BrasileirasPeloMundo.com
França Turismo Pelo Mundo

O que fazer com 1000€ na França

É possível viajar com 1000€ para qualquer lugar do mundo? Por quanto tempo? E a França? O que é possível conhecer desse tão encantador país com (apenas?) mil euros?

Respondendo a essa pergunta, fui desafiada e efetivamente realizamos, eu e meu marido, uma viagem de 30 dias com 1000€, pela França (contarei com detalhes em outra ocasião). Claro que é muito mais fácil fazê-la, se você já mora em algum país próximo e tem flexibilidade de datas, o que era o nosso caso na ocasião.

Não só é possível como é bastante razoável viajar com esse valor (considerando-se um casal), e posso assegurar que, dependendo do período, quantidade de dias, flexibilidade e tipo de experiência que você procura, é possível viajar para quase qualquer lugar do mundo com 1000€ (obviamente, sem as passagens aéreas de grandes deslocamentos). Inclusive, já planejamos e realizamos inúmeros roteiros dispondo de um orçamento muito menor que 1000€.

Leia também: Tudo que você precisa saber para morar na França

E sobre a França, o que é possível fazer nesse país que tem fama de chique e caro?

Vamos aos dados práticos!

Primeira informação muito importante: o sul e o sudoeste da França, dependendo da época/estação, são muito mais baratos do que, por exemplo, Paris. Mas eu garanto: até Paris é possível com esse orçamento.

Segundo ponto: verifique opções de hospedagem que possam ser menos comuns, por exemplo, hospedar-se em um barco ancorado no Canal du Midi, em um antigo vagão de trem que virou hotel ou em apartamentos que praticam aluguéis de temporada. Conheço inúmeras pessoas que se programam com muita antecedência e procuram trocas de casas (há muitos sites seguros e interessantes que funcionam como mediadores dessa experiência).

Terceiro assunto crucial para a sua economia: verifique diferentes opções de locomoção. Se você pretende alugar um carro, avalie a possibilidade de compartilhá-lo com outras pessoas ou pesquise se a companhia aérea não oferece aquele super desconto para reservas feitas por meio de parcerias. Eu já paguei dez euros por diária de um carro econômico.

Além disso, avalie se não há outras opções mais coletivas. Por exemplo, o trem é sempre muito romântico, mas os ônibus, na Europa, costumam ser muito mais baratos. Aqui temos a Oui Bus, que é uma empresa do grupo SNCF (aquele dos trens). Companhias aéreas low cost são sempre uma boa pedida, e eu sou fã de carteririnha, mas em algumas cidades sairá mais custoso transportar-se de avião do que de ônibus ou trem.

Mas e as comidinhas?

Para mim, uma das coisas mais interessantes de uma viagem é aproveitar os sabores locais (xiiiii… em segredo lhe conto uma das minhas metas de vida: transformar todas as minhas refeições em momentos célebres!). Entretanto, (para mim) não é necessário pagar 50por um “menu” para saborear o lugar, nem tampouco exibir-se em lugares da moda (lê-se, caros).

Uma boa dica é verificar restaurantes locais que não tenham um menu do tipo “pega turista” e certificar-se de que você vai comer bem. Outra dica muito interessante (que eu pratico quase sempre) é aproveitar as vistas das cidades para preparar um piquenique ou, em alguns dias mais extenuantes, explorar o mercado local para comprar um vinho, uma baguette, alguns queijos e fartar-se no hotel (entenda, isso também faz parte do reconhecimento da cultura e das práticas locais, o que, para mim, faz muito sentido em qualquer viagem).

E os destinos?

Cidades maiores funcionam bem como ponto de partida para cidades satélites, menores e, usualmente, mais baratas. Sugiro, abaixo, cinco programas com algumas cidades que cabem bem em um roteiro de uma semana, para um casal, sem exceder o orçamento sugerido. Atenção, esta é apenas a sugestão de uma lista de cidades que podem ser incluídas em um roteiro de 7 dias.

7 dias de arte e ares medievais: Toulouse, Carcassonne, Narbonne, Montpellier.

7 dias pelos campos de lavanda e girassóis: Aix-en-Provence; Senánque/Gordes; Valensole; Sault; Sarraud; Roussillon.

Leia também: Morar fora do Brasil, um desafio planejado

7 dias de villages e neve: Toulouse; Perpignan; Foix; Ax-les-Thermes.

7 dias de vinhos: Bordeaux; Mérignac; Bergerac; Libourne; Saint-Émilion.

7 dias em cenários de tirar o fôlego: Bordeaux; Sarlat-la-Canéda; Beynac-et-Cazenac; La-Roque-Gageac.

Dicas de como esticar a sua viagem

Você pode gastar 1000€ em três dias de viagem ou em, por exemplo, uma semana ou quinze dias. O que você prefere? A questão principal é: você está disposto a fazer concessões? Andar um pouco mais a pé? Ficar hospedado em lugares mais simples, ainda que mais centrais (não vale a pena pagar barato e ficar longe de tudo ou ter que gastar tempo e dinheiro com transporte até os pontos mais interessantes da cidade)? Economizar no restaurante chique? Viajar de ônibus? Tudo dependerá do seu estilo de viagem, do seu momento e das suas intenções.

  • Troque o hotel pelo apartamento local ou pelo hostel;
  • Faça algumas refeições econômicas (com insumos do mercado ou de produtores locais);
  • Verifique quais são os dias em que determinados museus ou pontos do seu interesse tenham entradas gratuitas (geralmente há um dia ou horário mais “em conta”);
  • Compre com antecedência (passagens aéreas; trens; ônibus; hospedagens etc);
  • Informe-se sobre a possibilidade de comprar ingressos de espetáculos que sejam do seu interesse pouco antes dos eventos (frequentemente baixam os preços antes dos espetáculos).

Qual é a sua viagem?

Você deve ter reparado que durante todo esse texto comentei, com cuidado, o que penso sobre o tema (há muitas referências “para mim”). Conheço pessoas que gastam 1000€ em um dia de hospedagem e não acham caro. Outras preferem pagar 1000€ para ostentar que estão neste ou naquele hotel de luxo ainda que não tenham fôlego para ficar por mais de uma noite.

Cada um de nós faz as suas próprias escolhas e o legal de viajar é isso: todos podemos vivenciar o que nos convier, a nossa maneira, e carregar – ainda que do mesmo destino – conhecimentos e memórias completamente distintos. Tenho certeza de que a sua Paris não é a mesma Paris que eu visitei, mesmo que tenhamos visto a mesma Torre. Sua Londres (Barcelona, Atenas, Andorra, Aswan, Fez etc) não é a minha, já que trazemos, na mala da memória, lembranças do que experimentamos exclusivamente, cada um de nós.

Related posts

São Francisco e a cultura hippie – o Distrito de Haight-Ashbury

Letícia Cavalcante

Por que conhecer a Costa Rica?

Franciane Reis

Hambúrgueres vegetarianos em Paris

Rosana Alcântara

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação