BrasileirasPeloMundo.com
Dicas para aprender idiomas

Como ser fluente em outra língua mais rápido morando fora

Como ser fluente em outra língua mais rápido morando fora?

Fevereiro, ano começando… Novos planos e muita gente mudando de país, aproveitando, muitas vezes, que essa pode ser a melhor época pra isso, caso tenha filhos em idade escolar, por exemplo. No pacote do novo plano, vem o desafio de aprender um idioma no novo lar.

O que fazer? Como me tornar fluente rapidinho? Não há uma fórmula para isso porque cada pessoa é diferente e cada uma aprende de forma e em ritmo diferente. Contudo, há muitos caminhos, sejam eles mais curtos ou longos. Muitos deles nem parecem ser um caminho para a aquisição de uma nova língua por fazerem parte do dia a dia e, por isso, são ignorados. O que quero dizer é que não somente uma sala de aula, livro, caderno e computador são ferramentas de aprendizagem. Primeiro, faca bom uso de dos dois principais canais que te levarão ao sucesso desse objetivo: tenha o coração e mente completamente abertos. Como assim?

• Deixe preconceitos de lado, por exemplo. Não de ouvidos a mitos sobre o idioma. Não digo que não devemos investigar a respeito ou não acreditar em nada, mas estarmos atentos para “peneirar” o que de verdade nos aporta algo. Um exemplo muito claro é a estória que o espanhol chileno não é espanhol. Oi? É grego, então? Espanhol que não é espanhol é o que? Com esse tipo de informação incutida na mente, tendemos a acreditar que não vamos a aprender, já criamos uma barreira. Além de, estarmos sendo preconceituosos. Isso é preconceito linguístico. Sim, essa praga – o preconceito – também está presente na aquisição de línguas.

• Não deixe que a tristeza, saudade ou qualquer sentimento de baixa vibração bloqueie esse lindo processo de descoberta de um novo mundo linguístico e cultural. Você deixou seu país, é fato. Agora olhe pra frente e aprenda tudo o que estiver pra ser ensinado na vida nova. Tratando-se de uma língua, tema desse texto, olhe pra frente, pra trás, pro lado. Escute tudo e todos. Leia tudo e mais um pouco.

• Aproveite cada momento do seu dia para aprender. Uma “aula” não se dá somente em uma sala de aula ou diretamente com um professor. As aulas estão em cada som que você escuta e em cada canto da cidade por onde você anda. Quando sair de casa, seja onde for, pra comprar pão, passar uma hora no transito ou passear pela cidade, olhe TUDO a sua volta. Por aí também estão os professores e as aulas.
Leia os cartazes espalhados pelas ruas e pelas estações do metro. Tem melhor forma de adquirir vocabulário do que em “material” autêntico? No Chile, por exemplo, as estações estão cheias de avisos de cursos e atividades culturais. Além de se informar, aprende vocabulário pertinente a vida, ao dia a dia. O que você estuda em uma sala de aula é para chegar a isso que você já tem ao alcance dos seus olhos – mãos e ouvidos- morando fora. Preste atenção nos nomes dos produtos nos supermercados.

• Basta de Globo, né? Agora quero falar diretamente com você que ainda não está trabalhando e passa muito tempo em casa. Qual o objetivo de assistir desde Ana Maria Braga até a última novela? Dá saudade morar fora? Dá. Para matar a danada, continue assistindo a alguns programas brasileiros que você gosta, mas abra espaço para o novo.

No caso, para um pouco da televisão local. Dê uma chance a ela. Nem quero levantar a questão da televisão de um país ser melhor ou pior que a outra. Até porque a brasileira não é nenhuma Brastemp (só os mais velhos entenderão a piadinha). Você mudou de país, então é hora de mudar um pouco sua rotina. Assistindo a programas locais você faz várias coisas ao mesmo tempo: passa a se inserir na cultura local, adquire vocabulário, treina seu ouvido e, consequentemente, vai melhorar muito sua fluência no momento que precisar falar.

Vejam que não estou usando termos pedagógicos para te convencer. Estou explicando de maneira bem simples para que entenda que o processo é simples. Ainda não sabe o que tem de bom na TV? Descubra. Se gosta de se informar, assista aos jornais. Se gosta de novela, prove alguma, e se não gostar prove outra. Saindo um pouco do local, continue sua relação de amor com a Netflix, masssssssssssss…. você agora só deve conversar no idioma do país onde está morando.

É o inglês? Se o filme / a série já é inglês, joga a legenda em inglês também. Deixa a preguiça mental de lado e dá tchau para as palavrinhas em português. Se o idioma do pais é o espanhol, comece a ver filmes e séries latinas. Está cheio de opções maravilhosas por lá. Uma dica para esse caso: assista somente com o áudio porque a legenda quase nunca está de acordo, a nível de vocabulário, com o áudio. A ideia passada no subtítulo é a mesma do áudio, claro, mas as palavras usadas não são as mesmas, o que deixa a pessoa que está escutando e lendo bem confusa, e fazer isso vai mais atrapalhar do que ajudar. Isso se dá por causa das diferenças de vocabulário de cada pais hispânico.

Se o idioma local for outro, mais difícil, e você não tiver conhecimento nenhum ainda, vá com calma, mas se atreva de qualquer forma. Assista a filmes e séries mais simples e curtos, com legenda.

• Está em casa e só escuta música brasileira… aquele pagodao, axezao, sofrencia, MPB, funk, etc. Para tudo! Quero dizer, quase tudo. Reserve momentos pra isso , mas abra um espaço na sua playlist para a música do país onde vive ou, cuja língua seja a mesma. Está no Chile? Escute raggeaton , cumbia, rock, cantores mais antigos, quem seja. Conheça uma nova cultura. Vai adquirir muito vocabulário e acostumar o ouvido ao sotaque.

Tudo muito simples, né? E todas essas pequenas ações vão te levar ao mesmo objetivo: fluência no idioma. Acreditem, somos papagaios nesse ramo. Reproduzimos tudo que nos cerca. De tanto visualizar, ler e escutar, passamos a ser reprodutores fieis do idioma.

Depende muito mais de nós do que imaginamos. A fonte de conhecimento está aí com você, 24 horas, em casa ou na rua, basta abrir seus olhos e ouvidos, depois de já ter dado essa mesma chance a sua consciência e coração. Falo como profissional da área e como expatriada igual a você. Confie em mim e, primeiramente, em você!

Sempre digo às pessoas que me seguem nas minhas redes sociais que aprendam da mesma forma que eu dou as dicas, pelas ruas da cidade, nos detalhes de tudo que vejo, escuto e toco.
Você está sendo exposto 24 horas a material de verdade!

Related posts

Aprendendo o idioma birmanês

Natalie Lima

Porto Rico, o desafio de aprender um novo idioma

Cris Rivera

Alemanha sem falar alemão

Clarissa Gaiarsa

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação