BrasileirasPeloMundo.com
Entrevistas França

Katia Adler, diretora do Festival de Cinema Brasileiro de Paris

Katia Adler, diretora do Festival de Cinema Brasileiro de Paris

Como forma de mostrar, nesse mês de março, o espaço que nós mulheres seguimos conquistando em diversos setores da sociedade, procurei entrevistar alguma brasileira que representasse, aqui em Paris, não apenas a cultura do Brasil (o que, na minha opinião, já seria suficientemente admirável) mas que fosse também um exemplo de sucesso na sua área, dentro e fora do nosso país. Vamos conhecer aqui um pouquinho mais de uma das mulheres brasileiras que eu mais admiro no cenário cultural atual e que já deixou seu nome marcado na França, mostrando sua voz e seu talento além das fronteiras do nosso país.

Katia Adler é a idealizadora e diretora do Festival de Cinema Brasileiro de Paris, produzido pela Associação Jangada, que também é dirigida pela própria Katia. O Festival, que acontece uma vez por ano, é um momento bastante esperado por parte da comunidade brasileira aqui instalada. Para todos os brasileiros que atribuem importância à cultura nacional, o evento é muito mais do que apenas alguns dias de exibição de filmes, ele representa um momento de contato com nossa cultura; uma ocasião de compartilhamento e troca com outros brasileiros ou até mesmo com estrangeiros; uma reconexão com o lugar de onde viemos através das histórias, paisagens, jeitos de falar, pensar e viver exibidos na telona. Podemos ver também, nos dias em que o evento acontece, que boa parte do público é francês, o que mostra que há grande interesse pela nossa cena de cinema.

Leia também: tudo que você precisa saber para morar na França

Baseada na presença certa do público francês e também na veiculação internacional de alguns filmes exibidos primeiramente no Festival, afirmo que ele fez e faz parte de um movimento muito importante de fortalecimento do cinema nacional fora do Brasil, apesar dos percalços que enfrenta.

Em 2018, o Festival comemora 20 anos. A vigésima edição acontecerá no mês de abril, no Cinéma Arléquin, onde é realizado desde sua décima quinta edição. O Arléquin fica na Rue de Rennes, no sexto arrondissement (ou sexto distrito, numa versão abrasileirada).

Eu já acompanhei uma edição do Festival e lembro com muito carinho do evento. Recomendo fortemente a presença de todos que estiverem por Paris nesse período.

Agora deixo vocês com um pouco do que foi minha conversa com a Katia sobre ela e o Festival.

BPM: Desde quando você está em Paris e como aconteceu sua mudança pra cá?

Katia: Fui estudar cinema em Paris, em 1984, na Universidade de Paris 8.

BPM: Como nasceu o Festival de Cinema Brasileiro de Paris?
Katia: Estava muito afastada do meu país e queria distribuir filmes brasileiros. Era o final dos anos 90, tinha pouquíssimos filmes nacionais sendo feitos, era a época do Collor. Aí nasceu a ideia de um festival.

BPM: Em que edição ou diante de que acontecimento você percebeu a consolidação do Festival como um momento cultural importante para a cidade e para os brasileiros que vivem aqui?

Katia: Até hoje é um evento frágil porque precisamos sempre buscar patrocínios e tem sido muito complicado, porque é específico de cinema e na França. Mas acredito que, desde 2003, temos um evento grande e que apresenta a nova produção de filmes brasileiros na Europa. O festival serve de vitrine.

BPM: Se tivesse que escolher algum momento marcante, seja ele positivo ou negativo, do Festival, qual escolheria?

Katia: O ano de 2005 foi um momento forte porque era o ano do Brasil na França, fizemos uma linda homenagem para a Fernanda Montenegro e Paulo José, foi muito emocionante.
Uma vez, uma avó veio com o neto falar comigo de como o festival era importante para ele conhecer o Brasil através dos filmes que passamos. Ele, nascido na França, mal sabia falar português, então o festival era um momento especial entre eles.

BPM: Como é feita a seleção dos filmes que serão exibidos em cada edição?

Katia: Eu faço a curadoria desde a primeira edição. Muitos produtores mandam os filmes ou eu descubro em festivais no Brasil e no mundo.
BPM: O que podemos esperar da edição de 20 anos que acontecerá no mês de abril, do dia 3 ao dia 10?
Katia: Um panorama do cinema brasileiro atual, ficções e documentários, filmes que marcaram o festival nesses 20 anos, dois filmes de animação em parceria com o festival de Annecy.
Imagem: Jangada Association 
BPM: Ser mulher já causou dificuldades para sua realização profissional, inclusive para a realização do Festival?
Katia: Jamais.
BPM: Há outras mulheres brasileiras que você considera inspiradoras?
Katia: A primeira mulher que me inspira é minha mãe, uma lutadora nata, professora da UERJ, que criou um programa de alfabetização para a terceira idade. Um exemplo.
BPM: Na cena brasileira do cinema atual, quem são as mulheres que você mais admira?
Katia: Muitas produtoras. Na verdade, temos menos diretoras, mas as mulheres imperam na produção de filmes brasileiros. Tenho o maior respeito, dentre elas, por Lucy Barreto e Mariza Leão, e pela cineasta Lucia Murat.

BPM: Você costuma comemorar o dia da mulher? O que esse dia representa pra você?

Katia: Não comemoro não, mas, por exemplo, tenho muito orgulho de ter duas filhas e tento ensinar que precisamos sempre nos fazer respeitar. Acredito que desse ponto de vista o mundo está melhorando muito.

Related posts

ETIAS – A nova autorização para entrar na Europa

Mel Barbieri

Bullying na escola primária francesa

Jacira Ferreira Normand

Como decidi fazer meu mestrado em Lyon

Sabrina de Paula

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação