BrasileirasPeloMundo.com
Entrevistas França

Entrevista com a cantora Flávia Coelho

Hoje vou falar sobre música. Dessa vez, não sobre clássicos franceses que nós, brasileiros, achamos um charme. Conversaremos sobre a Flávia Coelho, uma carioca de pais nordestinos que leva a voz brasileira para os franceses com suas melodias que fogem dos tradicionais bossa-nova e samba. Flávia começou sua carreira em 2006, em Paris, cantando em metrôs e bares até conhecer Bika Bika e Victor Vaugh, seu produtor musical, e começar a ver sua carreira alavancar.

A cantora já participou de vários festivais na França. Tive o prazer de assistir ao seu show ano passado, na Fête de la musique aqui em Lyon e posso garantir: QUE SHOW! Uma alegria contagiante no palco, uma voz maravilhosa e muitos franceses tímidos arriscando passinhos. Foi um prazer poder levar minhas amigas americana e russa para ver de perto alguém que foi trilha sonora da minha vida de au pair.
Flávia já lançou dois álbuns: Bossa Muffin (2011) e Mundo Meu (2014).

BPM -Bom dia, Flávia. Obrigada pela participação em nosso site BPM. Conte-nos como foi a decisão de trocar o Brasil pela França.
Na verdade, eu nao troquei, vim descobrir. Um pouco diferente!

BPM -Quais suas maiores influências? De onde veio a inspiração para tantos ritmos que podemos conferir em seus álbuns?
Escutei musica brasileira toda minha infância. Cresci como todo mundo da minha época: Gilberto Gil, Chico Buarque, Caetano, Fagner, Dr Dre, Nina Hagen, Salif Keita, Eminem e muitos outros. Cresci nessa mistura de som e de ritmos chamado Brasil. Minha influência vem disso mais o meu encontro com todos os músicos que cruzaram meu caminho.

BPM -Você estudou música na França? Se sim, quais cursos você indicaria?
Estudei 4 meses de canto com uma professora americana que me deu algumas dicas; mas, a melhor escola é a noite, os bares, as Jam sessions… a vida!

BPM -Como foi seu início de carreira em Paris?
Como acontece com todos, o começo foi difícil, claro. A língua, o frio… mas tinha perseverança e vontade de escrever minhas primeiras composições. Foi nesse momento que encontrei os músicos Bika Bika Pierre e Victor Vaugh (produtor musical) que acreditaram em meu potencial, viram em meus olhos que eu queria fazer um som diferente.

BPM -Qual a diferença entre o circuito musical brasileiro e francês?
Aqui tem músicos do mundo inteiro que entram e saem do país o tempo todo, trazendo novos estilos, e, por uma questão geográfica, acho que é mais simples que no Brasil.

BPM -Você acha que tem mais opções e possibilidades de uma carreira de sucesso estando na França ou seria o mesmo estando no Brasil?
Na verdade, não tentei minhas composições no Brasil. Comecei a compor na Europa. O encontro com pessoas é importante e é verdade que é mais simples na Europa; porém, precisa ter um conteúdo sólido para convencer todos.

BPM -No começo, ao apresentar seu material, você ouviu muito “mas você é brasileira e não canta samba ou bossa-nova?”
Nem fala! Recebi muitas propostas para fazer discos exclusivamente de samba ou de bossa, para ir “mais rápido ao Top 10”, me diziam algumas pessoas. Não escolhi a música para fazer sucesso ou ir “mais rápido”. A música me escolheu e meu coração pedia para eu fazer discos que tivessem algo a ver comigo, com a minha época, com a minha história. Lógico que tenho uma história com esses estilos, nasci no Rio de Janeiro; mas tive que explicar e convencer a galera aqui na Europa que o Brasil mudou, avançou…não ficou parado nos anos 50.

BPM -Como é cantar em português tendo como palco principal a França? Como foi a recepção dos franceses? Você pretende fazer um álbum em francês?
Os franceses adoram o Brasil. Cantar em português nunca foi um obstáculo, mas a música que eu oferecia sim. Algumas gravadoras tinham medo do que eu oferecia, diziam que nunca iria funcionar. Agora elas me procuram e perguntam como fiz. Disco em francês, como dizem os franceses: On verra*!
*veremos

BPM -Em seu show, nós vemos de tudo: jovens, famílias, pessoas de idade, europeus, brasileiros. Qual a sensação de subir no palco e ver tudo isso?
A sensação é que tenho muita sorte. Sou muito grata e feliz de viver da minha arte e poder dividir com pessoas de todas as idades!

BPM -E como é cantar na Europa, mas fora do território francês? Foi um país que você gostou muito de cantar?
Maravilhoso! Sempre sou recebida com muito carinho e adoro cantar em qualquer lugar!

BPM -Quais dicas você daria a uma brasileira que sonhe/queira ter uma carreira musical na França?
Siga seu coração, é ele que faz as boas escolhas. Aprender a língua do país ajuda muito.

BPM – O que podemos esperar de Flávia Coelho para o ano de 2016?
Viajando o mundo, fazendo amigos, cantando e sendo feliz! E mais música, claro!

BPM – Deixe um recado para as Brasileiras Pelo Mundo, em especial as que estão apenas começando na área musical.
Música é arte e arte se aperfeiçoa com trabalho. Pense arte e não sucesso. Sejam felizes sempre!

unnamed

Para informações de seus próximos shows pela França e pelo mundo clique aqui.

… « Não vale a pena explicar
Você vai achar que ele é um vagabundo,
decidiu viver e viajar e conhecer o mundo.
Não vale a pena explicar,
eu digo o que ele tem, um desses mistérios profundos
que aprendeu na marra na mata
com um índio Guarani do terceiro mundo.
Foi na África, viu o Bangladesh, dormiu com o Deus Ganesh.
Ficou intrigado quis ver com seus próprios olhos um arco-íris.
Diz que essa viagem só o ajudou a descobrir povos desconhecidos,
que disseram pra ele que o homem é seu próprio inimigo. »…

trecho de Bossa Muffin (o viajante)
Flávia Coelho

Related posts

Dicas para alugar apartamento em Toulouse

Rafaela Honorato

Dicas de turismo na Córsega

Rosana Alcântara

Depressão na Alemanha, uma história de superação

Larissa Da Costa

2 comentários

ananalala Outubro 25, 2015 at 12:36 pm

Top, Jéssica! Adorei.

Resposta
Jéssica Martins Outubro 25, 2015 at 1:10 pm

Ela é incrível Ana! Vale a pena ouvir =) Depois dá uma olhada se ela vai tocar por ai no link de datas de show que postei beijos

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação