BrasileirasPeloMundo.com
China

Mercado de Dongguan e o “Fede-Fede”

  • Mercado de Dongguan

Morar em um país onde não conseguimos nos comunicar, ou mesmo ler as placas das ruas, gera uma série de nomes e localizações um tanto quanto curiosas. Morando há mais de 10 anos em Dongguan, já ouvi diversos nomes engraçados, e confesso que não conheço todos os lugares ainda.

Muitos desses lugares se localizam em ruas pequenas ou, às vezes, muito sujas e por isso nós os chamamos de “becos”. Apesar de o nome não ligar exatamente ao significado, pois beco é  uma rua estreita e sem saída ou algo assim, aqui as ruas têm saída e são geralmente muito movimentadas.

Temos, assim, o Beco do Tênis, onde não se vende somente pares de tênis como o nome sugere, mas também abrigos e outras roupas esportivas, e o “Beco do Forno”, nome dado à maior loja de fornos no começo da rua. Contudo, ali há a venda de vários eletrodomésticos, bem como louças e outros utensílios de cozinha. Em uma das ramificações do “beco do forno”, temos o “beco do animais”, onde, obviamente, vende-se vários tipos de animais de estimação e tudo mais que se precise para eles.

Ainda temos o beco das bebidas, o da porcelana, o dos tecidos, das flores, entre outros. Mas o local sobre o qual hoje quero contar para vocês pode ter o nome mais curioso de todos: o Fede-Fede.

Curioso é eu iniciar lhes contando que o Fede-Fede é o local mais frequentado entre brasileiros e estrangeiros, e é local de compra de comidas. Exatamente! O Fede-Fede é como se fosse um mercado público, com a venda de frutas, legumes, saladas, carnes, peixes, flores e alguns outros utensílios, além, claro, de alguns itens exóticos da culinária chinesa.

O nome foi dado há mais de 10 anos, devido realmente ao cheiro do local. Para a venda das carnes não existiam frigoríficos, e eram todas apenas deitadas sobre as bancadas de madeira. As frutas muitas vezes apodreciam, deixando seu peculiar cheiro pelos corredores, além dos peixes, que por si só têm um forte odor. Junte a tudo isso um corredor de pedra, lavado raramente e terá a sensação do que é o fede-fede! Agora compreendem bem o nome, não é?

Mas calma! Toda essa descrição que dei foi há muitos anos. Hoje não é mais assim (bem, não tudo!). Algumas carnes ainda são vendidas somente sobre a bancada, mas já há revendedores que investiram em câmaras frigoríficas ou freezers. Há todo o tipo de carne que você precisa, desde carne de porco em cima de uma bancada, até picanha de ótima qualidade importada de países como Argentina, Austrália ou Nova Zelândia. Tem frango embalado importado, ou se preferir, pode caminhar ate a parte dos fundos do prédio e escolher a galinha que quiser, que na hora eles matam, pesam e limpam para você levar a carne mais fresca possível.

Seguindo na linhagem de carne fresca, dessa mesma forma funciona com os peixes: em uma determinado local do Fede-Fede existem vários aquários com repartições. Lá você escolhe qual peixe quer, e ele é pego na hora com uma rede para ser limpo. Ainda há as opções para aqueles que gostam de algo mais exótico: tartaruga, rã, sapo, camarões, mexilhões, jacaré (este não vivo, claro), entre outras opções.

Já na parte das saladas e verduras a variedade é muito grande e todas as coisas, belas e frescas. Antigamente tínhamos dificuldade de encontrar alguns produtos, como mandioca (aipim) ou beterraba. Hoje esses legumes já se encontram facilmente nos mercados. Nessas bancas de verduras ainda há as vendedoras chinesas que, para atrair mais público, aprenderam algumas palavras em português. Você chega para comprar a salada verde, que está exposta em sua frente, e elas já lhe perguntam: “batata? Cebola?” pois alguns desses produtos às vezes ficam atrás de suas bancadas pela falta de espaço, tamanha a variedade de produtos. Uma vez que respondemos que queremos, vem a pergunta: “to sau?” referindo-se à quantidade. E é nesse ponto da conversa que podemos entender bem a mistura de cultura em que estamos vivendo.

Não diferente das saladas, na parte da frente do Fede-Fede estão os vendedores de frutas: uma mais linda que a outra! Difícil escolher! Como citei anteriormente, antigamente havia frutas estragadas e mal cheirosas. A realidade de hoje passa longe disso! O que se vê são frutas lindas, brilhosas, embaladas e dispostas com todo o cuidado. E se você parar pra perguntar se a fruta é boa, já abrem uma e alcançam pra você provar. Já aconteceu comigo uma vez de eu ir comprar determinada fruta (realmente não lembro qual) e na hora que fui pegar do balcão, o vendedor pediu pra que eu esperasse, que ele pegaria frutas melhores para mim atrás, no estoque.

A preocupação de alguns vendedores pode ser grande, e essa não foi a única vez que algo similar aconteceu. Outra vez liguei para um pequeno mercado e pedi a entrega de algumas coisas (entregas por aqui são possíveis em todos os tipos de mercadorias). Entre os produtos que pedi, estavam alguns tomates. A resposta que tive ao telefone é que não tinha. Sem me preocupar muito, fiz o resto do meu pedido. A surpresa foi quando chegaram a minha porta com a entrega: uma sacola com tomates! Eu indaguei a moça, dizendo que ao telefone ela havia dito que não tinha. Ela, com um sorriso meio sem graça, me respondeu dizendo que aqueles tomates não estavam muito bons, então não estavam vendendo, mas que ela os trouxe pra mim, e não cobraria por eles, já que estavam “bu hão”(ruins)! Mais surpresa ainda fiquei eu quando abri a sacola e vi que estavam bons o suficiente para fazer uma salada de tomates!

Voltando ao Fede-Fede, tenho ainda que destacar uma parte muito linda: as flores de todas as cores, formatos e cheiros, desde lindos buquês a flores em vasos ou temperos, rosas, cravos, lírios, cravíneas e as mais lindas orquídeas!

Então, por mais estranho que o nome “Fede-Fede”possa parecer, você já viu que, além de encontrar várias coisas que possam lhe interessar, é um local muito interessante! Se passar por Dongguan, venha conhecer o famoso local de nome tão peculiar!

Related posts

Como saber que é hora de morar fora

Naschara Saraiva

Profissões pelo mundo:  Designer de Jóias na China

Christine Marote

O primeiro ano em Xangai

Ana Carolina Turci

2 comentários

Cristiano de Almeida Lima Junho 28, 2017 at 9:37 pm

Aqui em Aracaju, Sergipe, Nordeste do Brasil, nosso mercado central até 19 anos atrás era conhecido como penicão. E hoje não é muito diferente… Rsrsrs…

Resposta
Beatriz Schneider Julho 3, 2017 at 8:15 pm

Eu amava ir no “fede fede”…as verduras mais frescas, cogumelos…e aquelas bergamotinhas(doces e sem sementes) maravilhosas?Lichias e magostins maravilhosos! bons tempos! Até fedia…mas chegando em casa a gente lavava direitinho e pronto!

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação