Dez motivos para morar na Dinamarca

146
47871
Advertisement

Em janeiro eu escrevi sobre as primeiras lições que aprendi ao me mudar pra Dinamarca. Apesar de ser um país que tem seus problemas como qualquer outro, muitos estrangeiros moram e são felizes aqui por uma série de motivos. Vou falar sobre 10 razões especiais que podem fazer qualquer pessoa simplesmente amar esse país. Leia com carinho se você se mudou ou pretende se mudar pra Dinamarca.

1- Honestidade

20140821_211018
Blusa encontrada na rua e amarrada no suporte público de bicicletas (Foto: arquivo pessoal)

Vez por outra, caminhando pelas ruas vejo objetos pessoais pendurados em árvores ou cercas, ou amarrados em algum lugar público. As pessoas colocam esses objetos assim para que o dono os encontre. Não existe ‘achado não é roubado, quem perdeu é relaxado’. Ninguém se apropria do que não lhe pertence e frequentemente os itens perdidos são recuperados por seus donos. Inclusive aconteceu comigo: num dia chuvoso fui ao supermercado e esqueci meu guarda-chuva pendurado numa gôndola. Como não estava chovendo na volta, nem dei falta; só percebi que o havia esquecido no supermercado depois de alguns dias do ocorrido. Quando voltei a esse mesmo mercado uma semana depois, para minha surpresa e “choque” lá estava o guarda-chuva, exatamente como e onde o esqueci. Sim, a honestidade existe!

2- Confiança

As pessoas confiam na polícia, confiam nos vizinhos, confiam no sistema, confiam em si mesmas e nas outras pessoas. Uma sociedade que se baseia na confiança mútua coletiva tende a ser mais transparente em suas relações e, consequentemente, mais eficiente.

3- Segurança

politi

Junto com a honestidade e a confiança, vem a segurança. As pessoas se sentem seguras na Dinamarca porque em geral se pressupõe que todos sejam honestos e portanto, dignos de confiança. Talvez isso também explique a predileção dos dinamarqueses por romances policiais: com a criminalidade real baixa, a ficção acaba se tornando um atrativo.

4- Liberdade sexual e de expressão

Sexo no primeiro encontro e sexo casual são vistos como algo normal; pornografia e prostituição são legalizadas. Topless é permitido nas praias, e nos vestiários de clubes, academias e ginásios não há divisórias ou portas separando as duchas. A Dinamarca e os dinamarqueses tratam o corpo e o sexo de forma natural e como parte de uma vida saudável, sem tabus religiosos e sem preconceitos, com uma permissividade libertária que pode soar permissiva demais aos olhos desacostumados dos estrangeiros.  E seguindo nessa linha de pensamento, segundo a Lei de Jante ninguém é melhor que ninguém, principalmente na hora de se expressar. Dinamarqueses são diretos e falam abertamente o que pensam, muitas vezes sem considerar a reação da outra parte em relação à sua opinião. Quem não ouviu falar da famosa tirinha dinamarquesa sobre o Islã que causou o maior rebuliço no mundo em 2005? A imprensa tem grande liberdade para tomar posições, fazer críticas a quem quer que seja e igualmente recebê-las sem se ofender tanto por isso. Como prova podemos citar o autor da tal tirinha que falava sobre o profeta Maomé, que acabou indo a público pedir desculpas por ter ofendido os muçulmanos.

5- Ligestilling: equidade de direitos e deveres entre homens e mulheres

A luta pelos direitos igualitários entre homens e mulheres existe no país desde a época viking, sendo uma das primeiras leis nesse sentido promulgada pelo rei Svend Barba Bifurcada Haraldsson em 983, garantindo direito a metade da herança para herdeiras numa época em que somente homens tinham direito a herdar. A luta por direitos igualitários é uma constante no país e  floresceu com vigor a partir de 1850, tomando mais corpo a partir da década de 1970 com o movimento feminista Rødstrømper. A Dinamarca foi um dos países pioneiros em legalizar o direito ao voto para as mulheres, por exemplo, e há um desejo muito forte de equidade entre os sexos, talvez influenciado pelas Leis de Jante. A coisa é tão séria que existe até um ministério do governo dinamarquês dedicado exclusivamente a tratar dos assuntos de equidade entre os sexos, o Ligestillingsministeriet.

6- Sistema de bem-estar social

Dagpenge (uma espécie de seguro-desemprego que a pessoa pode receber por até 2 anos caso não encontre trabalho); Kontanhjælp (uma ajuda financeira mensal para pessoas desabilitadas física ou mentalmente e impossibilitadas de trabalhar); SU (ajuda de custo paga pelo governo aos estudantes secundaristas e universitários); faxineiras, enfermeiras e cuidadoras a domicílio para os pensionistas. Um sistema de saúde público e gratuito, acessível a todos que residam legalmente no país. Educação pública, gratuita e de qualidade para todos. Um sistema social que auxilia portadores de necessidades especiais de todos os tipos a terem uma vida digna e a se integrarem à sociedade. Licença maternidade de até um ano, paga, podendo ser compartilhada entre a mãe e o pai. Utopia? Não. Tudo isso existe – e funciona – na Dinamarca!

7- Conforto, mas sem luxo

Sobriedade, praticidade, conforto sem luxo desnecessário: esse é o espírito minimalista dinamarquês. Beleza tem a ver com linhas simples, sem exageros. As coisas devem ser práticas, fáceis de manusear e claro, com um toque de modernidade e gosto pessoal. A vida na Dinamarca está cercada pela praticidade, pelo conforto e beleza. Esse caráter está intimamente ligado ao hygge.

8- Felicidade coletiva

Em várias pesquisas mundiais a Dinamarca é apontada como o país onde vivem as pessoas mais felizes do mundo. A bióloga e pesquisadora comportamental dinamarquesa Mette Böll atribui essa ‘tal’ felicidade dinamarquesa a três fatores básicos: autenticidade das pessoas, liberdade para ser quem se é e baixas expectativas. Ora, num país onde as necessidades básicas são atendidas e onde o código de conduta prega a equidade entre as pessoas, é fácil deduzir que as pessoas estejam satisfeitas. Manter-se autêntico, independentemente do que seja moda e principalmente sem temer a opinião alheia é uma característica marcante dos dinamarqueses e fator importante para a satisfação pessoal. As baixas expectativas, que em outros lugares poderiam ser traduzidas como falta de ambição, na Dinamarca são vistas como uma aceitação de que as coisas são como elas são e se você não pode mudá-las não deve se estressar por isso. Complicado? Assista aqui ao vídeo feito para a TEDx Copenhague onde Mette Böll explica seu conceito.

9- Sustentabilidade

20140821_115400
Máquinas de coleta de vasilhames (somente latas de bebida e garrafas PET) no supermercado Bilka em Holstebro. A máquina emite um cupom de desconto no valor dos vasilhames devolvidos, para ser usado no pagamento de compras feitas no supermercado. (Foto: arquivo pessoal)

Latas de bebida e garrafas PET têm valor de depósito, que volta para a mão do comprador em forma de desconto nas compras, cada vez que ele as devolve no supermercado. O transporte mais utilizado pelas pessoas é a bicicleta, altamente popular mesmo sob a neve e chuva, e o país conta com um sistema de ciclovias moderno, prático e bastante utilizado. Grande parte da energia elétrica consumida no país é eólica. E além dos mercados de pulgas, onde vez por outra dá para encontrar mesmo artigos raros e caros por precinhos bem camaradas, os brechós estão espalhados por todo lugar e nessas lojas as pessoas podem encontrar utensílios domésticos, artigos de decoração e móveis, além dos usuais roupas, sapatos e acessórios. Pelas cidades também estão espalhados pontos de coleta de roupas, sapatos e outros artigos usados e, pela internet, as pessoas podem consultar anúncios de doações de itens semi-novos em bom estado. A sustentabilidade é uma realidade presente no dia a dia.

10- Hygge

hyggeO hygge é o centro da vida na Dinamarca e é impossível deixar de amá-lo! Conflitos desnecessários e desgastantes são frequentemente evitados em nome do hygge. O bem-estar e o aconchego de coisas prazerosas são mais importantes que qualquer outra coisa na vida do dinamarquês. Leia mais sobre hygge aqui e abrace esse espírito tão bacana!

E já que você chegou até o fim, leia também o texto sobre as cinco razões para não morar na Dinamarca, clicando aqui.

Compartilhe
Texto anteriorAustrália – Dez Motivos Para Visitar
Próximo textoDez motivos para morar na Suíça

Cristiane é formada em Comércio Exterior e Marketing Internacional, é colunista da Dinamarca desde maio de 2013 e foi editora-geral do Brasileiras Pelo Mundo de janeiro de 2015 a setembro de 2016. Também é sommelière, consultora independente em importação e exportação e foi colunista do blog para expatriados Expat in Denmark, que fechou em julho de 2015. Mora com o marido e a filha na Jutlândia Ocidental.

146 Comentários

    • Eu nunca morei na Holanda mas ouço falar que o estilo de vida e até alguns comportamentos se assemelham ao que temos nessa região, sim. Acho que os países do norte europeu partilham, de certa forma, muitas similaridades. Obrigada por comentar e continue nos acompanhando!

        • Sim, tenho. O primeiro é ter um motivo bem forte para se mudar pra cá: trabalho, um amor, uma pesquisa científica, algo que justifique a aventura. O segundo, ler muito a respeito do país e se planejar bem para a mudança. Recomendo a leitura do site http://www.nyidanmark.dk/en-us e também o meu texto sobre as 5 razões para não morar no país, além de outros textos meus no blog sobre relações pessoais, trabalho, como fazer amigos, comida, entre outros. Leia também os comentários e réplicas nos meus textos. Por fim, recomendo visitar o país como turista antes de se decidir pela mudança definitiva. É importantíssimo se informar bem e evitar criar expectativas. Apesar de ser um país muito atraente em vários pontos de vista, pode ser bastante desafiador para brasileiros, sobretudo se forem muito ligados ao seu modo de vida no Brasil e tiverem laços familiares muito estreitos. Boa sorte e obrigada pela visita e pelo seu comentário 🙂

          • Muito legal! Cris, como é o campo para músicos na Dinamarca?Obrigado e muito legal suas informações.Parabéns

          • Aldo, obrigada por ler a minha coluna aqui no BPM.
            Não tenho uma resposta para a sua pergunta mas sei que há muitos músicos brasileiros atuando na Dinamarca, sobretudo em Aarhus e Copenhague. Mande uma solicitação para entrar no grupo BnD – Brasileiros na Dinamarca no Facebook que lá você poderá entrar em contato com vários músicos brasileiros e dinamarqueses que falam português.
            Abraços e continue nos acompanhando!

          • Acho que a violência e insegurança, já é um ótimo motivo para sair do país. Não tem porquê ter um amor, ou um trabalho científico. Abraços.

          • Henrique ou Lukas – fiquei na dúvida: não entendi o seu comentário.
            O erro das pessoas que querem mudar de país é que acham que tudo será incrivelmente maravilhoso no novo país. Sabemos que quem constrói castelos de areia corre o risco de ver tudo destruído pela primeira onda ou ventania que passar. A perfeição é uma utopia.

            Quem deseja mudar de país precisa se preparar e se planejar para evitar frustração e decepções. A vida no exterior pode ser mais desafiante do que se imagina, principalmente em países como a Dinamarca. Leia mais sobre o país aqui no BPM e vai entender o que estou dizendo.

          • Oi
            Leio muito sobre a cultura do país “Dinamarca”!
            Me identifiquei muito,pois tenho um sonho de viver ainda em um país onde as coisas funcionem,mas agora algumas coisas mudou em minha vida como a chegada de um filha.
            Mas, quem sabe o futuro!!!?
            Beijos

          • Se você quer que o seu sonho se torne realidade, planeje. Coloque seu plano em prática aos poucos e vá se organizando.
            Grandes mudanças pedem grande organização.
            Boa sorte e obrigada por ler e comentar!

      • Boa tarde, querida.

        tenho vontade de conhecer a Dinamarca, como turista. Mas você não falou do preconceito e racismo contra negros. Existe muito preconceito contra negros/? o negro, turista pode entrar em qualquer ambiente?

        grato.

        • Olá. Você pode vir tranquilo. Na verdade, o racismo que existe aqui é muito mais em relação aos muçulmanos que a negros. Racismo é algo lamentável, independentemente do tipo mas acredito que exista em todos os países, infelizmente. Em todo caso, pode vir tranquilo e continue nos acompanhando para saber mais sobre a Dinamarca aqui no blog 🙂

          • Olá e obrigada por ler o artigo e comentar. Eu escrevi aqui no blog um texto sobre aprender dinamarquês, leia aqui: http://www.brasileiraspelomundo.com/dinamarca-taler-du-dansk-falando-dinamarques-13188638. Recomendo procurar um centro de idiomas (sprogcenter) na localidade onde está e se informar a respeito de cursos, porém não tenho certeza se você na condição de turista poderá frequentá-los. O curso deve ser pago por você e os valores costumam estar a partir de 750 coroas dinamarquesas ou mais por mês para o curso noturno (1 hora e meia por semana).
            Boa sorte!

          • Bom dia Cristiane tudo bem???? Muito prazer em falar com voce.
            Eu estava pensando de ir passear e conhecer a capital e a muito tempo que eu sonho conhecer a Dinamarca deixa eu te perguntar qual é a moeda ai??
            E sera dificil pra mim arrumar um emprego ai e apartamento para dividir?? Eu queria ver com alguem pois sonho em morar na Dinamarca e trabalhar sera dificil só com visto de imigrante?? Gosto mt de trabalhar com criança e velhinhos se puder me ajudar fico muito feliz sou mt responsavel e humilde sou uma pessoa cristã ja tive ai na Europa mais nao deu p ficar por ñ ter documentos necessarios.

          • Olá, Suely, e obrigada por ler e comentar meu texto aqui no Brasileiras Pelo Mundo. Eu tomei a liberdade de apagar seus dados pessoais do comentário para evitar exposição desnecessária.
            A moeda da Dinamarca é a coroa dinamarquesa.
            Ter o sonho de imigrar para outro país é algo muito bonito, porém as pessoas se esquecem de que para que um sonho se torne real, é preciso preparo. Você já leu o meu texto com as razões para não morar na Dinamarca? Aconselho a leitura deste e de outros textos meus.
            Sim, é difícil arrumar emprego, se você não tem: a) visto de residência temporária ou permanente com permissão de trabalho; b) inglês em nível intermediário a avançado; c) alguém que lhe indique para a vaga. Em geral, as vagas para cuidadores de idosos são vagas oferecidas pelo governo ou por empresas privadas e para se candidatar é preciso falar dinamarquês (os idosos por aqui em geral não falam inglês) e ter diploma de SOSU, que seria o equivalente a um fisioterapeuta e auxiliar de enfermagem no mesmo curso técnico. Para trabalhar com crianças é preciso ser formada como pedagoga aqui na Dinamarca. Sem ter o diploma dinamarquês a pessoa não consegue emprego nessas áreas.

            Se o seu desejo é se mudar para a Europa, comece a se preparar, lendo bastante sobre o país para onde quer ir e visitando-o como turista antes da decisão final.

            Boa sorte e continue nos acompanhando!

      • POR FAVOR ME TIRE DO BRASIL, EU JA NAO AGUENTO MAIS VIVER EM UM PAIS CORRUPTO ONDE A DESONESTIDADES DE TORNOU ALGO ÉTICO E MORAL.

        • Rodrigo, realmente é muito triste o que está acontecendo no Brasil. Entendo seu sentimento de impotência face aos recentes acontecimentos no nosso país. Porém, morar no exterior também está ficando cada vez mais difícil para nós, estrangeiros. Aqui na Dinamarca, mesmo: ontem a ministra da integração e imigração publicou no Facebook dela uma foto onde ela aparece sorridente, com um bolo nas mãos. A legenda da foto era: “Hoje aprovamos a medida restritória de imigração de número 50 – isso merece ser comemorado!”
          Considerada como o país menos corrupto do mundo, a Dinamarca continua impondo regras rígidas para quem deseja viver aqui.
          Caso tenha interesse em saber mais a respeito, leia os diversos textos que eu e minha colega Camila temos publicado aqui no BPM.
          Ainda assim, acredito que as pessoas deveriam lutar mais e se rebelar aí no Brasil para tentar pressionar as mudanças.

    • CRISTIANE ,

      COMO ESTUDAR IDIOMAS NA DINAMARCA ? HA ALGO ORGANIZADO EM RELAÇAO A TERMOS UM CASAMENTO PARA TERMOS FILHOS ? A DINAMARCA , ME PARECE, QUE PEDE , QUE HAJA CASAMENTOS DE DINAMARQUESAS COM ESTRANGEIROS .

      • Para estudar idiomas na Dinamarca é preciso ter um visto válido para viver no país. A Dinamarca não concede visto para estudantes de idiomas – nesse caso, é necessário possuir um visto de outra natureza, assim a pessoa poderá estudar idiomas no país. O ensino do dinamarquês é gratuito para quem possui visto temporário de residência por casamento com cidadão dinamarquês, por contrato de trabalho ou se a pessoa é um refugiado ou asilado. Leia mais sobre vistos aqui: http://www.brasileiraspelomundo.com/dinamarca-que-tipo-de-visto-eu-preciso-ter-371517231
        Não entendi sua pergunta sobre casamento e filhos, por favor seja mais específico para que eu possa lhe responder adequadamente.

  1. Cristiane, O Sistema social e comunitario da Dinamarca parece utopia se comparado ao nosso. O Meu primeiro marido (so tive dois viu?) e’ Dinamarques e me literou sobre seu modus viventi, em suma, dos nordicos em geral. Posso afirmar que, as dez razoes que vc apresentou refletem a qualidade de vida e a escala de valores daquela nacao. Obrigada por dividir conosco seu conhecimento. Compartilhando….

    • É verdade, Juraci. Mas o meu desejo (e acredito que de todos que amam o Brasil) é de que um dia possamos alcançar patamares no nível dos países escandinavos em certas questões que ainda são polêmicas no nosso país. Obrigada por seus comentários sempre gentis e por compartilhar o texto. Continue nos acompanhando! Beijos

    • Mariana, o hygge é uma das melhores coisas (senão a melhor) da Dinamarca. Eu super aconselho que todo mundo abrace esse espírito – afinal, vivemos num mundo tão cheio de adversidades que às vezes até esquecemos dessas coisas pequenas e tão gostosas da vida… Beijos e obrigada por comentar!

      • Eu e meu marido gostariamos de morar fora do Brasil, e penseina DInamarca, mas nao sei nem por onde começar, ate pq ambos temos bons empregos aqui, da um medinho jogar tudo p alto e mudar de vida… queria um lugar melhor pra criar nossos filhos….

  2. Cris, posso trocar o título para a Suécia? 😀
    É impressionante como os países da Escandinávia são bem parecidos, não é mesmo?! E pensar que um dia cheguei a acreditar que tudo isso só existia no mundo do faz de conta. Pois é, vivendo e aprendendo.

    • É verdade, Vânia. Os países escandinavos possuem meio que essa homogeneidade: na língua, nas tradições, no comportamento… salvo algumas diferenças aqui e acolá, o modo de vida é mesmo bem parecido. Obrigada por ler e comentar! Bj

  3. Interessante a lista e seus pontos de vista. Tenho uma prima na Dinamarca, mas ela está na capital e lá acontecem furtos, como bicicleta roubada por exemplo. E não teve tanta sorte como vc com seu guarda-chuva quando esqueceu uma sacola cheia com alguns presentes no trem. Acho que toda cidade grande tem esse problema. Ciao!

    • Que pena, Carla. Realmente em Copenhague, por haver uma concentração maior de pessoas, existe mais criminalidade que no interior do país. Também há um trânsito e fluxo maior de turistas na capital, o que pode talvez explicar que a honestidade, confiabilidade e segurança dinamarquesa sejam abaladas… Já ouvi falar de casos de brasileiros que moram em Copenhague e tiveram seus apartamentos assaltados, bicicletas roubadas, entre outros, e sinceramente acredito que seja devido ao fluxo maior de pessoas. A Dinamarca está longe de ser um paraíso; aqui há problemas como em qualquer outro país do mundo, em maior ou menor escala. A lista que eu compilei foi uma lista de motivos que em geral estão, sim, presentes no dia-a-dia de quem vive na Dinamarca e mesmo com casos pontuais de violência aqui e acolá, as pessoas ainda se sentem muito seguras por aqui. Obrigada por comentar!

  4. Parabéns pelo texto e que pena para encontrarmos tudo isso tenhamos que sair do nosso país em busca de melhores condições de trabalho, segurança, tranquilidade e enfim a sonhada vida feliz ao lado de nossa família. Bjs.

  5. Oi, Cris!
    Estou bastante interessada em outro país, moro no Brasil(é claro srsrrs!!!!) e farta da impunidade, falta de qualidade de vida e outras… Sou enfermeira e fiquei bastante motivada após ler seu post, pois tinha em mente apenas o Canadá. Amei teu texto e se houver algum link que você possa indicar me a respeito da área da saúde do mesmo desde já lhe agradeço. Um grande abraço tudo de bom para você e família!!!

    • Oi Bia, e obrigada por comentar! Há muitas oportunidades de emprego na Dinamarca para profissionais na área de saúde: médicos, enfermeiras, auxiliares… Sugiro que dê uma consultada no meu texto sobre trabalho na Dinamarca, lá tem umas dicas importantes sobre como e onde procurar emprego. Você sendo enfermeira, se não me engano se enquadra nas profissões da ‘lista positiva’ que é uma lista com profissões que têm mais necessidade de profissionais no país e, portanto, profissionais dessas áreas são sempre favorecidos. As desvantagens que você pode encontrar ao se mudar para o país são o idioma que é bem complicadinho e demora pra aprender, o clima, que pra quem vem de lugares quentes pode ser bem ‘assustador’, digamos assim (dias longuíssimos no verão com temperaturas amenas e dias curtíssimos no inverno, com bastante escuridão e frio) e o fato de que fazer amizades não seja lá uma das coisas mais fáceis por aqui. Sabendo lidar com esses três detalhes, a vida aqui é muito gostosa e confortável. Veja se encontra o que precisa no texto sobre trabalho e caso não encontre, vou tentar mandar alguns links por e-mail pra você. Abraços, agradeço de novo o carinho e os bons votos e continue seguindo o BPM 🙂

        • Olá e obrigada por acompanhar o nosso trabalho. Os dois textos onde eu falo sobre trabalho se chamam Trabalhando – Parte 1 e Trabalhando – Parte 2; clique na categoria Dinamarca para ver todos os textos disponíveis sobre o país.
          Grata pela leitura e continue nos seguindo 🙂

  6. Olá Cristiane tudo bem?
    Realmente o que você listou é a pura verdade!!! Já estou morando aqui na Dinamarca há 3 meses e meio e já consigo sentir as qualidades deste país!!!Me casei no dia 06 de setembro de 2014 aqui,agora só estou a espera do “SIM” para eu permanecer no país e começar o curso de dinamarques!!!Estou bastante anciosa!!!

    • Oi Julliana, acho que você já tinha lido alguns dos meus textos aqui e a gente tinha se falado antes, não? Fico feliz que tenha dado tudo certo com seu casamento. A permissão de residência temporária demora um pouquinho pra chegar, mas chega – fique tranquila! Obrigada por ler e comentar e se tiver sugestões para matérias sobre a Dinamarca, fique à vontade para nos enviar!

    • Oi Tiago, obrigada por ler o blog e por comentar. Eu escrevi um artigo a respeito de casamento na Dinamarca, dê uma procurada no blog. É menos burocrático e mais rápido que em muitos países europeus, vamos dizer assim, mas há uma lista de exigências a serem cumpridas com documentos, idade mínima etc. Se depois de ler o texto ainda tiver outras dúvidas, pode perguntar que eu tento esclarecer. Abraço e continue nos acompanhando!

  7. Olá Cristiane
    Muito objetivo seu texto. Aposento-me daqui a cinco anos e pretendo viver em países diferentes a depender dos períodos climáticos que me adapte melhor. Atuar em projetos sociais locais muito mais como voluntária. O que tens a me dizer a respeito? Agradeceria muito se me passasse as diretrizes para eu planejar umas férias por aí.
    Antonia Carvalho

    • Olá Antonia, e obrigada por ler e comentar. Em breve escreverei um texto sobre voluntariado na Dinamarca. Vou tentar enviar por e-mail algumas dicas de como e onde buscar esse tipo de trabalho por aqui, porém há um pequeno contratempo: para ser voluntário por essas bandas é preciso que você tenha residência fixa no país e para isso, é preciso ter a permissão/visto para morar na Dinamarca e não tenho certeza sobre a existência de um visto para trabalhadores voluntários fixarem residência no país. A cultura dinamarquesa valoriza e incentiva o voluntariado e há muitos dinamarqueses que são voluntários, portanto eu não sei lhe dizer com precisão algo a respeito de pronto, mas se tiver um pouquinho de paciência posso buscar as informações e lhe enviar assim que as tenha. Sobre as férias, eu escrevi dois textos a respeito, dê uma pesquisada no blog. Brasileiros não precisam de visto para visitar a Dinamarca e podem permanecer aqui por até 90 dias. Caso precise de mais dicas ou orientações, estou ao seu dispor.
      Abraços e continue lendo e seguindo o Brasileiras Pelo Mundo!

  8. Minha atração pela Dinamarca vem de algum tempo, e lendo suas interessantes Dez Razões só aumentaram meu interesse agora compartilhado pela minha filha…Talvez nos encontremos por aí em breve! Só uma duvida: Passado o visto de turista como podemos residir legalmente na Dinamarca? Temos restaurante aqui no Brasil (Nordeste) mas, procuro um lugar melhor para criar meus filhos. Abraço…

    • Isaira, muito obrigada por seu comentário e por ler o BPM! As leis de imigração têm se tornado bastante rígidas em vários países da Europa e a Dinamarca também está nessa. Para ler mais a respeito de como residir no país legalmente, sugiro uma consulta ao site http://www.nyidanmark.dk/en-us que é a cartilha de todo imigrante no país. Tudo o que você precisa saber sobre vistos e permissões de trabalho está aí. Caso não saiba inglês, peça para o Google Translate dar uma forcinha! Visto de turista para os países Schengen não é necessário; extensão de permanência como turista não é permitida na Dinamarca(nem em nenhum país Schengen), salvo em casos de força maior, e turistas não podem exercer trabalho de natureza nenhuma, sob risco de prisão e deportação. Lembre-se de que mudar de país requer um preparo extensivo, pois vai existir o choque cultural que é inevitável e também outras barreiras como o idioma e adaptação ao clima local, por exemplo. Estude bastante sobre a Dinamarca, sobre o modo de vida aqui e sobre as possíveis dificuldades que você e sua família enfrentariam. O legal mesmo seria visitar o país como turista para ‘sentir’ um pouco a atmosfera e ver se é isso mesmo que você quer. Lembre-se também de que todo país do mundo tem problemas, em menor ou maior escala, e que o que importa de verdade na vida não é o que a vida nos dá, e sim, o que fazemos com o que a vida nos dá…
      Boa sorte e se quiser bater um papo pode me escrever no Facebook, o link para o meu perfil está aqui no BPM.
      Beijos e continue nos acompanhando!

  9. Ótimo post =) estou indo passar um ano em Roskilde e estou ansiosa pelo modo de vida dinamarquês. Só uma correção, a energia eólica atende cerca de 45% da energia no país, 100% de energia limpa é meta para 2050.

    • Oi Ana, obrigada pelo comentário e pela correção! Espero que os outros textos sobre a Dinamarca possam lhe ser igualmente úteis! Abraços e bem-vinda à terra de H.C.Andersen e da Rainha Margrethe! 🙂

  10. Boa tarde!
    O pai da minha filha é dinamarquês e possui RNE estrangeiro brasileiro mas recentemente voltou a morar na Dinamarca por motivos de trabalho. Nossa filha que nasceu aqui no Brasil e eu estamos planejando em mudar para lá, mas devido as diversas regras do país, estamos inseguras sobre nossa permanência. Não nos casamos ainda e não temos pressa. Você acha que podemos enquadrar de alguma maneira em alguma situação de permanência, que não tenhamos que retornar para o Brasil em até 3 meses? Pois vou abrir mão de situações estáveis como trabalho, faculdade, etc, por algo imprevisível. Como foi a sua situação para regularizar e quanto tempo levou?

    • Cristina, a minha situação foi diferente da sua porque eu pedi visto de residência temporária baseada em reunificação familiar com base em casamento realizado pela lei dinamarquesa. No seu caso, se vocês já moraram no Brasil juntos e têm como provar isso com documentos e testemunhas, você e sua filha poderão pedir visto de residência temporária por reunificação familiar baseada em convivência mútua por mais de um ano. A lei completa se encontra no site http://www.nyidanmark.dk, seria interessante que seu companheiro lesse para se informar a respeito, caso você não fale dinamarquês, ou se você falar inglês, pode acessar a versão do site nesse idioma em http://www.nyidanmark.dk/en-us. Outra coisa que ele pode fazer é se dirigir ao departamento de imigração na central de polícia mais próxima de onde ele estiver morando. Lá ele obterá as informações que vocês precisam. O visto por reunificação familiar permite que o aplicante aguarde pela resposta em território dinamarquês, a contar da data do requerimento do visto, porém quem estiver aguardando a resposta da imigração na Dinamarca não pode se ausentar do país sem pedir autorização especial. É impreciso falar em tempo de espera porque isso varia de acordo com a época da solicitação e com o tipo de visto solicitado. Uma coisa que é importante é se informar a respeito da documentação necessária e apresentar tudo para conferência da imigração antes de submeter o pedido de visto, para ter certeza de que está tudo em ordem e que todos os documentos solicitados foram apresentados. Isso diminui o risco de ter um pedido de visto negado. Sobre a sua insegurança, aconselho falar com seu parceiro dinamarquês a respeito. Toda mudança requer sacrifícios e mudar é um processo que leva tempo e requer paciência e boa vontade para lidar com problemas como aculturação, mudança de idioma, de clima, entre outros fatores. Como ele já passou por essa mudança por ter vivido no Brasil, certamente ele terá a experiência necessária para entender o que significa deixar uma vida para trás em busca do desconhecido e incerto. Desejo a vocês boa sorte e se precisar de algo, entre em contato! Abraços e obrigada por ler e comentar!

      • Ola Cristina tudo bem? Entao, gostaria muito de mudar para Dinamarca. Sou casada com um Espanhol e tenho residência. Será que terei problemas para entrar e viver na Dinamarca? Acho maravilhoso! Gostaria de poder ir. É facil encontrar emprego? Obrigada.

        • Olá e obrigada por seu comentário. Sugiro que leia os outros textos que eu e a Camila publicamos aqui no blog sobre a Dinamarca antes de tomar sua decisão. Há textos sobre diversos temas como emprego, saúde, moradia, custo de vida e muito mais. Em relação à sua dúvida sobre entrar e viver no país, consulte o site http://www.nyidanmark.dk/en-us e obtenha lá as informações a respeito do visto para cidadãos da Comunidade Europeia. Recomendo, também, aprender dinamarquês se possível antes de se mudar, pois sem falar o idioma local as coisas tendem a ser bastante complicadas na hora de se virar no dia a dia.

          • Sim, eu listei o frio como uma das condições adversas no meu texto sobre as 5 razões para não morar na Dinamarca, você já leu? Se ainda não, procure aqui no blog e deixe um comentário lá, também!

            Obrigada por ler e comentar e continue nos acompanhando!

  11. Olá Cristiane!
    Que texto bacana! Sempre pensei em morar fora do Brasil e a Dinamarca sempre foi uma das minhas principais opções. Lendo seu texto me fez querer ainda mais isso, pois parece um país bastante equilibrado. Me diga, como é a relação das pessoas com os animais? Aqui no Brasil o número de animais abandonados e explorados é gigantesco. Aí essa realidade é diferente? Existem políticas públicas a respeito do abandono de animais? Da exploração?
    Outra coisa que eu soube é que a Dinamarca é um dos países com o maior número de não-religiosos. É verdade? Sempre quis morar em um lugar onde as pessoas não baseassem tanto sua cultura na religião e gostaria de saber se aí é assim.
    Desde já obrigada!

    • Oi Taynada e obrigada por sua visita! Aqui a política com animais de estimação é bem séria e não se veem animais abandonados nas ruas. A política para ter animais também é bastante controlada e todos os animais são registrados na polícia e estão no programa de controle de zoonoses. O único senão da Dinamarca em relação aos animais, se é que há um, é a questão do bestialismo. A Dinamarca é o único país do mundo que ainda permite esse tipo de parafilia. Mas as notícias são de que em breve haverá uma interdição – já tramita no momento um projeto de lei para proibir a bestialidade no país, já que há um número considerável de turistas sexuais para esse fim, sobretudo da Alemanha, visitando o país, e os políticos estão preocupados com a imagem deturpada que se possa passar do país por causa dessa permissão ainda existente. Sobre a questão da religião, é verdade: as pessoas aqui não são muito religiosas e o país é laico, apesar de ter certos setores da vida pública que são administrados pela Igreja da Dinamarca, como é o caso da emissão de certidões de nascimento, por exemplo, e mudança de nome civil. Apesar disso não há interferência da igreja nos assuntos do cotidiano. A Dinamarca é um dos países mais liberais em termos de comportamentos humanos e tolerância à diversidade, apesar de a religião oficial do país ser o luteranismo.
      Continue nos acompanhando e se tiver sugestão de algum assunto para matérias sobre a Dinamarca, fique à vontade para fazê-las!
      Abraços

    • Oi Nelson e obrigada por nos ler. O custo mensal básico vai depender de alguns fatores como por exemplo, o tipo de moradia que ela optar em ter, o estilo de vida que desejar ter e a cidade onde mora. Em média, estudantes que moram em kollegium (moradia estudantil, compartilhada ou não), que cozinham em casa, que estão em Copenhague e gostam de sair pra se divertir gastam uma média de 6 mil coroas dinamarquesas (algo que daria um pouco mais de 2 mil e 600 reais por mês). Alimentação é um item caro e carne bovina é o alimento mais caro, por isso muitos acabam optando por comidas industrializadas, semi-prontas mas nada saudáveis. Diversão também é algo bastante caro: um bilhete de cinema custa, em dias normais, cerca de 100 coroas, e sair à noite também é caro por conta dos preços das bebidas (cerca de 35-40 coroas uma cerveja, pra ficar no básico). Nos museus, há dias específicos no ano em que a entrada é gratuita. Moradia é algo caro e difícil de conseguir, principalmente nas grandes cidades. O aluguel de um quarto compartilhado sai por volta de 3 mil e 500 coroas em média, mas pode chegar a 5 mil, dependendo do tipo de habitação, cidade, bairro etc. Boa sorte pra sua filha e recomende o nosso blog! Abraços

    • Caro Claudio, obrigada por ler e comentar. Penso que antes de se preocupar com isso, o mais importante é se preocupar em como conseguir o visto para morar na Dinamarca. Essa é a parte mais difícil. O custo de vida é alto, aqui. 12 mil reais daria em torno de 27 mil coroas, mais ou menos, mas não sei qual o seu plano. Essa aposentadoria seria recebida no Brasil? Teoricamente, falando em custo de vida, esse valor cobriria as despesas de aluguel, comida, vestuário, transporte público e diversão para até duas pessoas, com modéstia. Porém, para morar aqui é preciso obedecer a uma série de pré-requisitos que são bem chatinhos. Teria que ver com mais cautela e se planejar melhor. Leia bastante sobre as leis de imigração na Dinamarca no portal do governo dinamarquês, http://www.nyidanmark.dk. Existe também uma versão em inglês. Aconselho também a ler o meu texto com as 5 razões para não morar na Dinamarca, antes de tomar a sua decisão. Boa sorte e continue nos acompanhando!

  12. Bom dia Cristiane, m,eu nome é Rodolfo Menezes, adoro meu país, tenho um bom emprego, mas gostaria de saber se tem muita burocracia e quais são para morar na Dinamarca com esposa e 02 filhos, sou trabalhador e se temos opção por ai.

    • Olá Rodolfo e obrigada por ler e comentar. É difícil dar uma resposta assim, sem saber detalhes sobre sua profissão e sobre suas expectativas e de sua família, ou sobre sua vivência no exterior. Escrevi também um texto sobre as razões para não morar na Dinamarca e recomendo que o leia. O que posso dizer, realisticamente falando: a parte mais difícil é conseguir o visto para morar legalmente no país, e sem falar inglês, não há chances. Aconselho ler o site da imigração daqui onde há informações sobre vistos: http://www.nyidanmark.dk/en-us. Tenha em mente que além de conseguir emprego (que está bem difícil por aqui, até para quem tem pós-graduação e fala inglês e dinamarquês fluentemente), é preciso pensar nas questões de custo de vida, adaptação, choque cultural, aclimatação, idioma, enfim… Há muito que se colocar na balança.
      Leia os outros textos que escrevi a respeito do país, estude bastante sobre os costumes da Dinamarca, planeje uma visita ao país como turista antes de tomar uma decisão. É importante ter bem medidos e calculados os riscos para evitar frustrações. A Dinamarca pode ser um país bastante difícil, principalmente se você morar no interior.
      Boa sorte na sua busca e se eu puder ajudar em algo mais, por favor, escreva.

  13. Olá Cristiane leme. Te encontrei por acaso na net. Confesso que estou energizado com todos os seus esclarecimentos sobre este maravilhoso país. Também gostaria de te enaltecer pelos seus conhecimentos. Quero passar férias neste país, tem alguma sugestão de hospedagem mais barata e confortante ?
    Abraços
    Peter

    • Oi Peter! Obrigada pelo comentário, fico feliz quando sinto que posso prestar um serviço 🙂 Se você me disser em que cidade vai ficar, posso sugerir com mais propriedade. Em cidades grandes como Copenhague há a possibilidade de se hospedar em albergues da juventude, que na minha opinião são a opção mais barata. Em geral, eu recomendo o Couchsurfing, não sei se você conhece o sistema mas é bastante seguro e eu inclusive faço parte, recebendo viajantes do mundo todo aqui em casa, onde ofereço hospedagem gratuita e companhia para algumas atividades, além de cozinhar juntos e fazer novas amizades. O conceito do CS é realmente a experiência de viver a rotina local do país, hospedando-se na residência de um local ou de alguém que já mora no país e que pode lhe apresentar uma visão diferente da visão que um turista geralmente tem. Veja mais a respeito no http://www.couchsurfing.com. Agradeço a leitura e recomendo a leitura dos demais textos. E continue nos acompanhando! Abraços

  14. Ola Cristiane, estou querendo viajar pra dinamarca pra juntar uma grana, oq vc acha?Pode me ajudar? E questao de trabalho,carga horaria,salario e etc. Oq me passar de informacao ficarei agradecido.Um beijao

    • Alexander, sinto ter que lhe dizer que a Dinamarca não vai lhe proporcionar isso. Aqui definitivamente não é um país para se juntar grana, nem mesmo para se ficar rico – mesmo porque existe uma equidade social muito forte e que é muito importante para os dinamarqueses. O custo de vida é alto e as pessoas valem pelo que são, justamente porque existe essa equidade social onde é difícil saber quem é pobre e quem é rico. A coisa de ostentação que é comum no Brasil e nos EUA é vista com maus olhos por aqui. As pessoas gostam de discrição e de uma vida confortável mas sem luxos, como digo no meu texto. Além disso, é difícil para conseguir o visto e eu desaconselho qualquer pessoa a ficar indocumentado, mesmo porque o sentimento de justiça aqui é tão forte que se alguém descobre uma pessoa trabalhando de forma irregular (seja por ela ser indocumentada ou por outro fator) as pessoas denunciam às autoridades. Aconselho a ler outros textos meus sobre trabalho (tenho dois textos publicados no blog) e também sobre como fazer amigos na Dinamarca. E claro, leia também as cinco razões para não morar na Dinamarca. Mudar de país é algo bastante complexo, sabe? Então se essa é a sua ideia, aconselho ser cauteloso e pesquisar bem. E se sua ideia é mudar para um país onde possa juntar dinheiro, sugiro pesquisar melhor pois pelo que sei, hoje em dia está difícil fazer pé de meia no exterior – eu aconselho a ficar no Brasil, mesmo, se esta for a sua única motivação. Leia os textos e se precisar de alguma informação complementar após a leitura, deixe mensagem que responderei assim que puder. Obrigada por ler e continue nos acompanhando! Beijos

  15. Bom dia, Cristiane, pergunta se a pessoa quiser sair do Brasil, por motivo de as coisas aqui não funciarem muito bem. exemplo. Saúde, educação e outras coisas. Desejar por exemplo ia para a Dinamarca por esses motivos, das coisas serem corretas lá. Ou Nova Zelandia, Alemanha?
    Eles só aceitam se for a trabalho ou estudo?
    Quais são os motivos oficiais para se sair e morar em outro país?

    Grato, grande abraço.

    • Oi Alexandre, desculpe mas eu não entendi se a sua primeira frase foi mesmo uma pergunta ou teve um tom mais de afirmação. O choque cultural é inevitável para onde quer que se vá, e para que a mudança seja tranquila eu sempre aconselho as pessoas a estudarem bem suas expectativas confrontadas com a realidade do país para onde querem ir. Eu escrevi um texto a respeito de algumas razões que podem fazer uma pessoa do Brasil titubear na hora de se decidir pela mudança do Brasil pra cá. As políticas de imigração na Europa e países ditos desenvolvidos estão se tornando cada vez mais rígidas e países pequenos têm um controle mais efetivo sobre a entrada de pessoas em seu território – observamos isso bem nos países que você citou. Os motivos para se mudar de um país para outro são bastante pessoais e a pessoa tem que ser realista em relação ao que vai encontrar no novo país, além de se preparar econômica, física e psicologicamente para a grande mudança. Importante é saber que TODOS os países têm seus problemas, em menor ou maior escala, e a verdadeira mudança na minha opinião começa dentro de nós mesmos, com nossas atitudes em relação à vida e ao mundo ao nosso redor. Vejo ultimamente muita gente reclamando que o Brasil tem inúmeros problemas e todo mundo acha que fugir é uma saída, com o que eu discordo veementemente, já que acredito que uma mudança de pensamento e atitude das pessoas é que faz um país. É mais confortável quando a gente se muda por motivo de trabalho, por exemplo, pois a pessoa tem uma garantia financeira e também as empresas costumam auxiliar o expatriado com trâmites fundamentais no início, como por exemplo encontrar uma residência, organizar os documentos para a vida no país, etc. A mudança para fins de estudo é um pouco mais complicada, por assim dizer, pois em muitos países você precisa ser mais proativo e buscar todas as informações sozinho. Uma coisa importante a se saber é que turistas brasileiros podem ficar em vários países por até 90 dias como turistas sem a necessidade de visto, porém enquanto turista, a pessoa não tem direito a trabalhar no país que está visitando. Como eu disse antes, essa coisa de ‘motivos oficiais’ para sair e morar em outro país tem muito mais a ver com a motivação e expectativas pessoais de cada um, desde que se conheça e se respeite as regras de imigração do país para onde se pretende ir. Espero ter esclarecido as suas dúvidas.
      Abraços, obrigada por comentar e continue acompanhando o BPM!

  16. Olá Cristiane, boa noite 🙂

    Tenho o objetivo de viver na Dinamarca um dia, o que me motiva a isso, é a violência e criminalidade diária que sofremos aqui no Brasil. Eu tenho uma filha de três anos, e não quero que ela cresça neste país, fora que eu sou mãe solteira (o pai não a assumiu.), então, é muito arriscado para nós duas que temos apenas uma a outra. A minha maior preocupação em viver na Dinamarca, é a questão do idioma. Você o fala fluentemente? Se sim, foi muito difícil aprender? É verdade que os dinamarqueses compreendem bem o inglês? Qual é o valor mínimo exigido pelo governo, para que se possa entrar e viver no país? É difícil conseguir emprego? Por favor me ajude, quero muito ír embora do Brasil, cheguei a um ponto, em que tenho medo do meu próprio país, infelizmente…

    Obrigada pela atenção Cristiane! Aguardo sua resposta 🙂

    • Luana, obrigada por seu comentário. Aconselho a ler todos os demais textos sobre a Dinamarca (e os comentários nos textos também!) antes de se decidir por morar no país – principalmente os textos referentes a motivos pra não morar aqui e informações sobre como fazer amigos e como conseguir trabalho. Eu pessoalmente penso que é muito nobre de nossa parte querer dar um futuro melhor a nossos filhos e construir uma sociedade onde as pessoas são mais justas e fraternas, porém lhe digo que isso independe de onde estivermos. Nenhum país no mundo é perfeito e a Dinamarca também não é! Aqui tem coisas que afugentam os estrangeiros – leia meus textos a respeito dos ataques terroristas em Copenhague (A união para vencer o medo) e um texto mais recente sobre a nova lei de imigração. Mudar de país é um ato que requer planejamento e conhecimento. Na Dinamarca também existe violência, porém existe educação para contrabalançar. Eu já falei a respeito do aprendizado do dinamarquês aqui no blog, dê uma lida (Taler du dansk? – Falando dinamarquês). A maioria das suas dúvidas pode ser respondida apenas com a leitura dos textos que já escrevi. Para se informar a respeito de vistos e requerimentos necessários para morar no país, consulte http://www.nyidanmark.dk/en-us, esse é o manual da imigração e conhecer as regras é vital para todo estrangeiro. Sem ter passaporte europeu vai ficar um pouco mais difícil para você e sua filha se mudarem para a Dinamarca. O país é um dos mais fechados atualmente em termos de imigração, e com a vitória da direita nas últimas eleições a coisa tende a ficar ainda mais estreita daqui pra frente. Portanto, meu conselho é: devore os textos sobre a Dinamarca aqui no blog, leia o Ny i Danmark e se ainda tiver dúvidas, entre em contato novamente. Boa sorte com seus planos e muito obrigada por nos ler. Continue acompanhando tudo sobre a Dinamarca aqui no BPM 🙂

  17. Boa tarde a todos,
    Sou de São Luís, MA. Já estive na Dinamarca em duas ocasiões, tenho amigos em Lyngby, próximo a Copenhague. Realmente a Dinamarca e os dinamarquêses são como você escreveu. Tem um jovem dinamarquês que é como um filho para mime minha esposa. Ele fez intercâmbio na Brasil e morou um ano conosco. Nosuas famílias se tornaram amigas e nos visitamos sempre. Conheço a Jutlandia, fui ao “lego land”. Sempre que vou a Dinamarca, Suécia e Noruega volto com inveja. Me aposento este ano e pretendo morar uma temporada por lá.

  18. Olá Cristiane,
    No ano passado, morei por 6 meses Copenhague, fiz parte do meu doutorado na DTU (Universidade Técnica da Dinamarca) em Lyngby.
    Realmente os pontos que você mencionou são absolutas verdades. No tempo que estive ai, pude viver várias dessas experiências que você menciona de forma muito positiva (claro, deixando o frio de lado kkk). Lembro muito saudoso desse ótimo lugar que é a Dinamarca. Espero poder voltar ao país novamente.

  19. Cris, seu texto me deixou ainda mais inspirada a tentar uma vida futura na Dinamarca ou em algum outro país escandinavo, então te agradeço muito pelas dicas! Andei pesquisando as universidades daí, e gostaria de saber: na Universidade de Copenhagen (que foi onde encontrei meu mestrado ideal, em ecologia) é preciso fazer provas para entrar? As aulas também são em inglês ou apenas em dinamarquês? Há alguma cobrança de valores ou a universidade também é gratuita? Há algum prazo para a duração do mestrado (como no Brasil, por exemplo, que são dois anos)? Agradeço se puder responder, e parabéns pela sua conquista de morar nesse país tão lindo!

    • Olá e muito obrigada por ler o blog e por deixar um comentário.
      Sugiro que consulte diretamente a Universidade de Copenhague para obter as informações desejadas. Sugiro, também, que consulte o site do ministério da educação dinamarquês e o http://www.studyindenmark.dk que é um portal completo para estudantes estrangeiros que desejam estudar na Dinamarca.

      Boa sorte e que em 2016 seus planos de morar em um país escandinavo se concretizem – e continue nos acompanhando aqui no BPM! 🙂

  20. Olá Cristiane, vivo pesquisando sobre países e culturas diferentes e uma coisa que me chamou atenção na Dinamarca é a igualdade social, sei que este país não é socialista mas chega bem perto. Mas gostaria de saber como a homossexualidade é tratada por aí ? Existe crimes contra a comunidade LGBT ? Se puder falar tudo o’que você sabe sobre esse tema na Dinamarca ficaria muito agradecido.Sei que existe muitos países maravilhosos mas pode não ser tão maravilhoso para uma pessoa como eu. Realmente espero uma resposta. Agradecido desde já.

    • Olá, Celso, e obrigada por comentar.
      Por aqui a homoafetividade é vista como uma coisa natural e não há crimes de ódio contra homoafetivos como no Brasil, por exemplo. A Dinamarca garante equidade de direitos para todos e os membros da comunidade LGBTT têm garantidos seus direitos a se casarem no civil e religioso, por exemplo, e podem inclusive ser ordenados sacerdotes na igreja popular da Dinamarca, a igreja oficial do país. Há também políticos influentes e membros da chancelaria dinamarquesa que são gays e têm uma vida absolutamente normal, como deve ser para todos. Claro que há casos isolados de preconceito e discriminação, afinal nenhum lugar do mundo é o paraíso, mas eu me arrisco a dizer que o país é bastante seguro para pessoas homoafetivas, sim.

  21. Acabei de voltar de lá e vi tudo isso que você escreveu . E estou com vontade e oportunidade de viver por aí !! Estou dividida, mas muito me atrai ..

  22. Olá, ótimo texto. Agora me diz uma coisa quanto é o salário base por mês, e quanto custa em média um aluguel e uma cesta básica. Obrigado.

    • Olá e obrigada por ler meu artigo aqui no Brasileiras Pelo Mundo. Para responder suas perguntas sugiro a leitura do meu artigo sobre custo de vida no país, clique aqui: http://www.brasileiraspelomundo.com/dinamarca-quanto-custa-morar-aqui-091116026
      Não existe o conceito de ‘cesta básica’ na Dinamarca porque a alimentação das pessoas é variada, assim como não existe salário mínimo no país. Os salários são acertados de acordo com acordos entre as empresas e os sindicatos. Todo trabalhador na Dinamarca é sindicalizado.

      Espero que o artigo seja útil e continue nos acompanhando!

  23. Olá, Cristiane. Satisfação em participar de comentários. PARABÉNS por esse teu trabalho. Bem, eu ressalto que alguns detalhes não foram expostos sobre “morar na Dinamarca”; EU MOREI na DINAMARCA (a trabalho, em treinamento industrial), entre 15/fev. e 28/maio de 2013, num município chamado KALUNDBORG, a 1 hora de trem de Copenhague. Há um local (na periferia de Copenhague) reservado (tipo uma mini província) chamado “Cristiania”, que funciona como um “refúgio” para a sociedade, ou seja, é um quarteirão afastado do centro, cercado, onde a polícia tem conhecimento do que acontece lá dentro (mas, por convenção, não faz investidas de prisões nas dependências desse local), Lá as pessoas podem usar drogas, expressar ideias reacionárias ou de outra ordem (ou DESordem) … mas, também, eu observei casal bem unido, familiar, empurrando um carrinho com bebê dentro. O horário, é para TUDO, é absolutamente PONTUALÍSSIMO !!!!! ….. e muito mais ….

    • Olá, Paulo, e obrigada por ler o Brasileiras Pelo Mundo.
      Meu texto não teve, em hipótese alguma, a pretensão de descrever em detalhes como é a vida na Dinamarca, portanto é mais que natural que muitos aspectos da vida no país não tenham sido abordados nele. Eu fiz o texto ressaltando o meu ponto de vista pessoal sobre 10 motivos para morar na Dinamarca, então o texto é subjetivo, porém se você ler outros textos meus verá que neles eu abordo diversos aspectos da vida por aqui.

      Christiania é conhecida como ‘Cidade Livre de Christiania’ (Fristaden Christiania) e é um bairro autônomo do distrito de Copenhague. Apesar da fama de local de consumo de drogas e práticas ilegais, a coisa não é assim tão liberal em relação a drogas, ilegal ou ruim como entendo que você tenha percebido. Aliás, não sei se você já esteve lá alguma vez. Caso fale dinamarquês, sugiro a leitura do site oficial de Christiania: http://www.christiania.org . Lendo os artigos desse site você certamente poderá entender melhor o que é Christiania e o que acontece por lá.

      Entendo que uma estadia de 3 meses dê uma visão bastante romantizada de um local, e que é preciso retornar muitas vezes ou viver por um longo período, aprender o idioma e experimentar a vida em sociedade para entender de forma mais completa um país. Espero que um dia você tenha a oportunidade de vivenciar a Dinamarca de forma mais intensa. 🙂

      Não sei o que você quer dizer com ‘ideias reacionárias’, pois a minha percepção é de que muito do que acontece corriqueiramente na Dinamarca pode ser encarado como muito radical por muitos cidadãos brasileiros. O país é muito progressista em diversos campos que são ainda tabus para a sociedade brasileira, portanto, reacionários, no caso, seriam os brasileiros que gostam de status quo e recusam-se a mudar, não é mesmo?

      Obrigada por comentar e continue nos acompanhando!

  24. Cristiane, primeiramente queria dizer que adorei os textos.
    Tenho uma imensa vontade de morar na Dinamarca. Sou casada e tenho dois filhos. Tenho um certo medo de sair do meu país e largar tudo o que temos aqui, mas cada vez mais tenho vontade de criar meus filhos em um país melhor.

    • Olá Fernanda e obrigada por ler o Brasileiras Pelo Mundo. Fico feliz em saber que gostou dos textos!
      Eu recomendo que leia mais artigos meus sobre a Dinamarca para conhecer outros aspectos do país.
      Mudar de país requer planejamento e organização, pelo menos do meu ponto de vista. Entendo seu desejo de proporcionar aos seus filhos uma vida melhor num país diferente, porém largar tudo rumo ao desconhecido sem ter ao menos um emprego garantido ou uma grande reserva em dinheiro me parece um tanto inconsequente, ainda mais quando se tem filhos. Migrar para um país como a Dinamarca tem prós e contras, mas a questão mais relevante para se mudar pra cá é o visto, pois sem ele você não poderá viver no país. A parte mais difícil está justamente aí: conseguir o visto. Recomendo que leia meu artigo a respeito, aqui no blog.
      O que posso recomendar é que se informe bastante e caso realmente seja o seu desejo tentar a vida em outro país, que analise com cautela e prudência as reais possibilidades, preparando-se adequadamente para evitar surpresas desagradáveis.
      Boa sorte com seus planos e continue nos acompanhando!

  25. Oi, quanto de dinheiro preciso ter na minha conta pra ser aceitado a minha entrada no pai? Pra morar e trabalhar.
    To me organizando pra ir la o proximo ano.

    • Precisa, antes de ter dinheiro, ter visto para morar na Dinamarca. A sua prioridade deve ser em conseguir o visto, que no momento não está nada fácil. Para saber sobre vistos, leia o meu texto a respeito aqui no blogue. Há vários tipos de visto e cada um deles pede critérios específicos. Se for cidadão europeu (deduzo por causa do seu e-mail), saiba que é possível vir para cá e ficar por 3 meses procurando emprego; caso consiga um emprego, pode se mudar para a Dinamarca em definitivo e caso não consiga, deve retornar ao seu país de origem e esperar nova oportunidade para regressar. A Dinamarca pode ser também um país bastante hostil em vários aspectos. Sugiro que leia outros textos meus para saber mais sobre o país e antes de se decidir por mudar para cá, visite o país como turista para ver se dá para encarar, sobretudo o clima.
      Boa sorte e obrigada por ler e comentar.

    • Rogério, não acho que o Brasil seja “esse inferno”. Tudo depende de perspectiva. Claro, no Brasil há inércia de uma parte da sociedade, enquanto que outra parte se resigna e abraça as corrupções do dia a dia como algo corriqueiro e ‘normal’; entretanto, o simples fato de se discutir a corrupção e política em todos os níveis sociais é um avanço considerável a ser respeitado, ainda que o nível dos debates seja por enquanto baixo. Em muitos países da Europa se discute política com a mesma paixão com que a maioria dos brasileiros discute o enredo da novela das oito. Acho muito importante esse despertar, ainda que inicial, da consciência política brasileira. Só assim iremos progredir.

      Outrossim, todos os países têm pontos positivos e negativos. O que muda é o tipo dos problemas. Enquanto a Europa e a Dinamarca lidam com aspectos como xenofobia e medo da perda da identidade nacional (leia meu texto sobre os 5 motivos para não morar aqui), no Brasil os problemas de corrupção, manutenção da desigualdade social, machismo, conformismo e negatividade ao enxergar o futuro, superados por aqui, continuam dando as cartas.

      Obrigada por ler e comentar.

  26. Ola Cristiane, gostei muito de seu Blog e dos textos. Achei muito interessante voce expor os 10 motivos de se viver na Dinamarca e os 5 em nao se viver, como voce mencionou em um dos comentarios, muitos de nós alimentamos expectativas por acharmos que outros paises ou alguma coisa do outro seja melhor do que o nosso e depois acabamos decepcionados em perceber que nao era tudo fantastico. Afinal, os lugares sao constituidos por pessoas e nós falhamos. Daí a importancia em nos prepararmos para o melhor e o pior. Estive na Dinamarca em 2014 por um mês, vi muitas coisas bacanas, mas vi coisas tristes tambem. Foi boa a experiencia. Morei na Alemanha por três anos e foi a mesma coisa, haviam coisas que me maravilhavam e outras que me causavam indignaçao. Portanto, o preparo para todas as coisas é importante, principalmente, quando a lingua, a cultura e o lugar sao diferentes.
    Talvez, eu retorne este ano à Dinamarca para passear, mas ja venho trocado informaçoes com meus amigos dinamarqueses e lido muito sobre como esta o país.
    Parabéns pelo trabalho!

    • Margareth, muito obrigada por ler o blogue e por comentar.
      Etimologicamente falando, tudo é, sim, fantástico, já que é fruto da nossa fantasia, né mesmo?

      Espero que faça um bom passeio – aproveite para ver os meus textos com dicas de lugares para visitar na Jutlândia!
      Abraços estivais

  27. Boa noite! Ótima matéria!! Vc sabe se posso morar na Dinamarca com o passaporte italiano sem nenhum tipo de burocracia e vistos? Abs e obrigado!

    • Olá, Guilherme. Obrigada por ler e comentar.
      As regras para cidadãos da EU estão no site da imigração da Dinamarca, peço que por favor consulte.
      Segundo a regra, cidadãos dos países-membros da união podem vir para a Dinamarca e viver aqui por um período de até 3 meses (no caso de não possuir residência fixa num país europeu) enquanto procuram trabalho, porém só poderão residir no país livremente depois de conseguirem emprego na Dinamarca.

      A situação de empregos por aqui é bem peculiar. Profissionais especializados em determinadas áreas como professores, profissionais de TI, engenharia (todos os tipos), medicina, enfermagem são altamente valorizados e procurados e estas profissões figuram na Lista Positiva. Para saber mais sobre a lista, consulte meu texto sobre vistos. As vagas em hotelaria e restauração são, normalmente, reservadas quase que exclusivamente para estudantes universitários e pessoas inseridas no programa de integração do governo, portanto é mais difícil para estrangeiros sem esse tipo de ligação conseguirem estas vagas. Para conseguir emprego aqui é necessário falar dinamarquês pelo menos em nível básico, ou inglês em nível avançado. A maioria dos empregos de engenharia e TI aceita sem problemas profissionais com apenas inglês em nível avançado, porém se for trabalhar em outras áreas, como saúde e educação, por exemplo, é preciso falar dinamarquês. É mais fácil conseguir emprego somente com inglês em cidades grandes como Copenhague, Aalborg e Aarhus.

      A Dinamarca está se tornando um dos países mais fechados para estrangeiros no momento, com diversas restrições e regras para quem deseja viver aqui permanentemente. Consulte o site referido no link acima e o http://www.nyidanmark.dk/en-us para mais informações sobre as regras.

      Aproveite para ler as 5 razões para não morar na Dinamarca e os demais textos sobre o país, escritos pela Camila e por mim, e planeje uma visita ao país como turista antes de tomar a sua decisão.
      Espero poder ter ajudado.

      Boa semana, abraços

    • Como dito anteriormente em resposta a um dos comentários neste texto, não existe salário base ou salário mínimo na Dinamarca. Os salários variam de acordo com a profissão e hierarquia. Não sei se procura casa ou apartamento ou se fala de aluguel ou compra, porém posso garantir que é difícil encontrar lugar pra morar nos distritos em torno de Copenhague e também é mais caro morar nessas cidades grandes como CPH, Aarhus e Aalborg.

  28. Oi Cristiane adorei ler seus textos que falam com propriedade dos costumes e cultura da Dinamarca, confesso que fiquei receosa sobre preconceito com estrangeiros.
    Estou grávida de um Dinamarquês e pretendo morar na Capital da Dinamarca, moro atualmente no Estado do Amazonas e tenho uma vida muito relax, zen e sinceramente fiquei preocupada pois prefiro morar no interior e viver em paz.
    Agora estou em dúvida se vou ou não

    • Miriam, apesar de ser pequena a Dinamarca tem paraísos idílicos onde dá para se ter a vida relax e zen com a qual você está acostumada. Será que seu companheiro não topa se mudar para um deles?
      Copenhague é uma cidade grande e tem problemas que toda cidade grande do mundo tem. Se você gosta de natureza e paz eu recomendo morar em lugares como as ilhas dinamarquesas de Ærø, Samsø, ou cidades como Viborg, Holstebro (onde moro) ou outra cidade pequena. Opções não faltam para quem gosta de paz e sossego.
      No mais, eu digo pra você que de nada vale a gente se preocupar com antecipação. Venha sem medo. Infelizmente, ignorância existe em qualquer parte do mundo e independentemente de pra onde a gente vá, a gente pode topar com situações mais ou menos desagradáveis. Meu conselho é vir de peito aberto, sem expectativas, para ver o que acontece. Lembre-se de que toda dificuldade pode ser também uma oportunidade.
      Abraços e continue nos acompanhando!

  29. Cristiane, tenho dupla cidadania onde a segunda é portuguesa, consigo me mudar para dinamarca sem solicitar residencia permanente? consigo trabalho também?

    • Outra ´duvida é com relação a validação de diploma brasileiro pois sou formado em engenharia civil e gostaria de saber se o diploma é reconhecido na Dinamarca.

      obrigado

    • Phillipe, não consegue. A lei dinamarquesa é bem clara a esse respeito. Cidadãos provenientes da Comunidade Europeia podem ficar na Dinamarca por 3 meses enquanto procuram trabalho. Caso consigam trabalho, podem pedir o visto temporário de residência. Nunca se dá o visto permanente para estrangeiros logo de cara, mesmo que a pessoa seja europeia. Somente pessoas da Noruega e Suécia podem viver aqui sem precisar de visto ou autorização de residência; as demais nacionalidades precisam solicitar visto.
      Sobre conseguir trabalho, isso vai depender muito de onde você procura e do que sabe fazer. Empregos na área de restauração e hotelaria são ocupados quase que exclusivamente por estudantes estrangeiros. Profissionais da área de energia eólica, engenheiros, médicos (e profissionais da saúde em geral), profissionais de TI e educadores em diversos níveis são requisitados pelo país, fazendo parte da Lista Positiva – leia a respeito no meu artigo sobre vistos e sobre trabalho na Dinamarca.
      Os empregadores dão preferência a contratar pessoas que têm visto e permissão para trabalhar no país. Somente profissionais altamente qualificados conseguem com que o empregador lhes proponha providenciar o visto, que nestes casos está diretamente vinculado à empresa e, uma vez encerrado o contrato, a pessoa automaticamente perde o visto.
      Espero ter esclarecido sua dúvida.
      Abraços

  30. Olá Cristiane. Li muitos dos seus textos e gostei muito. Parabéns! Sou casada com um Dinamarquês há 9 anos e moramos no Brasil. Temos 2 filhas de 4 anos (gêmeas). Fiz meu Pós-Doc na Dinamarca em 2006 (CBS – Copenhagen) e gostei muito do país. Mas não falo dinamarquês. Meu inglês é bom/avançado (mas não perfeito). No Brasil trabalho no mercado de educação (MBA, mestrado), tanto dando aulas como em cargos de gestão (diretora acadêmica, diretora comercial de cursos). Também escrevo livros didáticos (negociação, consultoria). Depois de 2 anos desempregado no Brasil, meu marido quer voltar para a Dinamarca. A ideia é maravilhosa quando penso nas minhas filhas e nele. Mas para mim, fico muito tensa com a questão do lado profissional. Sei que existe a possibilidade de tentar emprego nas universidades aí, mas acho que estou num momento de mudar de carreira mesmo, porque dar aula para mim no Brasil é apenas 20% das minhas atividades (os 80% me dedico a direção de cursos, tenho uma equipe de venda de treinamento para empresas). Vc tem alguma dica de headhunter, ou algum contato de alguém que pudesse me ajudar com essa questão profissional? Super obrigada desde já. Abs

    • Flávia, acredito que depende da cidade para onde vocês virão. Falando inglês, você terá mais chances no meio acadêmico em Aarhus e Copenhague. As universidades nessas cidades volta e meia procuram gente que fala português para o setor de estudos brasileiros, mas não sei se é o caso para você. Sem saber a sua área de atuação específica e graduação fica difícil eu dar um pitaco ou uma dica que valha a pena. Eu não conheço headhunters na Dinamarca, desculpe. Se me disser qual a sua área específica eu posso talvez lhe indicar uma luz.

      Abraços

  31. Cristiane, sou apaixonada pela cultura nórdica e meu marido e eu estamos decididos a ir embora do Brasil. Pensamos em criar nossos filhos num local digno de se viver, com valores sólidos e com simplicidade, onde as coisas funcionem. Depois de pesquisar bastante, vi seus textos no blog e gostaria de trocar uma ideia com você sobre a vida aí. Mas antes, gostaria de uma opinião sua: sou biomédica com doutorado em imunologia e andei pesquisando vagas no statens serum institut. Com a minha formação, eu conseguiria emprego como pesquisadora? É necessário validar o diploma? Meu esposo é engenheiro civil, com ênfase em projetos em BIM, e vi que consta na positive list. Você sabe dizer se ele precisa validar o diploma dele? Falamos inglês, ele intermediário, eu avançado. Em quanto tempo conseguiríamos nos comunicar pelo menos o básico em dinamarquês fazendo um curso de idiomas?
    Suas dicas são muito valiosas!!!

    Abraço e parabéns pela escrita leve e gostosa de ler!

    • Daniele, obrigada por ler o meu trabalho no BPM.
      Aconselho que leia todos os artigos – eu tenho em torno de quase 60 publicados – e também leia os artigos da Camila, minha colega de Copenhague, sobre os diversos aspectos da vida na Dinamarca.
      Embora seja um país estruturado e onde a desigualdade social é imensamente menor que no Brasil, há também dificuldades no percalço da vida por aqui. Convido você a ler os nossos artigos sobre o que fazer para morar na Dinamarca e verá que há diversos passos a serem respeitados e tomados.

      No seu caso e do seu marido, são profissões onde existe demanda no país, porém o esquema do Green Card não existe mais e é meio que um círculo vicioso: para conseguir emprego você precisa de visto e para conseguir o visto, um emprego ajuda, entretanto menos e menos empresas querem arcar com essa despesa, procurando contratar profissionais que já possuam residência legal no país.

      Nos artigos sobre como conseguir emprego há informações valiosas – eu tenho 2 artigos com esse tema e a Camila escreveu um super completo também.

      Não sei dizer sobre a necessidade de revalidação do diploma porque na Dinamarca as relações são feitas na base da confiança e em geral, é raro pedirem a comprovação da formação por meio de diplomas, mas vocês podem consultar no ministério da Educação daqui o que fazer para reconhecer seu diploma no país: http://ufm.dk/en/education-and-institutions/recognition-and-transparency/recognition-guide

      Conheço biomédicas brasileiras que se formaram e trabalham aqui. Não sei como seria para atuar na área de pesquisa. O ideal é consultar as universidades daqui e ver o que pedem. A Universidade de Aarhus trabalha nesse campo. Veja o site: http://biomed.au.dk/

      Se o seu desejo realmente é de vir para a Dinamarca, comece a poupar MUITO dinheiro e a aprender dinamarquês aí no Brasil, mesmo. Profissionais que dominam o idioma têm chances maiores de obter emprego rapidamente. Outra dica (que está nos artigos sobre trabalho na Dinamarca) é fazer contato através do LinkedIn com pessoas e empresas do seu interesse no país. Muitas contratações acontecem na base da indicação e referências são importantes.

      Tenho artigos sobre custo de vida, alimentação, razões para não vir pra cá… Leia tudo e se tiver dúvidas, pergunte que tentarei responder.
      Abraços e continue nos acompanhando!

  32. Boa tarde Cristiane Leme,
    Obrigado pelas dicas que tens dado, tenho uma duvidas, Sou casado e pai de 2 filhos um menino de 7anos e uma menina de dois anos, trabalho e a minha esposa tambem trabalha mas com o custo de vida que esta cada vez mais agravando no meu pais estavamos a pensar em nos mudarmos para dinamarca, não sabemos se é possivel ter uma aceitação para criarmos os nossos filhos la.

    • Oi Claudio. Fica difícil eu avaliar a situação de vocês sem conhecer a fundo.
      Sugiro dar uma lida nos demais artigos que escrevi sobre vistos e requisitos para morar na Dinamarca, pois o primeiro passo é obter o visto para viver aqui. Depois tenho outros artigos falando sobre como conseguir emprego e como aprender o idioma, que será fundamental pra vida no país.
      Desejo boa sorte a vocês e que seus planos logrem para o seu bem.

  33. Olá Cristiane! Primeiramente eu quero te dar os parabéns por nos proporcionar algumas informações importantes sobre esse país tão desenvolvido. Pois bem, sou Arquiteto, apaixonado pelas cidades, cultura, urbanização e mobilidade dinamarquesa. Tenho grande interesse em me mudar para Dinamarca, e acho que se tudo der certo, seja ainda este ano. A minha ida talvez se dê por esses fatores e também pela vontade de cursar um mestrado nesta área. Gostaria de saber se você conhece algum Arquiteto/Urbanista na sua região, e se poderia me indicar algum artigo, ou informações pouco aprofundadas sobre esta área de trabalho e estudo no país. Desde já agradeço! Abraços!

    • João Paulo, obrigada por ler e comentar.
      Se quer realmente ter chances, aconselho começar ontem as aulas de dinamarquês.
      Veja também com bastante atenção a questão do visto e como consegui-lo.
      Aqui vai um link que pode ajudar um pouco a conhecer mais sobre o mercado da profissão no país: https://www.danskeark.dk/content/danish-association-architectural-firms
      Esse link contém uma lista com várias firmas de arquitetura dinamarquesas. Talvez seja um começo procurar essas pessoas no LinkedIn e fazer contatos. Esse é o primeiro passo para conseguir um emprego.
      Leia também os meus artigos sobre custo de vida, dicas sobre como conseguir emprego, mercado de trabalho e cultura de trabalho na Dinamarca, vistos e requisitos para morar aqui, entre outros artigos interessantes sobre o país. Tem muita informação disponível nos textos e comentários.
      Boa sorte, obrigada pela visita – volte sempre – e abraços primaveris 🙂

  34. Olá, Cris!
    Adorei esse espaço “Brasileiros pelo Mundo”.
    Gostaria de conhecer um pouco mais sobre o Canadá. Você pode ajudar?
    Abraço!

    • Tem campo, sim, mas precisa conseguir o visto e falar o idioma antes de pensar em abrir esse tipo de negócio por aqui.
      Consulte meus textos sobre vistos e requisitos pra morar na Dinamarca. Conseguir o visto é a parte mais difícil.
      Boa sorte e obrigada por ler e comentar.

  35. Parabéns Cristiane!Excelente trabalho e continue sempre assim desenvolvendo suas pesquisas e contribuindo de forma essencial com os demais brasileiros e brasileiras que pensam em morar, estudar e trabalhar na Dinamarca. Li sobre suas duas pesquisas “10 razões para morar na Dinamarca e 05 razões para não morar na Dinamarca” e aprendi um pouco que para mim está sendo muito sobre esse maravilhoso e desafiante país. Irei acompanhar mais de perto esse blog para aprender mais sobre outros países e novas culturas. Sou formado em Comunicação Social, habilitação em Relações Públicas, pela Católica/PE, além de ser empregado público pelos Correios. Penso em descobrir novos países mas com a orientação de quem já tem experiência, como você.Sucesso e que o Senhor continue e esteja sempre com você.

  36. Boa tarde!
    Gostei muito do seu documentário,
    Parabéns! gostaria de saber um pouco sobre os cristão a vida evangélica, eles tem liberdade para falar de cristo? tem Igrejas? como funciona esse lado por aí?

    • Alcinara, a religião oficial da Dinamarca é o luteranismo, ou seja, a origem de todas as igrejas evangélicas.
      O país sendo cristão desde o século 10, é normal que se fale do Cristo por aqui, e as tradições e datas comemorativas são todas baseadas no cristianismo, mas as pessoas não são religiosas. Tem muitas igrejas luteranas e algumas neopentecostais, que acho que são às quais você se refere como ‘evangélicas’. Sei que pros lados de CPH tem IURD, e deve ter também missionários de outras denominações. A Dinamarca tem também Testemunhas de Jeová e mórmons.

  37. Olá!
    Gostaria de saber se as pessoas de lá gostam de fazer favores aos turistas? Que tipo de favor não pede às pessoas locais?

    • Que tipos de favores?
      Se você pedir informação pra alguém, o mais normal é as pessoas informarem, ou se não souberem, pedirem desculpas por não saber.
      No mais eu não sei a que tipo de favores você se refere, então fica difícil responder. 😛

  38. Olá! Estou há um tempinho pesquisando sobre como e onde estudar na Europa. Sou fã dos países nórdicos e por um bom tempo meu sonho de consumo foi a Finlândia. Porém, esbarrou em minhas pesquisas uma universidade dinamarquesa (Via University) e eu achei o site com uma linguagem tão simples, direta, enxuta, funcional, útil, falando de forma clara exatamente o que eu procurava, que me surpreendeu. Geralmente sites de universidades são um pouco confusos, (no Br na Federal, nem se fala). Então isso me deixou curiosa. Eu tinha uma imagem da Dinamarca, como um lugar extremamente caro, conservador e virtualmente inacessível por causa do rigor burocrático, tipo a Suíça. Mas pelas minhas pesquisas, vejo que estava bem enganada. A Dinamarca agora, ao meus olhos, parece um lugar bem acessível, mais do que a Noruega, Finlândia ou a Suécia… Eu gostaria de uma opinião ou dica de alguém experiente para saber se no meu caso eu teria alguma chance de estudar aí. Bom, primeiramente, sou mãe solteira de dois filhos (atualmente 4 e 9) e eles têm que ir comigo. Eu conseguiria educação pública em turno integral para eles? Eu conseguiria trabalhar meio turno falando inglês e pouco dinamarquês (ainda bem que tenho muita facilidade com línguas e aprendo rápido)? Eu conseguiria alugar um local pequeno em Viborg trabalhando meio turno? As escolas públicas dão alimentação? Aceitam crianças que falam outro idioma né?
    Você acha que realmente seria possível, uma mulher sozinha com dois filhos, se manter estudando e trabalhando em Viborg? Um último ítem; o estudo seria para uma segunda graduação (undergraduate). Já sou bacharel em artes visuais e o curso pretendido é o de animação no Animation Workshop da Via University. ( Claro, tudo isso se eu conseguir também bolsa de 100% para as taxas).

    • Olá! Obrigada por ler e comentar.
      Vou ser bem pragmática. A parte mais importante e crucial é obter o visto para morar na Dinamarca. Sem isso, esqueça o resto.
      Nunca ouvi falar de bolsa 100% pra estudantes internacionais mas recomendo entrar em contato direto com a universidade para se certificar sobre as possibilidades, é o melhor a fazer.
      Eu já escrevi uma publicação falando de creches. Elas são pagas e somente a partir dos 7 anos é que as crianças começam no ensino fundamental aqui, que é gratuito para quem tem permissão de viver e trabalhar no país.
      Sobre trabalho, Viborg é uma cidade relativamente pequena. Em geral na Dinamarca os estudantes trabalham nas áreas de serviços e HORECA, e os estudantes que trabalham precisam respeitar o limite máximo de horas para poder trabalhar. Esse tipo de informação pode também ser obtido junto à universidade.

      O fato de ser mãe solo não tem influência no seu desejo de estudar e trabalhar. O principal é obter o visto e aí o resto se encaixa 🙂

      Leia também meus artigos sobre custo de vida e sobre como obter os vistos, entre em contato com a universidade e acesse todos os links disponíveis nos artigos para obter mais info. No mais, procure grupos de estudantes internacionais na Dinamarca nas redes sociais e faça suas perguntas, já que é sempre útil falar com quem já passou pela experiência.

      Boa sorte pra você e continue nos acompanhando!

    • Tem campo para geógrafos, sim, sobretudo no setor público, mas é preciso se atentar ao fato de que não é fácil conseguir emprego na Dinamrca. Leia os textos a respeito de emprego na Dinamarca aqui no site. Acho que o mais adequado no seu caso seria tentar um mestrado após a graduação para ter mais chances de conseguir um emprego.
      Aqui é muito comum que as pessoas tenham um nível bom de educação. Falar dinamarquês é um diferencial importante para quem quer procurar emprego.

Deixe um comentário

Por favor inclua o seu comentário
Por favor escreve o seu nome aqui