BrasileirasPeloMundo.com
Bélgica

O que deixo e o que levo da Bélgica

O melhor e o pior da Bélgica segundo (e unicamente) a visão de uma paulistana que “provou” o país por pouco mais de 1 ano.

A minha relação com o país das cervejas e chocolates já, de antemão, foi repleta de reticências. As primeiras (segundas, terceiras e por aí vai) impressões não foram convincentes e tampouco agradáveis. Porém, trata-se de uma experiência e posição particular, que sim, foi altamente afetada pela minha pouca abertura ao que a Bélgica tem a oferecer e também, por uma resposta do “cosmos”, pelos inúmeros problemas que enfrentei.

Agora que estou de partida e após viver 15 meses por aqui, resolvi fazer uma retrospectiva, com reflexão e parcimônia, e apontar o que deixo de má experiência por aqui, mas também o que levaria de bom desta terra, porque felizmente, consegui dar espaço ao que é bom.

A burocracia administrativa – Deixo 100%

Nós, brasileiros, conhecemos bem o que é burocracia e nos queixamos sempre da lentidão e ineficiência do serviço público, mesmo que seja às vezes, apenas por força de hábito, porém aqui na Bélgica presenciei os maiores, e sem precedentes, absurdos burocráticos.

Mesmo os belgas reconhecem e admitem o quão longe da “perfeição” estão.

Há uma falta de comunicação e coesão entre os serviços; cada qual conhece e faz apenas a sua parte e não sabem informar o próximo passo e quando há algum erro, prepare-se, a correção por mais simples que pareça, poderá tardar meses, isso se não for necessário ingressar com uma ação processual contra o Estado.

Há sempre um papel a ser entregue, sempre uma nova resposta a ser dada, um novo agendamento a ser feito enfim, difícil é encontrar algo que se resolva no mesmo dia e local.

Poderia escrever um artigo apenas com todas as bizarrices administrativas que tenho passado, mas me restrinjo a dizer que, para mim, este é o pior pesadelo que a Bélgica me proporcionou.

Leia também: O que aprendi em 12 anos morando na Bélgica

As rodovias – Levo, mas deixo o engarrafamento

No território belga não há pedágio, o que não significa que as estradas sejam ruins, ao contrário, as principais rodovias estão em perfeito estado (e sempre com trabalhos de melhorias) e também são iluminadas, isto mesmo, aqui há postes de luz nas estradas e por mais que possa, em principio soar estranho, faz uma baita diferença. 

A malha rodoviária também é bem extensa e é possível circular por todo o país de carro, perfeito para uma população tão apaixonada e consumidora de automóvel.

O que mais me encanta neste quesito é a beleza paisagística ao redor das rodovias. Há muito verde por aqui (outro ponto positivo) e algumas estradas nos remete a cenários bucólicos cinematográficos.

O clima – Deixo

Como um fiel país do norte europeu, o clima por aqui é habitualmente frio e chuvoso. Você pode gostar de inverno ou até se adaptar a nebulosidade, mas viver sob um céu cinzento, um vento gélido e uma orvalharia boa parte do ano, é algo que me desagrada bastante.

O supermercado – Levo

Adoro a diversidade e qualidade dos produtos existentes na Bélgica. Passear entre as gôndolas dos supermercados por aqui é um prazer. Como dito, há muito verde no país e também muita agricultura e pecuária, o que rende legumes, verduras e carnes saborosas.

Ter mais de 10 marcas por produtos também me fascina. Você pode optar desde a marca própria do mercado, mais barata e de qualidade, até os importados, opção não faltará. Sem contar, é óbvio, com a parcela de cervejas, chocolates e molhos, outra especialidade que não pode faltar na casa de um belga. Há molhos para queijo, para o churrasco e sem dúvida, para a batata frita.

A frieza do povo – Deixo

Escrevo este item com cautela para não gerar possíveis más interpretações. 

Não podemos comparar populações de culturas e histórias tão distintas, principalmente aos brasileiros que são reconhecidamente acolhedores, mas o que vejo por aqui é uma falta de empatia e robotização comportamental.

As pessoas não se olham, não oferecem ajuda e não se solidarizam com o próximo, principalmente nas grandes cidades. É claro que não trata-se de uma generalização, mas não é comum as pessoas cederem espaço para um idoso ou gestante sentarem, esperar o outro passar para em seguida continuar sua rota, pedir e atender a um por favor e desculpa. 

Aqui não existe prioridade de atendimento como no Brasil, algo que, sem abusos, sinto muita falta. Ademais, dentre tantos médicos e demais especialistas que conheci, não houve um que me despertou confiança plena e fidelização. A pediatra do meu filho, por exemplo, é uma excelente conhecedora técnica da medicina, mas peca no trato humano.    

Leia também: Cheguei na Bélgica e agora?     

A localização – Levo

A Bélgica é minúscula, o que nos permite cruzá-la em 3 horas. Assim, além de conhecer belíssimos lugares pelo país (leia meu artigo a respeito), a partir da capital é possível ir a muitos outros países em poucas horas, seja de carro ou trem.

Há outros pontos a discutir sobre o cotidiano belga, mas como não há um país perfeito, finalizo aqui a minha lista.

Até a próxima em um outro lugar e com novas histórias.

Related posts

Lucas Melgaço – Geógrafo, Pós Doutorando e Professor na Bélgica

Ann Moeller

Os desafios para entrar no mercado de trabalho na Bélgica

Tábata Senna

Os belgas, os imigrantes e os terroristas

Elisa Penna

Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação