BrasileirasPeloMundo.com
Itália

Vulcões ativos na Itália

Nem todo mundo sabe, mas tem vulcões ativos na Itália. Para você ter uma ideia, só o arquipélago das Eólias (situado ao norte da Sicília) é composto por sete pequenas ilhas vulcânicas. Mas os principais por serem ativos são três. Neste texto, contarei um pouquinho mais sobre essa fascinante curiosidade da Itália.

A Itália possui um grande número de vulcões.  Estão ao sul os três dos mais famosos, míticos e  mortais do mundo: Vesúvio, Etna e Stromboli.

O Vesúvio está localizado no golfo de Nápoles, a nove quilômetros da cidade homônima e do litoral; o Etna fica na ilha da Sicília, entre as cidades de Messina e Catania; e Stromboli é uma das pequenas ilhas vulcânicas que junto com Lipari, Vulcano, Alicudi, Filicudi, Salina e Panarea compõem o arquipélago das Eólias.

Vulcão Vulcano. Crédito imagem: FA.Serra Licença: Creative Commons Atribuição-Não Comercial.
Vulcão Vulcano. Crédito imagem: FA.Serra Licença: Creative Commons Atribuição-Não Comercial.

Vesúvio

O Vesúvio, com uma altitude máxima de 1.281 metros, é o único vulcão ativo que está localizado na parte continental do país e é o único vulcão na Europa continental a ter entrado em erupção nos últimos cem anos. Ele entrou em atividade diversas vezes, sendo considerado atualmente um dos mais perigosos do mundo, em razão de sua tendência a erupções explosivas e por conta do grande número de habitantes em suas proximidades; esta é a região vulcânica mais populosa do mundo. Alguns especialistas o classificam como um vulcão misto, pois mesmo sendo explosivo, leva-se em conta que, ao longo do seu período de atividade, ocorreram erupções alternadas. Este fato aumenta ainda mais os perigos caso venha ocorrer algum tipo de explosão no futuro, pois supõe-se que, quanto mais tempo ele permanecer adormecido, pior será a erupção.

O histórico do Vesúvio nos mostra que esse perigo é realmente grande. A erupção ocorrida em 79 d. C. resultou na destruição das cidades romanas de Pompeia e Herculano, colocando o vulcão na história mundial como personagem de um dos casos mais emblemáticos de destruição e morte causados por uma erupção vulcânica.

As cidades de Pompeia e Herculano jamais foram reconstruídas e suas localizações ficaram completamente esquecidas até o século 18, quando um único homem, de modo acidental, em meio a uma escavação despretensiosa, começou a achar pedaços de telhas e restos de utensílios dos habitantes de Pompeia. Essas escavações acabaram por revelar ruas, paredes de edifícios, casas destruídas onde ainda havia resíduos de pessoas inteiras (cascas de pele petrificadas) e até pinturas completas. Dizem que foi uma das maiores descobertas arqueológicas do mundo. Hoje, as “faces desfiguradas das vítimas, cujos corpos foram reproduzidos em gesso a partir dos originais, dão a vívida ideia dos últimos momentos da destruição causada por gases, cinzas e calor emitidos pelo poderoso vulcão”.

Etna

Vulcão Etna. Crédito imagem: FA.Serra Licença: Creative Commons Atribuição-Não Comercial.
Vulcão Etna. Crédito imagem: FA.Serra Licença: Creative Commons Atribuição-Não Comercial.

O Etna é o mais alto vulcão da Europa e um dos mais altos do mundo, superando em quase três vezes o tamanho do Vesúvio. É também a mais alta montanha da Itália ao sul dos Alpes. É considerado um vulcão ativo (o mais ativo da Europa), já que está em constante erupção. Normalmente suas erupções não oferecem grande risco à população que vive nas localidades próximas, mas, ocasionalmente, elas podem ser bastante destrutivas. Cinzas de algumas das suas erupções altamente explosivas foram encontradas em lugares longínquos como Roma, que fica a 800 km ao norte do Etna.

Devido a essas recentes atividades vulcânicas e ao fato de estar numa região densamente povoada, o Etna foi designado como um dos 16 Vulcões da Década pelas Nações Unidas.

Igualmente pelo seu histórico de frequentes e destrutivas erupções, a montanha do Etna se tornou um tema recorrente na mitologia clássica, onde se traçou paralelos entre o vulcão e vários deuses e gigantes das lendas do mundo romano e grego. Outro fato interessante é que os solos vulcânicos propiciam bons campos para a agricultura, com vinhedos e hortas espalhados nas superfícies da montanha e em toda planície da Catania.

Enfim, pela sua localização icônica, por ser a maior montanha localizada em uma ilha e o vulcão mais ativo do mundo, bem como aos variados ecossistemas em seus arredores, o vulcão Etna é considerado Patrimônio Mundial da UNESCO.

Stromboli

Como comentei, Stromboli é uma das ilhas Eólicas que ficam no mar Tirreno. Esta ilha tem quase toda a sua área ocupada pela impressionante magnitude da formação geológica e borbulhante do vulcão homônimo. A sua população não ultrapassa quinhentas almas, mas no verão, com os visitantes, se chega até a quatro mil habitantes.

Há treze mil anos este vulcão está em constante atividade – motivo pelo qual a ilha é conhecida como o ‘Farol do Mediterrâneo’.  A atividade cotidiana do Stromboli consiste em explosões de média energia que duram de poucos segundos a dez, vinte minutos. A atividade normal pode ser periodicamente interrompida por breves e violentas explosões, chamadas “explosões maiores”. As erupções mais violentas foram registradas em 1919 e 1930; em ambas ocorreu grande emissão de vapor e materiais vulcânicos acompanhados de violentos terremotos. Na primeira – e até agora única vez na história do vulcão – as lavas escorreram também fora da “Sciara del Fuoco”, chegando a atingir o centro habitado, causando grandes danos e muitas vítimas, originando, além disso, um pequeno tsunami que gerou ondas de dois e três metros que chegaram até Capo Vaticano, na Calábria.

Períodos de total inatividade, sem lances de lavas e escórias, são muito raros. O período mais longo já registrado foi de dois anos, de 1908 a 1910. Todavia, alguns períodos prolongados de inatividade que duram alguns poucos meses foram notados inúmeras vezes.

O interessante é que, por conta da formação do vulcão, existe uma ‘rampa’ chamada “Sciara del Fuoco” que força o escorrimento das lavas e das escórias expelidas pela cratera em direção ao mar, assim, ele não representa um perigo para a população da ilha.

Sciara del Fuoco do vulcão Stromboli. Crédito imagem: FA.Serra Licença: Creative Commons Atribuição-Não Comercial.
Placa indicativa da Sciara del Fuoco do vulcão Stromboli. Crédito imagem: FA.Serra Licença: Creative Commons Atribuição-Não Comercial.

Turismo no vulcão

Uma dica legal é que nestes três vulcões é possível fazer passeios turísticos. Como não se fascinar por uma montanha cuspindo fogo? Acho que essa é uma das manifestações da natureza que mais nos proporciona experiências inesquecíveis. Ao menos foi assim quando conheci de perto o Stromboli, um dos vulcões mais ativos da Itália. E também quando eu andei pelo Parco dell’Etna, onde pela primeira vez subi o monte de um vulcão. Parecia como caminhar sobre terrenos de Ovomaltine. Caso tenha se interessado e queria saber mais, aqui eu conto um pouco de como foi a minha viagem para o Etna, Stromboli e Vulcano.

Alla prossima!

***

Citações, fontes e fontes de inspiração:

Vesúvio | Geografia da Itália | Etna | Vulcões da Itália | Vesúvio: o maior vulcão ativo da Itália | Stromboli | Isola di Stromboli | Isola di Stromboli

Related posts

Obrigações na Itália que não temos no Brasil

Thaís Baldini

Dicas para estudar na Itália

Farah Serra

Quais são os principais documentos italianos?

Farah Serra

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação