Argentina – As 10 coisas mais difíceis de se adaptar na Argentina

10
2036
Advertisement

1. Futebol definindo o humor

Morar na Argentina é se acostumar a ver, ouvir e saber de todos os resultados dos jogos e campeonatos de futebol do mundo. E se estiver jogando a seleção Argentina ou o time do coração, devemos nos preparar para o dia seguinte de acordo com o resultado do jogo, pois se uma coisa aprendemos rápido neste país é que os argentinos são péssimos perdedores.

Eles passam o dia inteiro de mau humor quando o time deles perde – e se for a seleção Argentina, ainda teremos que aguentar os comentários lançados para as diferentes nacionalidades. É tanto, que você diz: “Bom dia!” e a pessoa te responde: “Não está bom, você está dizendo isso por causa do jogo de ontem…” ou “Está bom pra você porque o seu time ganhou” e por aí vai. O jeito é contornar e levar da forma mais leve possível.

  1. Pessimismo sempre na ordem do dia

Deveria ter colocado esse item como primeiro. Não conheço uma pessoa que depois de um bom tempo morando aqui não reclame dessa característica portenha. No inverno, o que mais se escuta é que odeiam o frio e que querem calor, verão. E quando essa estação chega escuta-se reclamações porque é verão. Quando chove, a resposta mais comum depois de um “tudo bem?” é “O dia está feio, não para de chover”. Quando o sol está forte: “Faz muito calor! Está terrível!” e isso será o dia inteiro. E é sempre assim com o clima, com a política, etc. É preciso driblar com muito otimismo mesmo, afinal, depois de ouvir a mesma sentença mais de dez vezes num único dia, fica difícil não se deixar impregnar.

  1. Motoristas de ônibus que não estão nem aí

Acredito que motoristas de ônibus mundo afora recebam reclamações, porém muitos de Buenos Aires têm o péssimo costume de demorarem a sair dos pontos finais e, depois de muito esperar nos pontos simplesmente passam dois, três, quatro…até seis ônibus seguidos! Isso acontece todos os dias, a qualquer hora.

Um outro comportamento, também muito típico deles, é que muitas vezes eles param no ponto e não abrem a porta, muitas vezes o ônibus nem está cheio, a gente bate na porta, pede para abrir e eles fingem que não estão vendo. Já vi pessoas, inclusive idosas, passar pela frente do ônibus e bater diretamente na janela do motorista, ele virar a cara mesmo assim e arrancar.

  1. Discriminação com os países vizinhos

Já ouvi alguns amigos dizerem que os argentinos não gostam das palavras que terminam com – anos: colombianos, peruanos, bolivianos, chilenos. E podemos acrescentar os paraguaios, uruguaios e ingleses nesta lista também. São rixas por causa de guerras, de futebol, questão territorial, etc. Os motivos são diversos e com raízes profundas, mas basta algum acontecimento ou jogo de futebol para virem à tona e às vezes, de forma bastante agressiva.

  1. Estações de metrôs sujas
Estação Florida do metrô. Março/2017. A estação esteve molhada por uma semana. Foto by Ina de Oliveira.

É inegável que a maioria dos metrôs de Buenos Aires são antigos, mas muitas estações e locomotivas foram modernizadas nos últimos dois anos, porém, mesmo assim, ainda temos algumas estações que são muito sujas. Basta entrar em várias da Linha B e de outras também para vermos escadas e pisos encardidos, cheias de infiltrações e quando chove, algumas plataformas ficam completamente molhadas por causa dos vazamentos. Muitas vezes me perguntei se não existe pessoal de limpeza nos metrôs ou se não bastava jogar uma boa água sanitária para melhorar um pouco.

  1. Calefação ao máximo

No inverno, faz realmente frio. Algumas semanas mais que outras e é muito bom morar num lugar que está preparado para isso. É bom entrar nas lojas, nos bares, nas casas e ter aquele aquecimento para nos deixar quentinhos, no entanto, é complicado quando entramos nos vagões de metrô e a calefação está ao máximo! Já estamos com roupas pesadas e quentes, o pescoço enrolado no cachecol e ainda temos que lutar para conseguir um pouco de ar. Quem tem problema de pressão baixa é certeza que  cairá.

  1. Cocô de cachorro pelas ruas

Outra coisa chatinha ao andar pelas belas ruas da cidade é ter que ficar se desviando de cocô de cachorro. E quanto mais a rua for de bairro residencial, pior será. Na primavera e no verão que todos passam muito tempo com seus bichinhos pelas ruas e praças, fica ainda pior.

  1. Calçadas em falso

Não importa o bairro, com certeza alguém já pisou ou vai pisar num piso frouxo dessas calçadas. Nos dias de chuva são um verdadeiro suplício! Estamos caminhando e do nada pisamos em falso, molhamos toda a calça, saia ou meia. Em algumas ruas, caminhamos olhando para baixo evitando alguns pisos, como em um jogo, mas nem sempre é possível ganhar e quando vemos já temos sapato e roupa toda molhada.

  1. Roubos nos pontos de ônibus

Em 2016, definitivamente virou moda entre os criminosos cometer roubos nos pontos de ônibus. Como sempre fazemos filas para esperar e entrar no bus, alguns delinquentes ficam na fila como se também estivessem esperando e quando ele chega e abre a porta para as pessoas descerem, eles observam quem está distraído com celular. Quando os últimos passageiros estão descendo eles entram rápido, agarram o celular e saem correndo. Em alguns pontos é possível perceber quem são porque quando o bus para eles ficam na fila olhando sem parar para todos os que estão sentados perto das janelas. Basta ficar de olho e não dar mole.

  1. Você está falando em espanhol e o garçom em portunhol

Isso é muito, muito chato mesmo e é mais comum do que se imagina. Ir a um bar ou restaurante e o garçom perceber que somos brasileiros, começa a falar qualquer coisa, em um terrível portunhol mesmo depois de perceber que o cliente está falando tudo em espanhol. Além de ficar feio, nos confunde bastante. Já reclamei algumas vezes, afinal, se a pessoa quer treinar o português dele está tudo bem, mas quando não fala o nosso idioma e fica querendo dar uma de turista no Brasil estando na Argentina  forçando o portunhol quando deveria fazer um bom atendimento, é chato.

10 Comentários

  1. Ina, minha impressão é que voce detesta morar em Buenos Aires. Vá embora da Argentina, por favor. É muito feio alguem falar mal do local que a acolhe. Todos os seus pontos são negativos… Hellooooooo…. Acorde! Se quer morar em Buenos Aires, fale das coisas boas da Argentina. Senão volte por Brasil.
    Vou somente mencionar um ponto… 10 – Você não deve ter entendido o garçom tentando falar “Portunhol” como você diz. Você deveria é ficar feliz por ele estar tentando praticar seu “Português”, afinal de contas você também está tentando praticar seu Espanhol com ele.

    • Olá, primeiro é bom ler e acompanhar o trabalho das colaboradoras deste blog antes de escrever uma opinião. Nós do BPM não temos e nem vamos escrever somente os pontos positivos de onde moramos já que a vida, principalmente de imigrantes, é cheia de adaptações com a cultura na qual estamos inseridas. Se tivesse lido os outros posts teria percebido isso.
      Quanto ao ponto do garçom, falo fluentemente o espanhol mesmo antes de ter vindo morar aqui e não tenho por que “praticar” nessas ocasiões em específico e todos os aspectos abordados foi uma reunião de vários costumes diferentes dos quais uma boa parte dos brasileiros e outros estrangeiros que moram aqui há muitos anos percebem da mesma maneira e que os próprios argentinos, principalmente portenhos, concordam.
      Para quem está aqui inserido nesta cultura não há nenhuma novidade nos pontos descritos daí o título ser as coisas difíceis na adaptação, sempre partindo da experiência de cada um.

    • Indigada dos Santos, você falou bobagem pra caramba agora. É comum no BPM escrever textos apontando pontos positivos e outro texto com pontos negativos.

  2. Oi! Eu moro a 10 anos na Argentina, numa cidadezinha do interior e concordo com a Ina. A Argentina foi um país que me acolheu super bem mas, como em qualquer lugar, tem aspectos positivos e negativos!

    • Morei na Argentina por 3 anos, sendo 1 em Buenos Aires, onde estes aspectos citados pela Ina estão mais presentes. Exceto pelo ponto 10, que não me incomodava, os outros 9 são um aborrecimento diário, principalmente os motoristas e essas calçadas que são armadilhas por metro quadrado. Ah, e a questão do humor do argentino, tem que saber conviver e entender que é cultural mesmo. Muito pertinente o texto, Ina. Bjo

  3. Bom dia, Ina!
    Nossa, que diferente! Nunca me imaginei morando na Argentina. No entanto, tenho a percepção que a Argentina seja um país muito interessante e bonito. Sou brasileiro, também, e vivo em Portugal. E o que te levou a ir para Argentina? Era um sonho teu? Tenho a ideia de que o povo argentino é difícil de lidar. Até onde eu sei, é um povo bastante preconceituoso, inclusive com os brasileiros! Isso se confirma? Um abraço e boa sorte !

  4. Olá Ina,
    Meu nome é Eulália, trabalho numa consultoria de treinamentos interculturais.
    Nós treinamos expatriados de diversas empresas.
    Na próxima semana dia 18, atenderemos um colaborador que será transferido para a Argentina em breve, e gostaríamos de saber se você pode colaborar com o que chamamos de ‘Testemunho’, explico: usamos uma hora do treinamento para conectar o participante com alguém que tenha experiência no país de destino, para que você compartilhe um pouco da vivência no país.
    Brevemente é isso. Se você achar que pode nos ajudar te passo informações mais detalhadas. meu e-mail: [email protected].

    Obrigada

  5. Passei minha lua Mel ano passado em Buenos Aires. Ficamos pouco tempo mas deu para perceber alguns dos pontos citados neste post. Realmente tem muito cocô de cachorro pelas ruas, temos que ficar desviando o tempo todo. Fomos enganados pelo taxista nos dando “pesos” falsos. Meu esposo percebeu mas achou melhor não se incomodar. Algumas recepcionistas do hotel eram muito mal humoradas. Mas por outro lado tinha um garçom, já idoso, que era muito amável. Não sei se é verdade, mas já ouvi falar, que os argentinos de Buenos Aires, são menos receptivos dos que moram no interior.

Deixe um comentário

Por favor inclua o seu comentário
Por favor escreve o seu nome aqui