BrasileirasPeloMundo.com
Grécia Turismo Pelo Mundo

Uma ilha chamada Santorini

Uma ilha chamada Santorini

Quando se cogita conhecer um destino como a Grécia, imagino que a maioria das pessoas associa automaticamente o país à palavra ilha. Não à toa, segundo a Wikipedia o país conta com mais de 6.000 ilhas sendo que menos de 5% delas ou para ser mais exata, 227 delas são habitadas. Depois de tomar conhecimento a respeito deste último número, fiquei pensando que ainda assim daria para viajar por quase 1 ano visitando 1 ilha diferente por dia, imagine que legal seria!

Até o momento de começar a organizar minha viagem para Santorini, imaginava que as ilhas ficavam próximas umas das outras e que poderia conhecer várias delas facilmente, mas logo percebi que não era bem assim, pois as distâncias entre as ilhas mais visitadas são consideráveis. Descobri que se estivesse em uma das ilhas mais procuradas pelos turistas, como por exemplo, Santorini, Mykonos ou Rhodes e quisesse me deslocar para alguma outra, ou teria que ir de navio ou de avião. Se fosse de avião, precisaria voltar para Atenas para pegar outro voo para uma outra ilha, o que aumentaria o custo da viagem e demandaria um tempo maior que infelizmente não tinha.

A partir destas informações, fui percebendo que seria melhor escolher a ilha que gostaria de conhecer para focar no meu planejamento. A escolha foi difícil, porque as imagens guardadas em minha memória de algumas ilhas gregas, para mim, eram quase que obras de arte esculpidas pela natureza, por isso, o impasse. Depois de muito pensar e pesquisar, Santorini foi escolhida.

Santorini é linda, recebe muitos turistas, tem paisagens paradisíacas, porém, o que me levou a escolhe-la além dos pontos mencionados e suas igrejas com cúpulas azuis, foi saber que esta ilha foi formada depois de uma erupção vulcânica, achei interessantíssimo.

Santorini - igreja com cúpula azul ao fundo. Foto: arquivo pessoal
Santorini: Igreja com cúpula azul ao fundo. Foto: arquivo pessoal

Parti de Atenas com destino a Santorini em um voo de apenas 30 minutos. Pelo fato da viagem ser curta, o avião nem eleva tanta altitude, por esse motivo, a sensação que tive foi a de que o mar estava muito próximo da janela do avião, nunca tinha observado algo do tipo. A vista da pequena janela do avião era linda, o dia estava bem claro possibilitando enxergar perfeitamente do alto, várias ilhas gregas rodeadas pelo mar Egeu, o suficiente para eu ter certeza de que não tem como não ser feliz em algum daqueles lugares.

Fira é a principal cidade da ilha e fica no alto de um penhasco com vista para o mar. Suas ruas estreitas, de paralelepípedo eram muito charmosas e para qualquer lado que se olhava, podia-se apreciar uma vista que sinceramente não tenho como descrever.

Santorini: Foto da cidade de Fira. Foto arquivo pessoal
Santorini: Foto da cidade de Fira. Foto arquivo pessoal

Visitei Santorini no mês de maio, o clima estava muito agradável e a cidade não estava lotada de turistas, para mim, a melhor época para se visitar qualquer lugar do hemisfério norte, pois o clima ameno e com menos pessoas, na minha opinião, se torna mais proveitoso. Estive na ilha por 3 dias e notei que diariamente alguns navios atracavam por lá na parte da manhã e partiam somente a noite assim, muitos passageiros destes navios aproveitavam o dia para fazer compras, apreciar a paisagem e tirar centenas de fotos maravilhosas. Mesmo que para eles possa ter sido rápida a parada na ilha, garanto que só pela paisagem, valia a pena.

Fiquei hospedada em um pequeno hotel localizado em uma vila chamada Firostefani, uma graça de lugar, cheia de hotéis e restaurantes de todos os níveis. A simpática proprietária do hotel, fez a gentileza de pedir para um motorista nos buscar no pequeno aeroporto da cidade. Isso pode até parecer algo simples ou bastante comum para alguns, mas fiquei impressionada com a qualidade de atendimento que recebemos desde a chegada até a partida, eles realmente não sabiam o que fazer para agradar, foram o tempo todo muito gentis.

Após chegar ao hotel, deixei minhas coisas e logo começamos a caminhada para conhecer a cidade, beber algo e curtir a paisagem. Logo no primeiro dia, fui a um lugar que ninguém pode deixar de conhecer estando por lá: apreciar o pôr do sol em Oia (leia-se Ía), um vilarejo vizinho a Firostefani.

Fui de Firostefani até Oia de ônibus que ia enchendo de turistas ao longo do caminho ansiosos para apreciar a chegada da noite. A viagem pelas estradas tortuosas de um vilarejo a outro levou aproximadamente 20 minutos e também tinha uma vista inacreditável.

Oia é menor que Firostefani, mas deu para perceber que o comercio local parece faturar muito do final do dia para a noite, exatamente quando os turistas chegam para lotar restaurantes, comprar souvenirs e aguardar o tão esperado pôr do sol. Imagino que pôr do sol deve ser bonito de se ver em qualquer lugar do mundo, mas esse do vídeo abaixo certamente não me esquecerei.

Outro passeio que gostei muito de fazer foi visitar a cratera do vulcão que pode ser avistado da cidade, algo que jamais imaginava conhecer algum dia. A cratera segue monitorada e quando estive lá, deu para sentir que o lugar era um pouco mais quente, até enxerguei fumaça em algumas áreas. Ao andar pela cratera, tive a impressão que pisava em pedrinhas que me lembravam asfalto quando começa a se soltar. Um passeio diferente, interessante que me deu a chance de avistar Santorini por outro ponto de vista.

Santorini: Cratera do vulcão. Foto: arquivo pessoal
Santorini: Cratera do vulcão. Foto: arquivo pessoal

Em meu último dia, fui para uma praia chamada Perrissa que fica a uns 30 minutos de ônibus de Firostefani. A praia bonita, era bem diferente do que nós brasileiros estamos acostumados, ou seja, ao invés de areia tinha muitas pedrinhas. Se pensarmos que a ilha foi formada por um vulcão, até faz sentido.

Santorini é um destino maravilhoso. Se você tiver este destino na sua lista de desejos, posso garantir que você não irá se arrepender!

Related posts

Um tour pelas estações de metrô de Moscou

Renata Rossi

Porque tudo é belga – Dinant

Marcela Vitarelli

Tradições alpinas na Suíça: Alpfahrt e Alpabfahrt

Mel Barbieri

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação