BrasileirasPeloMundo.com
Comemorações Pelo Mundo Dinamarca

Tradições de ano novo na Dinamarca

Você já sabe o que acontece no Natal daqui, pois nos anos anteriores eu falei sobre ele em pelo menos 3 anos – se não leu, aproveite para ler aqui, aqui e aqui.

Apesar de o Natal ser a grande festa dinamarquesa, o Ano Novo também é bastante comemorado no país e sendo os dinamarqueses um povo que ama suas tradições, há tradições bem específicas e quase que sagradas nessa comemoração.

Vamos conhecer as tradições do Ano Novo dinamarquês?

Chapéus, vestimenta e decoração

Aqui, como no resto do mundo, Natal é com a família e Ano Novo, com quem a gente quiser. As festas de Ano Novo costumam ter um ar mais glamuroso e se espera que todos venham vestidos a rigor para a ocasião. Parte da indumentária são os acessórios que, embora igualmente populares em outros países, dão um ar carnavalesco ao ritual da passagem de ano. É comum e esperado que todos usem chapéus brilhantes, coloridos e decorados e acessórios como óculos engraçados e coloridos, boás, plumas e paetês… A mesa, tão festiva quanto os convivas, deve obrigatoriamente conter confete, serpentina e knallerts – as famosas “crackers”, populares no Natal da Grã-Bretanha e Irlanda – em cores como prata, preto ou nuances metálicas. Brilho é fundamental no Ano Novo. Trata-se de uma boa ocasião para sacar do armário os melhores copos de cristal e aquele conjunto Georg Jensen ou Royal Copenhagen mais especial para a mesa e que você usa de vez em nunca!

Aniversário de 90 anos: same procedure as last year

Essa esquete inglesa, chamada originalmente de Dinner for One (Jantar para Um), datada de 1963 e por aqui chamada de 90 års fødseslsdag (aniversário de 90 anos), é reproduzida sacralmente todos os anos na tevê dinamarquesa; junto com o discurso de Ano Novo da rainha, é o programa mais visto e mais aguardado do Ano Novo. Os dinamarqueses estão tão habituados a assisti-la que a não exibição do programa num determinado ano gerou comoção no país. A esquete discorre sobre a festa de aniversário de uma viúva que, ao completar 90 anos, já não tendo mais os amigos de outrora, pois eles faleceram, decide fazer uma festa de aniversário onde, imaginariamente, todos estão presentes. A graça da peça se dá com o mordomo que, tendo que servir os convidados imaginários, acaba tomando o vinho colocado nos copos deles e apronta mil confusões ao se embriagar desta forma. O mote da comédia é a frase “same procedure as last year” (igual ao ano passado), repetida pelo mordomo diversas vezes enquanto serve os convidados fictícios e que virou um sinônimo para esses programas repetidos de fim de ano que os dinamarqueses tanto amam. Em outros países – Suíça, Áustria, Finlândia, Noruega, Suécia, ilhas Faroé, África do Sul, Estônia, Austrália, Alemanha e Luxemburgo – a peça também é cult todo fim de ano, same procedure as last year.

Discurso da RainhaGud bevare Danmark

A rainha Margrethe é uma figura extremamente popular na Dinamarca. Isso acontece porque, mesmo sendo a rainha, ela ousa ser autêntica: fuma compulsoriamente e em público, repete roupas em eventos públicos, sempre diz o que pensa e tem um ótimo jogo de cintura para perguntas e situações indelicadas. Sua autenticidade e atitude descolada são vistas – e comentadas – todos os anos por milhares de pessoas na Dinamarca no discurso de fim de ano, que se repete religiosamente todos os anos desde 1972. Nele a rainha se dirige a seus súditos comentando os acontecimentos do ano e dando sua opinião pessoal sobre vários deles. Durante a fala ela improvisa, pega suas anotações, lê alguns trechos e descarta outros, tudo sem cortes e sem edição na frente das câmeras. O discurso é sempre encerrado com a frase acima, que significa “Deus proteja a Dinamarca”.

Se você fala ou entende dinamarquês, vale a pena assistir.

Kransekage e champanhe

Maçapão ou marzipan está para o fim de ano na Dinamarca como caipirinha está para o Brasil e nenhum doce é mais típico e esperado que um biscoito de maçapão para comemorar o Ano Novo: o kransekage, feito tradicionalmente de anéis de maçapão assados e cobertos com glacê. Para a harmonização perfeita, nada melhor e mais apropriado para a festa do que champanhe. Se o orçamento estiver apertado para uma garrafa – por aqui elas custam entre 150 a 400 coroas, ou mais, dependendo da marca e tipo de champanhe – você pode optar por brindar com outro espumante. O importante é ter borbulhas para a hora do kransekage. Detalhe importante: apesar de ser uma tradição típica, as pessoas comem apenas um pedacinho – o importante é ter kransekage no Ano Novo todos os anos.

Fogos de artifício

Eis um fato curioso: existe uma lei na Dinamarca que proíbe o uso de fogos de artifício durante os demais dias do ano, sendo permitida sua comercialização e uso somente no período entre 27 de dezembro e 1 de janeiro; por isso, o pessoal compra muito foguete, estrelinha e afins nessa época do ano. Eles extravazam de verdade nos fogos de artifício e todos, sejam adultos ou crianças, se divertem com eles.

Brincadeiras (de mau gosto)

No Ano Novo rola meio que um clima de “vale tudo”. Nesse espírito, as almas sem coração saem por aí zoando a vida alheia, explodindo caixas de correio, pichando com spray de barbear a janela da casa do vizinho, entre outras coisas nada simpáticas. Ninguém vê com maus olhos, apesar do transtorno.

Bacalhau de ano novo

Curiosamente, nessa terra onde se pode chegar ao mar a 52 km partindo de qualquer ponto do território nacional, o consumo de peixes é reduzido durante o ano, porém basta chegar o Natal e Ano Novo que todos os bacalhaus, camarões e arenques do mundo dão suas caras nas mesas típicas. Pratos bem típicos do Ano Novo são o rejercocktail (coquetel de camarão), a salada de atum ao caril (curry), ovas de truta e postas de bacalhau, só que com um detalhe bem importante: o bacalhau vendido por aqui é fresco e, no Ano Novo, é cozido e servido sem tempero algum.

Pulando para o ano que se inicia

Esse é um costume perigoso. Pouco antes da meia-noite as pessoas devem subir numa cadeira ou em algum lugar mais alto e à meia-noite devem literalmente pular para o chão, simbolizando a entrada no novo ano. Recomenda-se usar a perna direita e manter o equilíbrio!

Leia mais sobre as tradições aqui e aqui (em dinamarquês).

Boas festas e nos vemos em 2017!

Related posts

Tem pobre na Dinamarca?

Cristiane Leme

O Som de Copenhague

Camila Vicenci Witt

Design dinamarquês

Camila Vicenci Witt

2 comentários

Bárbara Dezembro 22, 2016 at 11:20 pm

Muito legal! Sempre bom aprender sobre essa nova terrinha que eu estou morando! ????

Resposta
Cristiane Leme Dezembro 26, 2016 at 6:03 pm

Obrigada pelo comentário e continue nos acompanhando!

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação