BrasileirasPeloMundo.com
Egito

Egito – Pós revolução

Dia 25 de janeiro de 2011- Sonhos latentes moviam milhões pelas ruas do Egito. Um só pensamento pulsava na multidão, liberdade. Pulsos cerrados, olhos atentos, corações ávidos por mudanças. Na pele, o arrepio, perigo iminente de morrer lutando por um futuro melhor. Você conhece esse episódio como Primavera Árabe.

Egípcios de todas as idades, classes sociais e posições políticas, todos, uma só mão, clamando pelo fim do regime ditatorial de Hosny Mubarak, e o início de novos tempos prósperos sob a luz da democracia. “O povo egípcio não está pronto para a democracia”, declarou Omar Suleiman, chefe de inteligência do governo, na televisão enquanto em Tahir, muitos perdiam suas vidas. Sangue nos olhos, literalmente. Quantas pessoas perderam a visão nesses dias de luta? Centenas. Essa declaração seria no mínimo um insulto a esse povo.

7-Dia de protesto no Cairo.
Foto: Mano Photography

Nesse fatídico dia, após dias de luta, o povo vence. Foi feita a vontade da maioria. Mas se eram milhões como um só em Tahir, dali em diante foram milhões sós.

Os planos de um futuro democrático e próspero já se faziam presentes na intuição de cada um. “Está feito”, pensavam eles. Mal sabiam que liberdade envolve grandes responsabilidades. Em um primeiro momento, o caos se instaurou, cortes de luz diariamente, falta de segurança nas ruas, não havia polícia, praticamente uma terra sem lei. Mas era temporário, era o preço de uma grande conquista.

O primeiro presidente é eleito pelo povo, Mohammed Morsi. Em poucos meses de mandato, ele desagrada e decepciona profundamente o povo que o elegeu. Propõe instaurar no Egito uma constituição baseada na Sharia, como acontece no Irã, Arábia Saudita e outros países muçulmanos. Além disso, o básico à sobrevivência ainda faltava, o desemprego atingia a maior parte da população. O turismo, maior fonte de renda até então, era quase inexistente. Começam a pipocar defensores da volta de Mubarak. Sentindo-se traídos, contra uma pequena minoria islâmica que apoiava Morsi, fazem uma nova revolução. Parece que a voz do povo só era ouvida em praça pública. Nas urnas, no governo, no plenário, as coisas iam de mal a pior.

9- Nas ruas de Tahir, mihares se unem para uma nova revoluá∆o em 2013.
Foto: Mano Photography

Nesse momento, outros países que participaram da Primavera Árabe tinham uma situação ainda mais caótica. Exemplo: Síria e Líbia. O que tornava o temor do povo egípcio ainda maior. Se de início parecia que haviam alcançado o sucesso, eles viram que a transição de um país exigiria muito mais luta do que a de Tahir. Ter ido embora pra casa no dia 25 de janeiro com sensação de vitória foi um equívoco. E a essa altura já se perguntavam quem os poderia salvar.

Nos tempos de glória dessa civilização, sempre existia um faraó que, na personificação do próprio Deus, defendia, lutava e garantia a soberania do seu povo. Esse líder ainda habita o imaginário egípcio, e assim, carentes por um faraó do século XXI, desponta El Sisi. O ministro da defesa, para a alegria de todos, declara que o exército deporia o presidente Morsi e conteria os insurgentes. Mais uma vez a união fez a força, pena que novamente a união durou poucos dias.

Optimized-5- Grafites foram feitos pr¢ximo a Tahir em homenagem a revoluá∆o e seus m†rtires.

O salvador da pátria instantaneamente se torna um herói, a figura mais venerada do país. Os apoiadores de Morsi, revoltados, aterrorizam o país, matando e ferindo indiscriminadamente nas ruas. Diante do medo de se tornar outra síria, ou quem dirá, um novo Afeganistão, a promessa de um Estado laico inebria, e a maioria, quase que cegamente, segue os passos de El Sisi.

Ele propõe uma nova eleição no país, afinal tudo que o povo egípcio provou não querer é uma ditadura. Inicialmente, ele não seria candidato. Mas cedendo ao desejo do povo, ele concorre, e em uma eleição sem surpresa nenhuma, foi eleito com mais de 90% dos votos.

Hoje, as palavras de Omar Suleiman são entendidas como: democracia não é fazer a minha vontade, mas a vontade da maioria, por mais duro que seja não pertencer a ela.

Tahya Masr! Vida longa, Egito!

Related posts

O jeitinho egípcio: a cultura do Inshallah

Michelle Bastos

Adaptação no Egito

Michelle Bastos

Religiões e cultura no Egito

Michelle Bastos

4 comentários

Kareem February 1, 2016 at 7:48 pm

O egito só piorou então? A sharia é aplicada aí? Parece que só a Tunisia teve um final quase feliz com a primavera arabe.

Resposta
Michelle Bastos February 8, 2016 at 9:08 pm

Oi Kareem, então, logo após a Revolução o país estava sim um caos. Agora, o país está voltando a rotina com novas leis, nova organização, voltando a prosperar digamos. A Sharia não é aplicada e o estado se define como laico, o presidente que foi eleito após Mubarak propunha leis baseadas na Sharia, entretanto como citei no texto, ele também foi deposto pelo povo. Atualmente, o presidente Sisi defende um estado laico e a paz entre as religiões, ok? Se tiver qualquer outra dúvida, sinta-se a vontade para perguntar. Obrigada pela sua participação e interesse.

Resposta
Rogerio Dias February 1, 2016 at 9:42 pm

Ótima colocação.
Nesses quase 2 anos aqui, eu sinto que melhorou, levando em consideração apenas o que vi, não o que aconteceu antes.
De 2014 para cá sinto que muitas pessoas estão mais leves, mais soltas, logo, acho que a Democracia quase levou o Egito a uma ditadura religiosa mesmo.

Resposta
Michelle Bastos February 8, 2016 at 9:04 pm

Oi Rogério, eu também tenho percebido o quanto tem melhorado, além do humor e auto confiança das pessoas, o país estáa mais limpo e organizado, que continue assim.

Resposta

Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação