BrasileirasPeloMundo.com
Dicas para aprender idiomas México

Do portunhol ao espanhol fluente

Do portunhol ao espanhol fluente.

Qualquer um que já viajou para um país hispano hablante sabe que dá para se virar com o “portunhol”, nosso jeito carinhoso de chamar a mistura do português com o espanhol, idiomas que fazem parte da família de línguas românicas. São chamadas assim porque vieram do latim vulgar, aquele “falado” na Roma antiga, não o latim culto que foi preservado pela escrita. Exatamente por se derivarem da fala, segundo pesquisa de Ataliba de Castilho para o Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo, é que se deu a criação de tantos dialetos e línguas atualmente distintas, não só o português e o espanhol, mas também o italiano, o francês, o catalão, o romeno e o galego – as sete que fazem parte da família das românicas. Portanto, essa história de falar portunhol ficou lá no passado do Império Romano!

O portunhol ajuda?

Sim! Não dá pra negar. Quando mudei para a Cidade do México eu tinha tido pouquíssimas aulas de espanhol no Brasil e obviamente tive que me comunicar o tempo todo no começo da vida em um país com outra língua: visitas à escolas, supermercado, compra de móveis para a nova casa, etc. Por isso, não tive outra alternativa senão me aventurar no portunhol, sem me preocupar com o vexame que estava dando. E me surpreendi com a receptividade dos mexicanos para nos comunicarmos! A Cidade do México é bastante internacional, muito mais que São Paulo, por exemplo, então acredito que os chilangos (moradores da capital) estejam acostumados a recepcionar estrangeiros de todo o mundo tentando falar a língua deles. Além disso, o mexicano é como o brasileiro e outros latinos no quesito “amabilidade”, completamente diferente dos parisienses, por exemplo, ao arriscarmos a falar uma mistura de francês e português.

Leia também: Revalidação do diploma universitário no México

E depois?

Bom, depois dos primeiros meses hablando portunhol, comecei a me incomodar bastante com esse improviso na minha fala. E eu que já fazia aulas de espanhol desde o início da minha chegada no país, priorizei ainda mais o estudo para melhorar a minha comunicação. O fato é que há muitos brasileiros que vivem aqui e que não se incomodam com isso, ao contrário, dizem que exatamente por entenderem o espanhol mexicano e se fazerem entender, não querem perder tempo estudando. É uma escolha, claro, mas por que não aproveitar a vivência no México para garantir um espanhol fluente? Além de proporcionar uma qualidade de vida melhor no país, pode abrir portas profissionais e pessoais no futuro.

Leia também: Neologismos do Espanhol Mexicano

Mas, é mesmo preciso estudar espanhol?

Para dominar a língua, sim! Não adianta só morar no país e querer aprender no dia a dia, sem estudar. Há brasileiros que moram há anos no México e vejo erros básicos em suas falas, porque é fundamental estudar gramática no espanhol. Assim como o português, o idioma tem inúmeros tempos verbais, divididos entre pretérito, presente e futuro, nos modos indicativo, subjuntivo e imperativo, que ainda podem ser simples, compostos, perfeitos, imperfeitos, e por aí vamos, revivendo todos aqueles nomes dos modos verbais parecidos com os que estudamos no colégio e nem lembrávamos mais. Além disso, há uma lista enorme de verbos irregulares, que mudam de acordo com o tempo e modo verbal, além de variar entre os pronomes (eu, tu, ele, nós, vós, eles), como acontece na nossa língua. Falar português ajuda – e muito – no aprendizado do espanhol. Por isso, vale a pena investir no estudo desse novo idioma para enriquecer o currículo.

Como e onde estudar?

Na capital mexicana há opções diversas de espanhol para estrangeiros: em escolas de idiomas, nas universidades e com professores particulares. Duas opções bem populares entre as brasileiras são os cursos do CEPE (Centro de Enzeñanza para Extranjeros) da Universidade UNAM, e os do CIEL (Centro Internacional de Educación La Salle), da Universidad La Salle. Porém, muitos optam por aulas particulares, que podem acelerar o aprendizado, mas não promovem o convívio com outros estrangeiros, em uma oportunidade de praticar mais o idioma e se relacionar com eles, situação que ajuda muito quem está chegando sem amigos em um novo país. Além das aulas de aprendizado do espanhol, é importante buscar o convívio com mexicanos por razões óbvias: quanto maior a exposição à língua, maior é o aprendizado. Algumas dicas são participar de visitas guiadas em museus, que são lindíssimos e estão por toda a cidade, eventos culturais em livrarias ou cafés e cursos diversos, como história do México, literatura ou culinária, por exemplo. Basta pensar no que mais te encantaria estudar e procurar, pois a Cidade do México tem uma riqueza cultural enorme e uma diversidade de eventos para promover o conhecimento. Recomendo muito o Museu de Antropologia, que oferece quatro horários de visitas guiadas gratuitas, de terça a sábado, e a rede de “cafebrería” (café com livraria) El Pendulo, que tem seis sedes na cidade e um calendário recheado de eventos, de bate-papos gratuitos a contação de estórias para crianças, e cursos diversos, de curta duração, como escritura criativa, filosofia e história do jazz, entre outros. Por último, eu acrescentaria que os mexicanos são de fácil amizade, assim como os brasileiros, e também adoram tomar um café ou sair para “desayunar” (tomar um café da manhã) juntos. Então, não recuse um bom papo com um mexicano para fortalecer o seu espanhol.

Leia também: Os incríveis museus na Cidade do México

E há certificações oficiais do México no espanhol?

Sim, assim como os famosos certificados de Cambridge para o inglês, há o reconhecimento da fluência na língua espanhola como uma segunda língua através de exames, assim como também há qualificações para o ensino da língua para estrangeiros, que pode ser uma oportunidade de trabalho no futuro – por que não? Ou seja, para se aprofundar e sair do México com um certificado de espanhol reconhecido em outros países, para o futuro profissional, vale investir em cursos específicos para a realização dos exames. Deixo aqui, por fim, duas sugestões deles, para quem quiser se qualificar no aprendizado da língua espanhola: o ECELE (Examen de Certificación de Español como Lengua Extranjera), que é a certificação oficial do governo mexicano, reconhecida no mundo acadêmico e profissional em diversos países, e o CELA (Certificado de Español como Lengua Adicional), que pode ser feito em centros da UNAM, universidade que aplica o exame, em diversos países, como Reino Unido, Estados Unidos e Coreia.

Entonces… deixemos o portunhol para os romanos antigos e vamos hablar español!

Related posts

Ediane Tenório, diretora executiva da FUCAPS

Flavia Zahn

Dia dos Mortos no México

Simone Gonçalves

Ser brasileira na Argentina e no México Parte I

Flavia Zahn

3 comentários

Letícia Protector Setembro 5, 2018 at 7:03 pm

Concordo totalmente com você! Aqui na Bolívia a grande maioria dos brasileiros não estuda o idioma e vive por anos a base de um portuñol cheio de erros básicos!!! Já passou da hora de valorizarmos a importância (e a oportunidade, por que não?) de estudarmos espanhol e nos tornarmos fluentes em outro idioma!
Estou contigo, sigo estudando!!! E morro de orgulho quando me dizem que tenho pouco sotaque ou não sabem qual minha nacionalidade!

Resposta
Ana Paula Almeida Setembro 6, 2018 at 3:16 am

É isso aí, Letícia! É uma oportunidade de ouro em nossas mãos! Parabéns pela falta de sotaque! Eu ainda chego lá! Também sigo firme estudando 🙂

Resposta
Lea Mello Silva Setembro 5, 2018 at 8:32 pm

Paula

Como sempre seus textos são ótimos é muito instrutivos
Estou sempre esperando no começo do mês pelos seus escritos
E acho que o México deve ser ótimo para morar
Beijos 😘

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação