BrasileirasPeloMundo.com
Itália

Os seis primeiros meses de adaptação

Primeiros meses de adaptação

Os seis primeiros meses de adaptação.

Existem estudos que dizem que o ser humano leva em média de 21 a 80 dias para se adaptar a algum tipo de mudança de hábito. Nesse período, o nosso corpo e mente podem confundir-se com a nova rotina, e podem nos sabotar, passando sensações como fadiga, exaustão e necessidade de voltar à zona de conforto.

Bom, essas sensações podem ser facilmente convertidas em prazer e bem estar com um pouco de disciplina, paciência e persistência, mas existem mudanças e mudanças. Fica fácil quando você relaciona essa teoria com a prática de exercícios físicos, por exemplo, ou uma nova dieta, mas hoje vamos falar um pouco sobre a mudança radical de vida que é a mudança de país.

Antes de começarmos, e antes de você se planejar, uma coisa precisa ficar bem clara, nunca faça nada por impulso, principalmente na hora de tomar a decisão de mudar de país. Você tem que estar seguro, preparado tanto psicologicamente, como financeiramente, porque virão dificuldades, e se você não tiver um grande motivo, real em você, uma verdadeira vontade, fica fácil de perder o foco. E, sem preparo, com certeza os desafios tornam-se mais difíceis.

Os momentos que antecipam a viagem são bem exaustivos e mantêm a nossa mente ocupada e sobrecarregada. Durante o voo, geralmente dormimos e começamos a fazer planos, e quando chegamos é tudo uma maravilha. O ar muda, a vegetação é outra, cada rua é uma nova aventura, o sabor da água, das comidas, as sensações são outras. Tudo é lindo e o sonho começa a tomar forma.

Leia também: Delícias da cultura gastronômica italiana

O primeiro mês é muito surreal, passa rápido e nós quase nos esquecemos que estamos em outro país, mas é já no primeiro mês que as coisas começam a “engatinhar”. Você vai dando entrada em documentos, aprendendo mais a língua, organizando questões de casa, procurando emprego e se adaptando.

Mas conforme os dias vão passando, você vai entrando em uma segunda fase, que muda de ansiedade para preocupação. Aqui na Itália existe muita burocracia, os processos são demorados e as datas de agendamentos são sempre bem distantes. Quanto a isso não há o que fazer, somente esperar. São tantos papéis e documentos que cada coisa precisa ser resolvida no seu tempo, e isso acaba trazendo a sensação de ”pontos sem nó”. É normal não conseguir resolver os processos nas datas que você planejou antes de vir, e isso traz inseguranças e medos. Mas, calma, com o tempo as coisas vão se acertando, você só precisa manter o foco.

Depois de dar entrada nos documentos e quando as coisas começam a virar rotina, é que mais uma vez nosso corpo e mente tentam nos sabotar, e vem como uma ”tempestade” a saudade de casa, dos amigos e da família. Isso também é comum, e nessas horas podemos usar a tecnologia a nosso favor. Ligue ou faça uma chamada de vídeo para as pessoas que você sente falta e que, normalmente, estariam ao seu lado para te dar apoio. Acredite, essas ligações transformam o nosso dia, para melhor.

Nesse período entre o segundo e quinto mês, podem aparecer sintomas de depressão, tristeza e solidão. É normal nesse início passar vários dias em casa, sem amigos, sem emprego, com o dinheiro diminuindo a cada dia e algumas necessidades novas surgindo, além da saudade e preocupação aumentando. O seu corpo pode reacionar de diversas formas como, por exemplo, comer em excesso ou deixar de comer, dormir demais ou ter insônia, crises de choro e picos de felicidade – é um turbilhão de emoções.

Leia também: Choque cultural e depressão

Se passar por esse momento de crise, leia, pratique exercícios, caminhe e conheça a cidade, faça uma visita aos parques, tire fotos, tome um sorvete e, principalmente, lembre-se do motivo que fez você tomar a  decisão de mudar. Eu me senti pela primeira vez em casa, e completamente feliz, depois do quinto mês. Hoje eu mal lembro dos dias difíceis que tive, mas certamente não me esqueci dos aprendizados.

O foco é um grande aliado, continue fazendo planos, lutando diariamente para construir sua vida nova, não desanime, não desista, mantenha à sua volta pessoas positivas e pensamentos positivos. Eu sei que é difícil, pois eu passei por tudo isso, mas garanto que com o tempo, a calma e o trabalho, tudo fica em ordem, o corpo e a mente alinham-se e trabalham melhor.

Então, depois de passar pelo turbilhão de emoções dos seis primeiros meses, a sua realidade muda. Com o tempo os novos amigos vão surgindo, você vai conhecendo cada vez mais os lugares, vai aprendendo a andar sozinho e voltar para casa, fala e compreende as pessoas, sai mais de casa, cria uma rotina, os documentos vão chegando, as oportunidades de empregos começam a surgir, novos planos, viagens e por aí vai.

Parabéns se você continuou lutando e não desistiu. Não é fácil, no começo é muita luta, mas tudo valerá a pena para realizar o seu sonho. É muito gratificante saber que tivemos coragem e ousadia para deixar tudo o que tínhamos para trás e começar do zero.

Vale lembrar que: existem pessoas que passam por esse processo de adaptação de uma forma muito mais severa. Se sentir sintomas de depressão, não mascare ou se envergonhe. Procure ajuda com um especialista, e obtenha apoio para passar por essa etapa tão difícil.

Viva a vida com toda a sua alegria, e boa viagem.

Related posts

Visto para tratamento médico na Itália

Farah Serra

Seis dificuldades na vida de um imigrante na Itália

Ana Paula Ganzarolli

Fim de semana em Cinque Terre na Itália

Nathália Braga Bannister

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação