BrasileirasPeloMundo.com
Divagações Espanha

Quando você sente que não pertence mais ao Brasil

Quando você sente que não pertence mais ao Brasil.

Levo quase 2 anos morando na Espanha e até agora não voltei ao Brasil nenhuma vez. E confesso que não é minha prioridade. Tenho uma saudade totalmente administrável do que deixei ali e isso me deixa muito tranquila.

Adoro o Brasil, adoro o Rio, adoro a família e os amigos que continuam por lá. Todas essas coisas estão guardadas dentro do meu coração, em uma gavetinha especial e estarão comigo para sempre, onde quer que eu vá. No entanto, para quem decide viver fora, é muito importante colocar todas essas coisas na “gavetinha”, do contrário a adaptação pode se tornar bastante complicada.

Já tive experiência de morar em 3 países diferentes, com idades diferentes e por motivos completamente distintos. Dessas experiências, somente tenho lembranças de dificuldade de adaptação em um caso. E foi justamente quando ainda não tinha discernimento para por as coisas na “gavetinha”.

Com 15 anos de idade fui morar em Portugal, meu pai havia sido expatriado por trabalho e tive que acompanhar minha família. Não foi uma decisão minha e não concordava com a mudança. Lutei o quanto pude para não me encaixar no novo ambiente e na nova vida. A imaturidade me fazia pensar que me adaptar ao novo país significava perder todas as coisas que eu amava no Brasil. Eu sentia como se estivesse traindo a mim mesma se aceitasse ser feliz em um lugar que não havia escolhido. É claro que naquela época eu não saberia expressar isso dessa maneira, mas hoje, quando olho para trás, percebo que era isso o que sentia. Eu pertencia demais à minha antiga vida para conseguir ser feliz na vida nova.

Leia também: O que não sinto falta do Rio de Janeiro morando em Barcelona

O que vivo hoje, na minha terceira experiência de mudança de país, é totalmente o contrário. Ter mais idade e mais maturidade com certeza me ajudou, mas independente de faixa etária, estar aberto é o que te faz começar a pertencer a um entorno. Poder escolher onde esse capítulo vai ser escrito também pode ser peça fundamental para o sucesso. Mas libertar-se dos padrões que você estava acostumado e estar receptivo a novas experiências é o que te faz ser bem sucedido quando decide começar um outro capítulo, ou uma nova história, em um lugar diferente do seu lugar de origem.

E adaptar-se é isso: libertar-se da vida antiga para poder viver uma vida nova. Quando você sente que já não pertence mais à sua antiga vida é quando você pode estar seguro de que fez a escolha certa. Para muita gente não é fácil desvencilhar-se das suas raízes e adaptar-se a um novo entorno. E é completamente compreensível.

Por mais que tentemos colocar a questão de uma maneira racional, não é exatamente assim que funcionam nossos sentimentos. E por isso, o conselho que eu posso dar às pessoas que desejam buscar uma vida fora do seu país de origem é: prepare-se bem antes de tomar a decisão. Esteja pronta para fechar um ciclo e recomeçar outro e permita-se sentir-se feliz na sua nova vida. Busque não fazer comparações a todo momento, cada lugar é único, com um montão de coisas boas e outras tantas ruins.

Leia também: Tudo que você precisa saber para morar na Espanha

Tudo o que vivemos antes é o que molda a nossa personalidade, é o que nos torna o que somos agora. É a nossa raiz, está dentro de nós. A partir do momento em que decidimos mudar, seja pelo motivo que for, é fundamental abrir-nos ao novo, para absorver as melhores experiências e para seguir moldando a nossa essência.

Eu atualmente sinto que não pertenço mais ao Brasil, nem ao Rio. E não me entristece dizer isso, pelo contrário. Dizer isso e saber disso me traz uma paz enorme, porque tenho a certeza de que estou onde deveria estar. Tenho a sensação de que levo uma vida completa, de que não me falta nada. Estou plena onde me propus estar.

Deixo mente e coração abertos para que novos momentos, novas pessoas e novos aprendizados possam entrar. As lembranças boas, os momentos inesquecíveis e a saudade de tudo o que vivi no Brasil estão todos muito bem guardados, na “gavetinha”!

Related posts

Português como língua de herança

Juliana Azevedo Gomes

Como circular de carro em Madri – parte 2

Erika Menezes

Turistando em Barcelona

Gleice Garcia Santiago

2 comentários

Ilma Madureira Agosto 29, 2019 at 4:45 pm

Olá. Parabéns pelo texto. Exatamente o que penso, e fiz.
Dois anos fora do Brasil/Rj e só tenho voltado por que preciso, (ainda nao dei baixa definitiva)- mudei para Portugal, pois há muito queria morar fora, mas é o meu caminho.
Ps. E tenho mais de 60(sessenta anos rsrs)
Abraços

Resposta
Carolina Lauzen Agosto 31, 2019 at 1:29 pm

Ilma, obrigada pelo seu comentario! Que bom que se identificou com o texto. Que sua vida em portugal seja repleta de realizacoes!

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação