mal se fala de sexo nas escolas e quando isso acontece sempre há uma boa dúzia de pais chocados reclamando. A sociedade chilena em geral é bem conservadora nesse sentido e isso volta e meia me choca, porque ao ver o comportamento das novas gerações dá pra perceber que há uma grande disparidade entre o que a sociedade diz e o que a sociedade faz.

Campanhas de educação sexual: 2013 - incentivando a fazer o teste do vírus HIV e 2005 - incentivando o uso de preservativo
Campanhas de educação sexual: 2013 – incentivando a fazer o teste do vírus HIV e 2005 – incentivando o uso de preservativo

As famílias mais poderosas do país são de certos grupos religiosos que devem ficar arrepiados só de pensar em métodos anticoncepcionais e esses são os clãs proprietários de grandes empresas e meios de comunicação, o que dificulta as tentativas do Ministério de Saúde de lançar campanhas de conscientização sexual.

Por outro lado, é comum ver nas notícias escândalos sexuais envolvendo menores de idade. Em 2007, uma garota de 14 anos foi filmada por um “amigo” enquanto fazia sexo oral em outro garoto e teve seu vídeo divulgado abertamente nas redes sociais, causando vexame para os envolvidos que foram extremamente julgados através da mídia mas foram bem poucas as pessoas que se preocuparam em pensar o que está levando os adolescente a se comportar assim e continuam sem implantar nenhum sistema de educação sexual.

Depois dessa breve contextualização, cabe dizer que quando se trata de relações sexuais sem proteção, nós mulheres quase sempre (e infelizmente) saímos da pior forma quando se fala de doenças sexualmente transmissíveis, somos maioria esmagadora quando se fala de vítimas de abusos sexuais e estupros (84%, segundo estudos feitos em 2011), levamos a pior no julgamento social e somos nós quem carregamos o maior peso da responsabilidade quando o resultado dessa relação gera um bebê, seja ele planejado ou não. Isso porque mesmo quando temos um companheiro que nos ame e nos apoie, somos nós que temos a agridoce missão de carregar o feto em nossos corpos por aproximadamente 40 semanas.

E assim voltamos ao assunto principal deste texto: o aborto terapêutico. Já houveram diversas tentativas de aprovação à essa lei, em diferentes formas, mas todas terminavam vetadas por diferentes motivos. Uma das promessas de Bachelet durante a campanha pra conseguir o segundo mandato foi voltar a trazer esse projeto de lei à discussão.

No final de janeiro, a presidente assinou e levou o projeto para despenalizar o aborto em três casos: inviabilidade fetal, quando a vida da mãe está em risco e em casos de estupro o que causou um tremendo reboliço na sociedade e nos grandes meios de comunicação. Durante o seu discurso frente ao Congresso, Bachelet disse que a intenção era ajudar as mulheres a tomar decisões informadas, com todo o apoio que se é necessário nesses casos, esclarecendo sempre que o aborto não vai ser uma obrigação e sim uma possibilidade de escolha, sempre.

Bachelet e seu apoio ao projeto sobre aborto terapêutico
Bachelet e seu apoio ao projeto sobre aborto terapêutico

E logo a Igreja Católica rejeitou a possibilidade de que o aborto seja aprovado no país, os diferentes grupos anti-aborto apareceram com todas as suas justificativas, pedindo assinaturas para evitar que o projeto avance ou seja aprovado. E em seguida, o reitor da Universidad Católica,  Ignácio Sánchez, disse que, caso o projeto seja aprovado, os profissionais da Clínica da faculdade serão proibidos de realizar abortos e aqueles que não estiverem de acordo podem ser desvinculados da instituição.

Em contrapartida, mulheres, matronas e grupos de apoio, feministas e de libertação feminina lutam e torcem para que o projeto não seja engavetado em nenhuma instancia e seja aprovado o quantos antes. Muitas inclusive querem a legalização do aborto por completo, que a decisão fique a cargo de cada mulher, sempre.

Alguns políticos apoiam a decisão da Universidad Católica em recusar a realização de abortos. Já o Colegio de Matronas não está de acordo.
Alguns políticos apóiam a decisão da Universidad Católica em recusar a realização de abortos. Já o Colegio de Matronas não está de acordo.

Mas num país onde a educação sexual é quase nula eu acho que ESSE é um passo ainda está longe de ser dado. Quanto ao aborto terapêutico, aparentemente e mesmo com a discussão que está gerando, parece que tudo caminha para uma aprovação, o que já seria uma vitória em um país que, apesar de se declarar laico, ainda tem muita influência de grupos religiosos.

Resta esperar para saber o resultado e torcer para que a descriminalização venha acompanhada de um grupo de apoio completo, com psicólogas, psiquiatras, assistentes sociais e o que seja necessário para que essas mulheres possam tomar a decisão mais informada e correta para elas , sempre.

Related posts

Entrevista: Capricho de Menina no Chile

Joy Matta

Dez pratos da culinária chilena para você provar

Joy Matta

Dez curiosas invenções chilenas que você nem conhecia

Isabela Vargas

8 comentários

Gabi Ramalho Março 10, 2015 at 6:54 pm

Eu sempre me assusto muito ao lembrar o quão conservador é o Chile!!!

Eu tô na torcida com as matronas! 😉

Resposta
Joy Matta Abril 17, 2015 at 6:19 pm

Eu também, Gabi!!! As duas coisas: me assusto e estou na torcida 😀

Resposta
Rosi Guimarães Março 11, 2015 at 1:33 am

Muito bom e esclarecedor!

Resposta
Joy Matta Abril 17, 2015 at 6:19 pm

Sua opiniao é sempre importante, Rosi! Abracos!

Resposta
Marchhhh Março 11, 2015 at 4:10 am

Este e sem sombra de duvidas um tabu no chile, mas achei muito esclarecedora sua informação e super agradável e leve a sua explicação. parabéns…

Resposta
Joy Matta Abril 17, 2015 at 6:19 pm

Linda! Obrigada pelo comentário!!

Resposta
Valerio Julho 2, 2015 at 2:44 pm

Boa tarde alguém sabe se existe teste de hiv gratuito em Santiago? Obrigado

Resposta
Joy Matta Julho 11, 2015 at 2:04 am

Valerio, não sei se existe gratuidade para o teste… Vou verificar na minha próxima consulta médica e volto a comentar aqui.

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação