BrasileirasPeloMundo.com
China Turismo Pelo Mundo

Roteiro de três dias em Pequim

Roteiro de três dias em Pequim

Se eu pudesse definir a maior de todas as vantagens na vida de um expatriado morando na Ásia em uma única palavra seria: VIAJAR. É fácil, pois os preços de hospedagem e passagem são convidativos e os lugares são absurdamente interessantes e lindos.

Em minha humilde opinião, não tem coisa mais prazerosa e gostosa no mundo do que conhecer outros lugares e culturas. Aqui, na China, quando sobra aquela brecha para o feriadão, o povo sai que nem doido procurando o próximo destino: é o maior fluxo de viajantes do mundo, então, nem preciso falar que se deixar para programar a viagem de última hora, a chance de não encontrar passagem, ou se encontrar o preço pode ser SURREAL é enorme, né?

A gente prioriza viajar para outros países e explorar ao máximo essa maravilha de continente que é Ásia, mas, dessa vez, aproveitamos que minha família estava em peso e decidimos ir para Pequim. Apesar de já estar há quase dois anos aqui, eu ainda não conhecia.

Icônica, emblemática e cheia de história, a capital chinesa – que é relativamente nova-, completou 70 anos em setembro e é, simplesmente, fantástica em cada detalhe, mas… prepare seus lindos pezinhos para andar, andar e andar. Como tudo na China, as distâncias são longas e tudo é enoooorme!

Tem criança pequena junto? Não pense duas vezes em levar aquele carrinho quebra-galho. Se para a gente é cansativo, imagina para os pequenos? Mas acredite: é tudo tão lindo que a recompensa final vale a pena.

Leia também: Passeios imperdíveis em Shanghai.

Para chegar:

De Shanghai, uma boa opção é pegar o trem bala. A viagem que liga as duas cidades (apenas com pouquíssimas paradas) leva em torno de 4h e 20 min e o custo da classe econômica (2ª classe, que na minha opinião foi excelente) foi de R$ 321,51. O trem sai da estação de Hongqiao. Dica: leve um lanchinho se você não é muito chegado à culinária asiática. Dentro do trem há apenas opções locais.

Obviamente, para quem não está por perto, a opção do trem cai por água abaixo. A boa notícia é que o preço dos voos dentro da Ásia não é salgado. Vem do Brasil? Já que não tem voo direto para a China, faça uma parada estratégica e, se possível, fique pelo menos duas noites no seu local de conexão. A diferença de horas é gigante e o fuso pega mesmo. O seu sono e humor vão agradecer esse pequeno pit stop!

Um aplicativo que utilizamos muito por aqui, tanto para passagens de trem/avião, quanto para hotéis é o trip.

Utilizamos também os serviços de um guia e foi simplesmente fundamental. Além de indicar os locais certos para não perdermos tempo nas filas das lotadíssimas atrações, ele já comprava todos os tickets e nos indicava os melhores restaurantes locais. Para quem não fala mandarim (como a gente) essa é a melhor, e arrisco dizer que, a única opção pra não ficar mais perdido que barata tonta por lá.

Dia 1 – Cidade proibida + templo do céu

Imagine uma cidade onde ninguém da população podia colocar os pés, a não ser a corte e seus súditos. Durante quase 500 anos e diversas dinastias, 24 imperadores chineses passaram por ali e governaram a tão famosa e luxuosa cidade proibida, hoje umas das atrações mais populares da China, concorrendo apenas com a muralha.

Localizada no coração de Pequim, o complexo chama a atenção do começo ao fim: seja pelo tamanho, pelo luxo, pelos incontáveis detalhes em sua construção e pela história.

É extremamente intrigante imaginar como os imperadores pensavam e tratavam seus súditos e suas mulheres. Havia locais específicos que só eles poderiam utilizar. Qualquer pessoa que ultrapassasse os limites impostos estava sujeita a duras e severas penalidades.

Não deixe de visitar o hall da suprema harmonia, onde se encontra o trono do dragão. Ali, reinaram os imperadores das dinastias Ming e Qing até as primeiras décadas do século passado.

O ideal é deixar um dia inteiro para conhecer a cidade, mas sabe como é. Com criança junto, nossos planos nem sempre saem como o esperado, né?

Quanto? Faixa de $60,00 yuan por ingresso.

Tem áudio guia em português para facilitar nossa vida logo na entrada (não está incluso no ingresso).

Cidade proibida: 500 anos de dinastia

 

Se o dia estiver mais tranquilo de programações, não deixe de conhecer o templo do céu (temple of heaven). Menor que a cidade proibida, mas nem por isso menos importante e formoso, é uma ótima opção para gastar boas duas horinhas por lá (isso, é claro, se as filas te ajudarem).

O complexo foi construído para que os imperadores chineses pudessem realizar cerimônias, preces e sacrifícios pedindo boa colheita aos céus e está rodeado por duas muralhas (interior e outra exterior) em formato retangular para simbolizar a terra e outra redonda representando o céu.

Desde 1998 o templo é reconhecido como patrimônio da humanidade pela UNESCO.

Quanto? $50,00 yuan baixa temporada/ $60,00 alta temporada.

Leia também: China e os tipos de visto 

O templo do céu é reconhecido como patrimônio da humanidade da UNESCO

Dia 2 – Muralha + Shaolin Kung fu Show

Eis que vem o ponto alto da viagem: a emblemática muralha da China. Muito mais impressionante do que bonita é um passeio incrível, mas que toma tempo: fica há aproximadamente duas horas do centro de Pequim e demora um bocado para se conseguir chegar até ela. Com grandes filas, o cable car é a opção mais viável e menos cansativa. Com mais de 21 mil quilômetros de comprimento é considerada uma das sete maravilhas do mundo moderno.

Não deixe de descer pelo inusitado tobogã. Com freios, dá para descer tranquilamente até com crianças pequenas no colo e a diversão tá garantida!

Dica: Caso vá no verão, opte pela manhã. Após o meio dia, fica insuportável andar no calor que faz por ali e centenas de pessoas disputam um espacinho nas poucas sombras existentes.

Quanto? O preço vai depender do trecho visitado

No finalzinho da tarde e, por indicação do nosso guia, fomos ao Shaolin Kongfu Show. Sabe quando você não espera muito e é totalmente surpreendido? O show mistura artes marciais e dança de uma maneira lúdica e extremamente emocionante. Imperdível!

Dia 3 – Palácio de Verão + Pato de Pequim

Mesmo passando um calor escaldante de quase 40 graus em pleno mês de agosto na China logo pela manhã, fiquei deslumbrada com a beleza do palácio de verão. Sem exageros, o local parece um sonho de tão lindo. É tudo impecável: palácios, pontes, lagos e jardins de tirar o fôlego.

Construído no século 18, foi o refúgio da corte imperial para fugir do calor da cidade proibida e passou por diversas fases, inclusive de depredação quando foi atacado por britânicos e franceses durante a Guerra do ópio.

Após se reerguer do duro ataque, ficou tradicionalmente conhecido como o jardim da preservação e harmonia e tem como pontos imperdíveis o lago kunming e a colina da longevidade.

Quanto? Faixa de $50,00 a $60,00 yuan.

Palácio de Verão ou Jardim da Preservação e Harmonia

E como ir a Pequim e não experimentar o tradicional Pato?

Até para o mais intolerante à culinária chinesa, essa é uma pedida certeira, acredite. A iguaria de pele tostada e adocicada vem acompanhada de molho de soja e crepes finíssimos chamados de panqueca mandarim. Também vem uma cebolinha a parte no melhor estilo “faça você mesmo”. Então, enrole o seu e… Seja feliz!

Quando ir?

A China é um país de extremos climáticos. Sempre aconselho os viajantes, se possível, virem entre os meses de abril/maio e começo de junho ou final de agosto/setembro e outubro, quando as temperaturas ainda estão amenas – tanto para o lado frio, quanto para o calor.

Related posts

Por que conhecer Abruzos?

Ana Patricia da Silva

Observatório de Carmen Alto em Arequipa

Jéssica Soares

Dicas de passeio em Sintra

Lyria Reis

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação