BrasileirasPeloMundo.com
Malta

O adeus a Azure Window em Malta

Azure Window em Malta

E você se foi…era uma morte anunciada, pois há tempos estavam te maltratando. Pobre dos homens que não sabem cuidar de seus bens mais preciosos. A natureza só tratou de acabar com a sua dor.

Em 08 de março de 2017, Malta acordou mais triste. Seu maior patrimônio natural, a Azure Window, um arco de calcário de 28 metros de altura, desapareceu no mar Mediterrâneo, após uma forte tempestade, deixando nada visível acima da água. Uma batalha entre a terra e o mar que apagou esse monumento natural.

A formação rochosa, localizada na ilha de Gozo – Malta, foi criada pelo colapso de duas cavernas e era constituída de um pilar de rocha que se levantava do mar e se unia ao penhasco por uma laje horizontal. A Azure Window desenvolveu-se através da erosão do mar e da chuva por um período de aproximadamente 500 anos. Ao longo de décadas de erosão natural, agregado a má conscientização do ser humano que, apesar das advertências de não ultrapassagem, insistiam em  caminhar sobre o arco, esta formação desmoronou por completo.

Entre as décadas de 1980 e 2000, partes da laje superior do arco desmoronaram, ampliando  significativamente sua abertura e, em 2012, uma grande laje da rocha na borda externa da cavidade, desabou, aumentando ainda mais o tamanho da janela. Após uma nova queda em 2012, geólogos alertaram sobre sua instabilidade e o risco às pessoas ao se aproximarem do arco. Pescadores locais evitavam a aproximação com seus barcos, porém o mesmo não ocorreu com os turistas que, insistiam em ultrapassar os sinais de alerta e continuavam a mergulhar e postar seus vídeos “fantásticos” nas redes sociais.

Em dezembro de 2016, foi publicado uma ordem de emergência proibindo as pessoas de entrarem no arco sob a cobrança de multa de 1.500 euros, porém esta lei não foi aplicada e os visitantes ainda circulavam sobre o arco dias antes do colapso.

Seu desaparecimento era algo inevitável, mas segundo os prognósticos geológicos, isso ocorreria por em par de anos.

Por sua exuberância, a Azure Window era um dos principais marcos turísticos de Malta, fotografadas por milhares e palco de séries e filmes internacionais famosos, como o “Conde de Monte Cristo” e “Game of Thrones”.

Embora saibamos que tudo tem um fim, preferimos não encarar os fatos e acreditar que tardarão a acontecer mas, quando abruptamente desaparecem é que voltamos a refletir sobre a finitude e sobre a importância de não deixar para depois.

Estava há menos de um mês em Malta, ainda como turista, explorando cada canto do país, quando decidi não desistir de ir a Gozo, mesmo com todo mal estar, ao meio dia de um lindo sábado de sol – obrigada por me “arrastar” amiga Tamires. A viagem até a Azure Window, partindo de St. Julians, não é tão simples e rápida, ainda mais quando dependemos de transporte público. Ao chegar a Gozo, tomamos um ônibus turístico e decidimos que nossa primeira parada seria o ícone arco rochoso de Dwejra Bay.

Ao passar pela pequena San Lawrenz, começamos a descer rumo ao mar. A vista para um mar de cor fortemente azul já assombra, mas apenas ao aproximar-se da Baía é que vislumbramos o portal natural sobre o Mediterrâneo. Foi um daqueles momentos em que é impossível não soltar um “uauuu” e manter a boca fechada e os olhos não fixos, frente tamanha beleza, mas foi apenas quando desci do ônibus e me aproximei, que pude constatar a imensidão rochosa batizada de Azure Window.

É inevitável não tirar dezenas de fotos no local, embora com o mesmo fundo, sempre acreditamos que com uma pose diferente a imagem será mais encantadora. De cima, abaixo, de lado, sobre as pedras, dentro da água, eu e a grande pedra de todos os ângulos possíveis. E olha que isso se repetiu todas as demais vezes que estive no local.

Gozo tem inúmeras atrações, mas para mim, nada comparado a Janela Azul. Era lá que sempre passava a maior parte do tempo quando visitava a ilhota. Seja logo pela manhã, no meio da tarde ou no final do dia, aliás foi um dos mais lindos pores do sol que meus olhos puderam apreciar, a imagem é surpreendente. Estar diante da Azure te faz um ser minúsculo, pequeno, indefeso e irracional.

Acreditar que não somos particularmente responsáveis pela conservação e destruição da natureza nós torna insignificantes e nos restringe a imagens fotográficas e memórias.  Me lembro da última vez que estive lá, em outubro de 2016. Um dia que começou com um chuvisco, e com um forte e gelado vento, mas que pouco a pouco deu espaço a um lindo céu azul e um sol acalentador. Foi quando apresentei esta extinta maravilha à minha família. Novamente sacamos muitas fotos, diversas repetidas como um esboço de desenho animado, mas que tentavam expressar todos os sentimentos que a Janela aberta no mar, evocava em cada um de nós. Me recordo também de me surpreender com a larga fenda que se abria na laje e como estava, em poucos meses, visivelmente maior. Refletimos muito sobre a previsão de uma expectativa de vida de 10 anos, e sobre a sua iminente queda. Até que, tristemente, fecha-se a janela azul.

Última visita em outubro de 2016 (arquivo pessoal)

Sinto-me privilegiada por ter conhecido e admirado a Azure por diversas vezes e por continuar a acreditar que o mundo está aí para ser visto e explorado, mas com afeto e parcimônia. Adeus minha linda e obrigada por alegrar e encantar nossos dias.

Dedicado, com lágrimas no olhar, a todos os amantes de Malta.

Related posts

10 lugares imperdíveis em Malta

Thaís Cardoso

Como abrir conta bancária em Malta

Thaís Cardoso

Uma inspiração de igualdade na diversidade de Malta

Isadora Marcante

1 comentário

O adeus a Azure Window – Caminhamente Junho 15, 2017 at 11:59 am

[…] texto original encontra-se disponível no Blog Brasileiras Pelo Mundo, onde sou colunista juntamente com outras brasileiras incríveis espalhadas pelo […]

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação