BrasileirasPeloMundo.com
Entrevistas Estônia

Entrevista com Karen Roosileht, criadora do Tutor.id

O BPM entrevistou Karen Roosileht, brasileira que reside em Tartu, na Estônia, e criadora do Tutor.id, uma plataforma que tem como intuito ajudar a organizar questões administrativas e acadêmicas entre professores e alunos. Karen nos conta sobre como surgiu a ideia para seu negócio e o desafio de trabalhar com usuários brasileiros mesmo estando distante do Brasil.

Um dos grandes desafios para quem é expatriado com certeza é a questão do empreendedorismo. Começar um projeto de negócio é difícil e trabalhoso, mas pode ser uma experiência muito enriquecedora e gratificante.

BPM – Conte-nos um pouco da sua trajetória e como chegou a Estônia.

Karen – Meu primeiro contato com a Estônia foi quando pesquisava programas de mestrado em países nórdicos. Na minha lista de cursos favoritos estava o programa de mestrado de “Estudos do Mar Báltico” na cidade de Tartu, na Estônia. Optei por estudar na Universidade de Tartu (cidade estudantil da Estônia) por vários motivos: o currículo do programa era muito interessante, a excelência no ensino, custo de vida mais baixo em comparação aos países escandinavos e pela curiosidade de estudar uma cultura completamente diferente da minha. Tive uma experiência muito enriquecedora durante meus estudos. Tive a oportunidade não só de interagir com locais, mas com pessoas do mundo inteiro, também!

BPM – O quê a motivou a começar a empreender?

Karen – Quando terminei meu mestrado na Estônia e voltei a morar no Brasil, e comecei a dar aulas de inglês (em escolas e particular), e ao perceber os problemas que muitos professores enfrentam, tive uma ideia de negócio para ajudar meus colegas professores a ganharem mais e a terem mais qualidade de vida. Quando era professora de escola, tinha o problema financeiro: trabalhava muito, ganhava pouco e tinha pouca qualidade de vida. Quando larguei a escola, e comecei a dar aulas particulares, o problema era outro: ganhava bem, mas tinha que lidar com assuntos administrativos, mas o stress de lidar com tudo isso sozinha também me dava pouca qualidade de vida. Meus pais passaram a me ajudar com a parte administrativa (minha mãe agendava aulas, e meu pai coletava pagamentos). Era tão bom ter essa ajuda, que a ideia nasceu de “automatizar” o que meus pais faziam manualmente. E se eu criasse uma plataforma que ajudasse professores a terem novos alunos e a administrarem seus agendamentos com pagamentos automáticos? Foi assim que nasceu o Tutor.id.

Leia também: Professora de dança do ventre em Abu Dhabi

 

BPM – O quê é o Tutor.id e por quê você acredita que essa plataforma pode melhorar a vida das pessoas?

Karen – O Tutor.id é uma plataforma que ajuda pessoas com conhecimento a iniciarem ou a automatizarem seus negócios de aulas particulares. Nossa visão é a de ajudar professores a economizarem tempo e a ganharem mais com as ferramentas de gerenciamento, e também de ajudar alunos a descobrirem o que está sendo ensinado ao redor deles (qualquer matéria). Queremos ser a plataforma referência quando alguém quiser dar aulas particulares ou aprender algo novo. Nossa ideia é de melhorar a educação, empoderar professores a disseminar conhecimento. Sabe fazer sapatos e quer ganhar dinheiro no tempo livre ensinando outras pessoas? Tutor.id. É um professor aposentado e sente falta de dar aulas? Tutor.id. É um estudante universitário querendo ajudar alunos do colegial com o vestibular? Tutor.id. É só criar a conta, que colocaremos esse professor no mapa e ajudaremos com todo resto – o professor só irá se preocupar em ensinar! Professores que querem utilizar a plataforma somente para administrar seu negócio, também é possível.

BPM – Como foi começar o seu projeto na Estônia? Quais dificuldades você encontrou e como você as superou?

Karen – Começar o projeto na Estônia foi um grande desafio, e tem ainda sido. A ideia de abrir uma empresa na Estônia foi por motivos puramente fiscais, o que me daria mais chance de ser bem-sucedida, uma vez que o país oferece benefícios a empresas iniciantes. No entanto, montar um time que entenda a realidade brasileira e estar longe dos meus usuários e em outro fuso-horário tem sido um grande desafio. Estou conciliando no momento, e tenho a sorte de trabalhar com brasileiros na Estônia, mas não é o cenário ideal. Terminamos nosso dia de trabalho por volta das 10/11PM, e quando tem Facebook live, termina às 3AM. É fisicamente bastante desgastante, mas como adoramos o que fazemos, compensa muito!

BPM – Os usuários do Tutor.id são em sua maioria brasileiros ou estonianos? Como é trabalhar com os que se encontram distantes?

Karen – Temos professores cadastrados em 28 países, mas predominantemente brasileiros, estonianos e irlandeses. Estamos focando no mercado brasileiro pelo motivo de ser o mercado que eu escolhi para introduzir o produto. É um mercado que tenho familiaridade, e o mais perto do meu coração. A ideia surgiu da minha experiência como professora no Brasil, então penso que é justo que a solução seja apresentada ao meu país primeiro! No entanto, claro, adoraria expandir para múltiplos mercados – e este é um plano futuro! Quanto mais professores bem-sucedidos, melhor.

BPM – Como você se sente ao ver o seu projeto crescendo e se desenvolvendo?

Karen – Fico muito feliz, claro! Ajudar professores é algo que venho trabalhado faz muito tempo e é extremamente compensador ver que todo nosso esforço em criar o produto tem ajudado muita gente ao redor do mundo! Eu vejo o projeto crescendo ainda mais com o apoio dos nossos usuários, mídia e de parceiros estratégicos. Não há melhor divulgação do que usuários satisfeitos com o nosso serviço. No Brasil adoramos ajudar as pessoas, de uma forma geral, então também aposto no marketing boca-a-boca. Quando alguém nos cita como referência, nos ajuda muito a crescer! Temos planos inovadores em relação a customização de aprendizagem nos próximos meses, e mal posso esperar que isso chegue ao mercado!

Leia também: Entrevista com a designer de jóias, Claudia Lobão

 

BPM – Que mensagem você gostaria de deixar para as mulheres que desejam começar a empreender mundo a fora?

Karen – Empreenda somente se seja apaixonada pela ideia, não pelo fato de “ter uma empresa”. Na verdade, o empreendedorismo não tem nada de glamouroso. Eu provavelmente não estaria ainda trabalhando no Tutor.id se não fosse uma ideia que eu realmente acreditasse impactar positivamente a sociedade. Empreender demanda muitos sacrifícios financeiros e pessoais, e só vale a pena se for algo realmente importante para você. Se tem uma ideia que não consegue sair da sua cabeça e te incomoda que esse produto ainda não existe no mercado, o empreendedorismo é pra você! Não faça tudo sozinha: encontre sócios em áreas do seu ponto fraco para que aumente suas chances de sucesso! Seja forte, e (muito importante!) cerque-se de pessoas que irão de levantar nos dias ruins (família e amigos), porque esse apoio emocional será super importante nesta jornada.

Nós desejamos muito sucesso a Karen em seu projeto, e se você quiser saber mais sobre a plataforma, visite o site do Tutor.id.

 

Related posts

Uma advogada brasileira em Munique

Larissa Da Costa

Hábitos que adquiri na Estônia

Ana Carolina Poli

Especial Artistas – Lúcia Hinz

Ann Moeller

3 comentários

Luis Santos Abril 22, 2018 at 11:32 pm

Ana, é fato que quase todos na Estônia tem olhos azuis, mais que na Finlândia, Suécia ou Dinamarca?

Resposta
Ana Carolina Poli Abril 29, 2018 at 10:21 am

Olá, Luis! Nao saberia dizer com certeza, mas é verdade que a maioria das pessoas aqui tem olhos verdes ou azuis e olhos castanhos sao mais raros.

Resposta
Debora Pedroni Dezembro 6, 2018 at 10:41 am

Ola Ana, otima entrevista.
Eu sou tutora/professora de linguas aqui na Croacia, e me interessei em saber como funciona a plataforma e, de repente, conseguir trabalhar com eles com aulas particulares.
Enviei uma mensagem no site pra Karen, mas nao sei ao certo se chegar’a at’e ela.

H’a uma forma de comunicar-me com ela?
Obrigada!

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação