BrasileirasPeloMundo.com
Páscoa Pelo Mundo Romênia

Tradição e arte dos ovos de Páscoa na Romênia

Tradição e arte dos ovos de Páscoa na Romênia.

Nem todo mundo sabe, mas a Páscoa das Igrejas Cristãs Ortodoxas é comemorada em dia diferente ao das Igrejas Cristãs Ocidentais. Esse desencontro se dá em razão do calendário observado. Enquanto a Igreja Católica e demais igrejas desse lado do mundo seguem o Gregoriano, os Ortodoxos se guiam pelo Juliano.

Em relação à divergência das datas, explico, com mais detalhes, no texto sobre o Natal na Romênia e também ao contar a respeito da minha primeira Páscoa Ortodoxa.

Feito esse esclarecimento, vamos ao que interessa, no caso, os ovos de Páscoa pintados à mão. Pequenas obras de arte artesanalmente preparadas, os ovos são oferecidos como presentes, carregando o simbolismo Cristão da Ressurreição que tão bem se integra à ideia da renovação de vida trazida pela esperada primavera dos países verdadeiramente frios. E o que melhor do que um ovo para representar essas concepções do renascer?

Nessa época do ano, eles estão por toda a parte e são tão bonitos e delicados que decidi saber como eram feitos. Hoje, conto o que aprendi no “Atelier de confecção de ovos de Páscoa romenos”, oferecido pelo Muzeul Național al Ţăranului Român, o Museu Nacional do Camponês Romeno, sob as ordens da Doamna (senhora) Ileana Hotopilă, uma das artesãs mais versadas em sua arte em todo o país.

Doamna Ileana

A Sr. Ileana tem 56 anos e começou a pintar os ovos aos 10, ensinada por uma tia que, por sua vez, aprendeu com a mãe e assim por diante, numa tradição secular passada de geração em geração e já retransmitida a alguns dos 14 filhos da nossa mestra.

Chegando ao atelier, sentei-me à mesa montada para a oficina, juntamente com as minhas “colegas de classe” e fomos a ela apresentada. Com voz calma e pausada, foi nos explicando como utilizar o material requerido durante a pintura, levando-nos, em seguida, a uma outra mesa, onde estavam expostos vários dos ovos pintados por ela. Lindos! A ideia era pegar um modelo pra usar de inspiração na hora de cada uma criar o seu padrão.

Leia também: China – A celebração da Páscoa

Sobre os padrões

Antes de começarmos, deu-nos algumas pistas sobre os desenhos. Não, tal como os da blusa romena, eles também não são aleatórios. Os padrões e as tonalidades estão intrinsecamente ligados à região de onde vêm e suas tradições rurais, mas, no geral, as linhas têm significados próprios, por exemplo: as verticais simbolizam vida e as horizontais, morte; linhas em espiral significam eternidade, enquanto as curvas, purificação.

Quanto às cores, geralmente combinadas em grupos de três, podem ser interpretadas dessa forma: o vermelhos traduz a ideia do amor e da luz solar; o preto, da eternidade; o amarelo, da juventude; o verde, da natureza; e o azul, da saúde e do céu.

Para os nossos ovos, usamos vermelho e amarelo. Vamos a eles!

Como se faz

Os ovos brancos ja estavam prontos para uso. Antes, faz-se um pequeno furo em um dos seus vértices permitindo que gema e clara escorram. Depois, lava-se o ovo, deixando-o secar. Terminado o preparo, poderá ser decorado.

Bom, escolhido o ovo “inspiração” (meta impossível para uma iniciante, diga-se de passagem!), e de posse do meu ovo “em branco”, pus-me ao trabalho, delineando, tortamente (não que eu quisesse, mas foi saindo de acordo com a minha – falta de – habilidade), as linhas em preto do padrão. Para tanto, usamos uma espátula de madeira com uma pontinha de metal que funciona como lápis de desenho.

Foto: acerco pessoal

Para criar o desenho, o traço é marcado com cêra preta, diluída em uma latinha de alumínio acomodada sobre uma pequena chama. Você pega a sua espátula, molha a tal pontinha no líquido preto e vai fazendo o contorno, ou o que conseguir dele!

Quer um conselho? Use a sua inventividade e não se decepcione se, no meio do caminho, desistir de copiar o ovo “inspiração” e resolver seguir um estilo mais livre e seu. Não ficará exatamente belo, como os da Doamna Ileana, mas ninguém poderá negar a sua originalidade, se serve de consolo.

Vai borrar? Ah, vai! E, nesse caso, o que faz? O segredo é deixar a cêra preta secar. Uma vez seca, basta raspar com uma espécie de estilete. Mas raspa com cuidado, para não quebrar o ovo, durante o nosso atelier, aconteceram alguns ovos quebrados…

Delineada a sua obra de arte, chega a hora de pintá-la. Você repassa o seu ovo para a professora que vai mergulhá-lo em uma outra latinha com corante vermelho. Findo o processo, o ovo volta para as suas mãos todo vermelhinho. E agora? Agora você cobre de cêra preta as partes do ovo que deseja manter vermelhas e acrescenta novas linhas, se assim desejar. Feito isso, o ovo volta para D. Ileana que vai mergulhá-lo na latinha com corante amarelo. E assim por diante, ate banhá-lo todo em cêra, e limpá-lo com a ajuda de uma pequena flanela auxiliada pelo calor de uma chama: o fogo derrete a cêra e o paninho limpa os resíduos, revelando, ao final, uma estampa bonita! Se for o seu primeiro, sinto lhe informar, mas, muito provavelmente, ela será bonita apenas em intenção!

Resumo da experiência

É um trabalho extremamente delicado que pede precisão no manuseio e muita, mas muita habilidade, na hora de fazer a pintura. Sim, é extremamente difícil e não tenho a menor ideia de como elas conseguem criar padrões minúsculos e detalhados.

Definitivamente, é um dom e, como todos os dons são divinos, vida longa às artesãs para que continuem a produzir essas pequenas belezas!

Para saber mais:

Na Romênia, em Bucovina, existe um museu em homenagem à arte de pintar ovos, o Muzeul International al Oualor “Lucia Condrea”.

E no Brasileiras pelo Mundo, tem o artigo da Bruna Roland contando sobre a Páscoa na Romênia.

Related posts

Os parques de Bucareste

Juliana Gehring

Sistema de saúde na Romênia

Cristina Hélcias

Tradições da Páscoa na Polônia

Gizelli Gliwic

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação