BrasileirasPeloMundo.com
Carnaval Pelo Mundo Peru

Quatro danças peruanas que você tem que conhecer

Quatro danças peruanas que você tem que conhecer e se você gosta de manifestações culturais, o Peru é um prato cheio!

No Peru existem mais de 800 tipos de danças, em suas três regiões: costa, serra e selva. Hoje vou falar de quatro delas que eu mais gosto. São danças que encantam, não só por sua beleza, mas também por sua história.

Huaylarsh – Também conhecida como Huaylas, é uma das minhas favoritas, a qual carinhosamente chamo de “sapateado ou catira andino”. Vem da região de Huancayo (Junín), considerada a região mais feliz do Peru, porque tem festa o ano todo, mas também é dançada em Cusco e Huancavelica.

O Huaylarsh, do aymara “campo verde”, são celebrações que estão associadas à cosmovisão andina da cultura Wanka, que veio bem antes dos incas. É uma dança forte e alegre, onde se batem palmas e os pés, acompanhadas de gritos de felicidade, e é dançada por homens e mulheres que podem representar a celebração pela colheita (Huaylla), a “paquera” entre dois jovens (Huayllu), uma briga entre homens ou competição entre homens e mulheres (Waylas).

Existe o Huaylarsh Antigo e o Moderno (data de 1973). A diferença entre eles são os trajes e os instrumentos utilizados. Enquanto o Huaylarsh antigo tem uma vestimenta mais simples e menos instrumentos musicais, o moderno traz trajes luxuosos, com finos bordados e uma verdadeira orquestra acompanhando.

Os instrumentos usados são o clarinete, o saxofone, o violino, o violão e a harpa.

Em Lima, você consegue assistir a uma apresentação de Huaylarsh em qualquer época do ano, agora, se você quer se aprofundar e conhecer o verdadeiro Huaylarsh, vale viajar até o Valle del Mantaro (Junín) no mês de fevereiro, quando celebram o carnaval por lá.

Tushruhuy walarsh: Dance, disfrute e se alegre, jovem!

Danza de Tijeras  (Dança das tesouras) – A primera vez que vi essa dança, fiquei hipnotizada: “Como conseguem dançar, pular, e segurar uma tesoura ao mesmo tempo?”. É uma mistura de dança com acrobacias.

Reconhecida como Patrimônio Cultural da Nação em 1995, e como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade em 2010 (UNESCO), a Danza de Tijeras é indígena e veio de Ayacucho, mas também é dançada em Huancavelica e em Apurímac. Os dançarinos são chamados de Supaypa Wasin Tusuq ou Danzaq, dançarino da casa do diabo.  Mas, de onde vem esse nome?

No século XVI, os videntes, bruxos e curandeiros foram  perseguidos e eram chamados  de filhos do diabo (supaya wawan, em quéchua), e se refugiaram  nas zonas mais altas do país. Pra voltar a viver em suas cidades, os “filhos do diabo” deveriam dançar em honra aos santos e a Deus, com trajes espanhóis. As tesouras teriam sido feitas pelos auquis, divindades indígenas, e o som que reproduzem viria da lagoa Yauruviri. Outra versão da história, é que a dança se chamava Taki Onkoy, que em quéchua significa “Rebelião dos Huacas”. Huacas eram seres que possuíam os índios e os faziam dançar e cantar, impondo-se sobre outros deuses para manter viva sua religião.

Os instrumentos utilizados são o violino e a arpa. E, detalhe, as tesouras, de 20 cm de comprimento, devem “tocar” no compasso da música!

Vídeo: Danza de Tijeras (a partir de 4:20)

Los Caporales  – Los caporales é a recriação de várias danças e é executada no Peru e na Bolívia, e nasceu, mais precisamente, às margens do Lago Titica, na fronteira dos dois países.

A dança se originou do Tundique que era dançado somente por homens, que ao mesmo tempo tocavam seus bumbos. Logo, derivou a Tuntuna, onde os homens deixaram os bumbos, e entrou a mulher para acompanhá-lo. A dança evoluiu mas não perdeu o seu ritmo próprio: dois golpes seguidos ao som do bumbo, um breve espaço de silêncio e outra vez os dois golpes, e assim sucessivamente. Logo surgiu a Saya, com movimentos mais elegantes, e delicados por parte das mulheres e mais fortes e “varonís” por parte dos homens. Entre eles pareceu o caporal, que era um capataz escolhido pelos espanhóis na época colonial para supervisionar o trabalho dos escravos, quem dirige a dança com um apito e um chicote. Como o número de caporales foi crescendo, se deu origem à nova dança: Los caporales.

Os instrumentos usados são o violão, a flauta, o bumbo (ou bateria), pratos, e um tipo de soalhas que os caporales levam em suas botas e batem os pés no ritmo da música.

Os trajes são muito coloridos e chamativos, mudando os tons da roupa de acordo a qual agrupação pertence. Os homens usam blusas e calças largar com botas, e as mulheres saias curtas com um tipo de body com mangas bufantes e longas, e o chapéu tipo coco, chamado de gorro de cholita.

Clique aqui para conhecer o Caporales.

Marinera – No Peru, existem dois tipos de Marinera: a Limeña e a Norteña.

A Norteña é a minha preferida por ter movimentos mais fortes, enquanto a Limeña é mais “suave” e elegante.

A Marinera Norteña, como o próprio nome diz, vem do Norte do Peru (Chiclayo, Piura, La Libertad), e tem sua origem nos bailes africanos inspirados no ritmo de acasalamento do galo e da galinha (eu sempre desconfiei disso, mas pesquisando pra escrever este texto, confirmei minhas suspeitas), nomeada como Zamacueca. A Marinera teve vários nomes: Mozamala, Pelea de Cajón, e Chilena, esta última foi descartada pelos patriotas nacionalistas na época da Guerra do Pacífico contra o Chile, e decidiram fazer uma homenagem à Marinha de Guerra do Peru, nomeando a dança, por fim, como Marinera.

É uma dança em que o casal “flerta”, como uma dança de acasalamento. O homem usa um elegante traje, com sapatos e um chapéu, e a mulher usa vestidos esvoaçantes e leva um lenço à mão, que dá mais leveza e elegância à dança. Na Marinera Limeña a mulher usa sapatos de salto, e na Norteña ela dança descalça.

A Marinera também é dançando com o cavalo de paso peruano! Sim, um cavalo! E é linda.

Os instrumentos utilizados são o violão, o cajón , tambores, e instrumentos de metal como o trombone.

Clique aqui para assitir ao video da Marinera Norteña (a partir de 1:07)

E você, qual dessas danças peruanas mais gostou?

Related posts

Curiosidades sobre Lima

Viviane Naves de Alencar

Dicas para morar ou turistar no Peru

Jéssica Soares

Carnaval de Londres

Simone Pereira

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação