BrasileirasPeloMundo.com
Marrocos Turismo Pelo Mundo

Roteiro pelo Marrocos: como planejar a sua viagem

Marakech, roteiro pelo Marrocos - Foto: acervo pessoal

Roteiro pelo Marrocos: Marrakech antes do Saara

Os meus olhos têm andando muito, aprendido também, e os mais vividos hão de me entender que para olhos peregrinos: “Uau, nunca vi isso!” torna-se uma exclamação rara, até que você decide fazer um trekking no meio do Saara e não é que os olhos já rodados transbordam? De puro deslumbre pelo nunca antes visto. O texto de hoje conta a 1ª parte desta história.

O Marrocos

O Souk, na Medina, em Marrakech – Foto: acervo pessoal

Há 1 hora e 15 minutos de avião de Lisboa, Marrakech está ao lado. O meu marido já tinha se arriscado por lá algumas vezes e, vira e mexe, partilhava experiências entre o pitoresco e o aventuroso que alimentavam minha imaginação e cutucavam a curiosidade. A Páscoa logo chegaria e queríamos passar o feriado em um destino quente, longe dos centros urbanos. Com a proximidade da capital portuguesa, era isso mesmo: tinha chegado a vez do Marrocos.

Leia também: Tudo que você precisa saber para morar em Portugal 

 Roteiro Pelo Marrocos

Mercado de temperos, em Marrakech – Foto: acervo pessoal

O Marrocos pode ser facilmente visitado no conforto de uma 4×4, e não faltam roteiros com sugestões de cidades e vilarejos lindos, distantes quilômetros uns dos outros, o que nos deu a sensação de que as paradas seriam meras pausas e a viagem feita na passividade do banco de passageiros. Não era isso o que buscávamos. Queríamos experimentar mais, chegar o mais perto possível de uma realidade diferente da nossa. O mundo anda tão padronizado e as filas para entrar em monumentos, tão massacrantes e longas, que procurávamos algo único, capaz de cumprir a promessa das grandes viagens aos seus tripulantes: percam-se, encantem-se e achem a saída para sempre voltarem!  Como trilhas e longas caminhadas é um gosto compartilhado pelo casal, e ideia do trekking no meio do deserto veio em bom momento. Fomos ao seu encontro.

A Preparação

Farmácia em plena Medina, Marrakech – Foto: acervo pessoal

O nosso roteiro foi montado pela Moroccan Ventures e contamos com a experiência deles para planejar a mala, afinal, quando se pretende passar dias no meio do nada, você quer a certeza de que terá tudo que precisa, em tamanho e quantidade suficientes para caberem na mochila.

No deserto, há grande variação de temperatura. Os dias são escaldantes, mas as noites costumam ser frias, podendo nos meses do inverno chegar a 0º. Dormindo em barracas de acampamento, é importante levar o agasalho apropriado. No nosso caso, em abril, pegamos cerca de 30º durante o dia e uns 10º à noite.

Outra dica importante foi a de comprar no Souk da Medina, ainda em Marrakech, o longo lenço usado pelos africanos do norte, chamado tagelmust. Foi o item mais útil da viagem. Usamos diariamente durante a caminhada e rapidinho aprendemos a amarrá-lo em volta dos cabelos, deixando pano suficiente para um longo véu. O tagelmust protege a cabeça do sol e a sobra do pano pode ser enrolada no rosto, cobrindo nariz e boca durante as tempestades de vento. Foi assim, na prática e com areia nos olhos, andando contra o vendaval, que aprendemos que o véu é usado tanto por mulheres quanto por homens, possuindo finalidade mais funcional do que a religiosa.

Falando em religião, o Marrocos é um país muçulmano com certa abertura à cultura ocidental. Já visitei  outros  países muçulmanos e, enquanto mulher, achei fácil transitar entre os marroquinos. Notei que a maioria das turistas usavam o que queriam, fossem shorts, mini vestidos, ombros de fora. Como é proibida a visita às mesquitas a não muçulmanos, o lenço só é mesmo necessário na hora do deserto. De qualquer forma, minha opção foi a de deixar pouca pele à mostra.

Para complementar, levar kit de primeiros socorros e aqueles remedinhos para infecções intestinais. Não tivemos nada, mas há quem tenha. E ter a certeza de que está em boa forma, afinal, são 3 dias de caminhadas, 25 km por dia. Tudo pronto?, então prepare-se porque chegou a hora do deslumbre!

Leia também: Marrocos, por amor 

Marrakech

Pelas tuas da Medina, Marrakech – Foto: acervo pessoal

Marrakech nos acolheu por uma tarde seguida da sua manhã. A cidade vermelha contrastava com o pico nevado do Atlas. O céu era doído de tão azul e, pelos canteiros, rosas imensas, montes delas, de todas as cores e com bom perfume, disputavam espaço entre cactos gigantes. A Cidade era um jardim, não imaginava. Do aeroporto até a praça Jamaa Lafna, a principal da Medina, o trânsito, engraçado de tão caótico,  foi nos embalando por ruas cheias de comércios e das correrias da hora do almoço. Um senhor nos aguardava com um carrinho de mão, feito de madeira, para levar nossas malas até o Riad, enquanto o motorista era enxotado pelo funcionário do posto de gasolina, por ter estacionado a van bem na entrada. A partir dali, a passagem de carros é proibida e alguns hotéis mandam um funcionário ou carregador esperar pelos hóspedes para que estes não se percam entre o labirinto de pequenas ruas que cortam a Medina.

Na grande praça, cobras dançavam ao som de flautas e macacos andavam de coleira, vestindo a camisa do Messi, no Barcelona. Era colorido e bagunçado e cheirava a comida preparada na hora. No Riad, calmaria e chá de menta servido com docinhos marroquinos. O de mel e amêndoas ganhou a minha boca. Não tínhamos muito tempo em Marrakech e decidimos que o Souk nos bastaria. O restante que desejássemos visitar, ficaria para a volta do deserto. Foi uma decisão acertada, há muito para ver e cheirar e provar.

À primeira vista, deu vontade de embalar todas as cerâmicas, tapetes, lamparinas, cestas, especiarias e levar para casa. O árabe é o idioma oficial, mas o francês da maioria é fluente, sendo usado como tradução tanto em propagandas quanto em anúncios oficiais. Resquícios da antiga colônia. Vez ou outra, alguém descobria que era brasileira e me soltava um “obrigado!”, os brasileiros têm vindo mais, diziam.

Almoçamos bem o primeiro cuscuz da temporada, no terraço  montado na laje de um restaurante legal, do tipo que encontramos em qualquer capital do mundo. Marrakech tem das suas contemporaneidades, e muitas. Não serviam álcool, mas como todo restaurante que prese pelo seu charme, ouvia-se música brasileira. Várias delas. Na saída, fiz uma tatuagem de rena. A  tatuadora deu-me de presente o meu nome escrito em árabe, no pulso, depois de ter barganhado por quanto faria o desenho. Barganhar no mercado é obrigatório, adoram.

Tatuagem de rena, Marrakech – Foto: acervo pessoal

Com cerca de 1000 anos, o souk de Marrakech era usado como entreposto comercial pelas caravanas vindas do deserto a caminho do mar. É vivo e frequentado pelos marroquinos que lá compram roupas e utensílios de primeira necessidade, frequentam a feira de legumes, vão ao açougue. Não é só para turista ver e daí a sua  capacidade de ainda contar pra gente um pouquinho de como aquela outra gente vive.

Vez ou outra, o canto chamava para a oração. Ao pôr do sol, a grande praça encheu-se novamente, em sua maioria, de marroquinos vindos de outras cidades. Eram férias escolares de primavera e muitos aproveitavam para passear na capital. Jantamos tranquilos e nos recolhemos cedo. O dia seguinte nos levaria ao deserto. No próximo texto chegaremos a ele. Aguardem!

Related posts

Dez dicas de inverno em Clermont Ferrand

Marcella Delfraro

Dicas de turismo em Los Angeles pra quem ama cinema

Andrea Yagui

Os grafites gigantes de Glasgow

Narister Oliveira

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação