BrasileirasPeloMundo.com
Suíça

Situação dos animais de rua na Suíça

Revelações Surpreendentes sobre a situação dos animais de rua na Suíça

Uma das coisas que me animou quando fui morar na Suíça, foi a ideia de que pelo menos lá, eu nunca mais veria um cão ou gato abandonado nas ruas ou sofrendo maus tratos. Mas como eu já mencionei em alguns artigos anteriores, embora a Suíça tenha uma grande fama por ser uma referência em termos de direitos humanos, boa parte desses direitos ainda são endereçados de uma forma bem seletiva.

Com os direitos dos animais as coisas seguem da mesma maneira.

Eu estava absolutamente encantada com o tratamento dado aos animais, porque via os cãezinhos e gatos tão fofinhos passeando com suas touquinhas, casaquinhos e luvinhas pelos ônibus. Alguns sentadinhos nos bancos, pagantes como qualquer outro “cidadão” de Genebra. Foi um baque para mim quando descobri que a seletividade de direitos não se aplica apenas a seres humanos, mas também aos animais.

Eu sempre achei que a ausência de animais nas ruas de Genebra era fruto da preocupação com o bem estar animal. Algo inerente a criaturas de almas elevadas e de caráter e cultura avançados, no entanto a história não é bem assim.

A maioria dos suíços de um modo geral são extremamente cuidadosos e afetivos com seus animais.

Leia também: Como é ter um cachorro na Suíça

Eu nunca vi até hoje nenhum cão ou gato de rua pelas alamedas de Genebra. Imaginei que houvesse uma política pública de controle populacional exemplar, e comecei a pesquisar para ver de que forma eu poderia colaborar, compartilhando essas informações com amigos ativistas do Brasil. Foi então que eu descobri duas coisas surpreendentes!

A primeira é que uma boa parcela da população suíça come carne de cachorro.

Sim! Foi isso mesmo que você leu!

O povo suíço, baluarte dos direitos humanos, da cidadania e da “civilidade” (ô palavrinha descabida!), pode ter atitudes extremamente cruéis com alguns animais.

Para além do especismo, combatido de forma ferrenha por ativistas veganos, o tratamento dado a animais bem nascidos e bem criados em lares protetores e amorosos, confronta-se de forma acirrada com a situação dos gatos selvagens e de rua, e de alguns cães sem raça definida ou de uma raça semelhante ao Rottweiler, que parece ser a mais apreciada para consumo pelos suíços dos alpes.

Preciso dizer que primeiro de tudo, não acho que a maioria de nós tenha o direito de julgar ou condenar quem consome carne de cachorro, com exceção apenas dos veganos, verdadeiros heróis do século 21, por sua incessante luta pelos direitos dos animais. Eles que não consomem nenhum produto de origem animal, têm todo o direito do mundo de se enojarem com a prática. Já nós, enquanto não abrirmos mão da feijoada do sábado e da picanha de domingo (e do chocolate suíço que rouba milhares de litros de leite de seus verdadeiros donos, os bezerrinhos), podemos sim ficar chocados, mas não de todo indignados.

De qualquer modo, minha maior reflexão aqui, diz respeito ao quanto somos preconceituosos. Criticamos e consideramos bárbaros os chineses e vietnamitas por comerem cães, mas nunca ouvimos um único pio da imprensa ocidental mencionando que essa prática também é difundida em ao menos um país da requintada Europa.

Importante ressaltar que essa prática não vem acompanhada de discussão ética sobre formas de abate, e muitas vezes, meios tão cruéis quanto os asiáticos, são empregados para matar o pobre animal (saiba mais em publicação próxima).

A segunda coisa que me chamou muito a atenção quanto à situação dos animais de rua na Suíça, é que a política de controle, nada tem a ver com esterilização ou controle de natalidade, como recomendam as organizações de proteção animal em todo o mundo. O controle populacional de gatos na Suíça é feito de uma forma cruel e inimaginável. A caça!

Caçar gatos selvagens e de rua na Suíça não apenas é uma iniciativa legal como também incentivada pelo governo.

Em junho de 2013, houve um plebiscito para decidir se essa prática seria banida do país. No entanto para surpresa de muitos, os legisladores suíços votaram contra a proibição da prática. Por conta disso, a caça a gatos selvagens e de rua permanece legal.

Foto: Pixabay

A votação dos deputados na câmara baixa do parlamento rejeitou a moção para proibição da caça aos gatos por uma votação de 105 a 59. A ministra do Meio Ambiente na ocasião (Doris Leuthard) argumentou que a esterilização seria muito cara e trabalhosa. O argumento dos defensores da caça é de que os gatos selvagens seriam um perigo para a vida silvestre.

Cientistas do Escritório Federal do Meio Ambiente corroboram essa tese. Segundo o órgão, há cerca de 1,5 milhão de gatos na Suíça, cada um mataria cerca de 15 aves por ano, ou seja, 15 milhões de aves. Algumas espécies de lagarto teriam desaparecido da frauna silvestre pelo mesmo motivo. Teriam sido eliminadas por gatos.

Sob esse ponto de vista, o controle da natalidade faz muito sentido, mas com certeza a esterilização é uma forma muito mais humana de resolver o problema do que o abate, até porque, parte desses animais é domesticado e não deveria entrar na conta. Para minha surpresa, descobri que existem entre 100 mil e 300 mil gatos selvagens e de rua na Suíça. Muitos deles passam fome, frio e maus tratos e sofrem mortes dolorosas e evitáveis.

Protetores de animais lutam há anos pelo fim da caça autorizada. Para eles, ela não é perigosa apenas para os gatos, mas para toda a população, já que há o risco de ferimentos por balas perdidas. Além disso, reiteram que esta é uma prática cruel, ineficiente e incompatível com tempos modernos e segundo afirmam a situação ocultaria um problema mais profundo: o mercado paralelo de peles de gato.

(continua na próxima publicação.)

Related posts

Comportamento na Suíça: praxe e inconveniência – Parte 2

Mel Barbieri

Reciclagem do lixo na Suíça

Christiane Lima

Procurando Emprego na Suíça – Dez Aspectos Importantes Parte 2

Ana Cristina Kolb

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação